A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 13 de 50

a	
  outra	
  
parte	
   será	
   obrigada	
   a	
   pagar-­‐lhe	
   por	
   inteiro	
   a	
   retribuição	
   vencida,	
   e	
   por	
  
metade	
  a	
  que	
  lhe	
  tocaria	
  de	
  então	
  ao	
  termo	
  legal	
  do	
  contrato.	
  
	
  
	
  
5.	
  Extinção	
  do	
  contrato	
  
	
  
O	
   contrato	
   se	
   extingue,	
   de	
   acordo	
   com	
   o	
   artigo	
   607	
   do	
   Código	
   Civil,	
   nas	
   seguintes	
  
hipóteses:