A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
Direito Empresarial II leo imprimir

Pré-visualização | Página 6 de 10

a evolução da sociedade. Na assembléia geral ordinária que dever ser deliberado sobre a aprovação ou não sobre as demonstrações financeiras.
Balança patrimonial (art. 178): o principal é o balanço, vai conter todas as informações que tem aqui. Depois que esta elaborado, se retira pontos específicos, dando um enfoco específico para gastos..
Conceito: é a demonstração contábil que objetiva verificar a exata situação econômico financeira da sociedade
 Lucros e prejuízos acumulados (art. 186): informa ao acionista a destinação do lucro e a origem dos prejuízos, bem como demonstra o desempenho econômico da sociedade.
 Resultado do Exercício (art. 187): permite identificar o lucro ou prejuízo por ação do capital social.
 Fluxos de Caixa: apresenta as alterações ocorridas do saldo de caixa e seus equivalentes, tais como: operações, financiamentos, investimentos.
Cia Absoluta: Valor Adicionado (art. 188): indica o valor da riqueza gerada pela companhia e a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para geração dessa riqueza. Tais como: empregados, financiadores, governo e outros. Prinicípio do disclosure. 
Dissolução: Art. 206: é um processo desencadeado por algum fato, previsto em lei, também obrigatoriamente vai implicar na liquidação da companhia. Levanto o ativo para pagar o passivo, a partir disso posso ter um saldo credor ou em um saldo devedor.
Pleno direito: ocorrendo uma dessas hipóteses de dissolução ela já ta em período de dissolução, e não ofereceu a liquidação isso é uma dissolução irregular.
Pelo término do prazo de duração: quando terminar o prazo, não ocorrendo nenhuma alteração, ela ta dissolvida de pleno direito.
Nos casos previstos no estatuto: pode determinar algumas hipóteses que podem estar no estatuto. Ai quando terimnar o ouro vai acabar a sociedade.
Por deliberação da assembléia geral extraordinária: por maioria, aprovaram a dissolução, terá que ser feito a liquidação.
Pela existência de um único acionista: 
Pela extinção na forma da lei para funcionar, algumas atividades requerem autorização para que seja desenvolvida. 
Liquidação: Quando se inicia a liquidação, se paga o passivo. Promovida a liquidação é providenciar a extinção, também chamada de baixa, perante o órgão competente: Junta comercial, receita federal..Para efetuar a extinção os órgãos exigem a prova do pagamento do passivo, através da apresentação das certidões negativas de débitos. 
Vínculo de Integração Societária:
Sociedade Coligadas – art. 243,§§1º, 4º e 5º: elas participam de ouras com uma participação de 20% ou mais do capital social, sem deter o controle. 
Sociedade Controladora – art. 243, §2º
Controle direto – indireto
Grupo de Sociedade – art. 265
Consórcio de Sociedade – art. 278
Sociedade de Propósito Específico (SPE)
Prova vai valer 8. Algumas questões objetivas. Podem ser V ou F. Umas 2 dissertativas ou 3. Poderemos usar a lei. Um problema será as questões dissertativas. Sempre tem que fundamentar com a lei. Desconto 0,25 se não coloca o art. Da lei. Não vai pedir a parte histórica.
19/09/2013 
Continuação Espécie de S/A
Extraordinária
Especiais Acionárias e não acionárias
Representa do Acionista – O outorgado terá que ser acionista/administrador ou advogado
Convocação: art. 123 – A diretoria deve convocar. – se retardada por mais que 60 dias, pode qualquer acionista convocar. 
Forma: art. 124 – 3 anúncios – aberta – 1º convocação – 15 dias; Fechada – 1º convocação antecedência de 8 dias e 2 º Convocação – 5dias
Quórum de Instalação
AGO – 1º Conv. – ¼ do CS votante; 2º - qq nº
AGE (qualificado) – 1º COnv. – 2/3 do CS votante; 2º Conv. qq nº
Quórum de Deliberação
AGO – maioria absoluta dos votos presentes
AGE (qualif..) – ½ do CS votante
Conselho de Administração: art. 142 e ss – Obrigat./ colegiado (3 membros out.)/ deliberativo/ PF/PN/ Capaz/ Decl. Desempedim. – art. 1011,§ 1
º, CC – Domicílio fora do país não pode; Remuneração Global – dever de diligências, de lealdade – interesse da companhia e de informação/transparência
Diretoria
Responsabilidade – art. 158
Ação – art. 159
Conselho Fiscal – art. 162
Livros
02-10
Prova 2
Títulos de Crédito – dentro do direito cambiário;
Introdução à matéria 
Crédito – “se não tiver crédito, não há possibilidade de compra.”; Permissão de utilizar o capital alheio por um determinado período de tempo. Confiança, tempo são elementos do crédito; Confiança vai na pessoa ou na tutela jurídica (ações presentes no ordenamento jurídico) da pessoa; 
Função – é permitir a geração de riqueza; viabiliza exercer certas atividades; bancos centralizam hoje a operação de crédito; 
Classificação
Em razão da garantia
 
Pessoal – quando é o próprio patrimônio da pessoa que responde pelas obrigações.
Real – há um bem que é dado como garantia; esse bem pode ser móvel ou pode ser imóvel; quando bem móvel, é garantia pignoratícia; quando bem imóvel, é garantia hipotecário. Existe a cédula de crédito (rural, comércio, etc.)
Quanto a finalidade de sua utilização
Para consumo – crédito direto ao consumidor; crédito para viajar, comprar um carro, etc.
De produção – adquirir uma máquina nova para aprimorar minha produção; melhorar a arrecadação da saca de arroz, por exemplo; financiamento da atividade;
Taxa são menores para finalidade de produção.
Quanto ao instrumento de sua realização
Contrato – mútuo, empréstimo, etc.; títulos podem substituir a utilização do contrato.
Título de Crédito
Tutela Jurídica
Sem Representação material – acordado sem ter assinaturas; “fio do bigode”; não há contrato; problema quando há inadimplemento. Ação de conhecimento – rito ordinário (ação de cobrança) – Autor tem ônus da prova
Com representação material
Sem força executiva – Documento assinado com confissão de dívida, não tem força executiva. Serve como prova.
Com força executiva - 
Judicial
Extrajudicial: art. 585, CPC – Documento assinado com confissão de dívida com duas testemunhas. Assim, pula o processo de conhecimento e assim pode entrar a ação de execução (entrando com ação de execução o ônus da prova se inverte) O autor entra com ação contra o réu. O réu que tem que provar. Isso se dá através dos embargos; Embargante é o devedor; 
Todos os títulos de créditos são títulos executivos extrajudiciais enquanto não prescritos.
Circulação Extracambiária – art. 286 a 298 CC – Nem todo direito pode ser cedido; analisando sua natureza, seja pela lei ou seja pelo contrato. Pode existir restrições. É necessário outro documento para contrato de cessão; quando se cede direito a regra é que faça termo aditivo ao contrato. A transferência é instrumentalizada num documento apartada do original onde é necessária a assinatura do cedente e da cessionária. Obrigação do cedente comunicando a transferência ao credor. O devedor pode opor exceções ao terceiro. Cedente é um garantidor em caso de inadimplemento do devedor. A regra é que ele não um garantidor. No entanto, o cedente deve garantir a existência do direito cedido. 
Histórico da Tutela de Créditos
1.6.1. Período Italiano (... até 1650)
	Cautio – Promessa de pagamento 
	Littea Cambia – Carta (nominais e intransferíveis)
Câmbio Trajectício – Troca de câmbio. Nesse primeiro momento, não há crédito. 
1.6.2 Período Francês (1650 até 1848)
	Cláusula à ordem – possibilidade de colocar o título em circulação por endosso; o endosso se dá com a assinatura;
	Solidariedade cambiária – o endossante em regra garante o pagamento
1.6.3 Período Alemão (1848 até 1930)
	Abstração => Princ. Da Impossibilidade das Execuções ao art. 3º de boa-fé
1.6.4 Período Uniforme (1930...)
Realizado uma convenção em Genebra: Uniformizar as regras relativas a Cheque, letra de câmbio, nota promissória..
08/10/2013
2. Títulos de Crédito: a teoria geral vai ser aplicado para os títulos atípicos.
2.1 Conceito e função (art. 887, CC): conceitua título de crédito. A função dos títulos é instrumentalizar a circulação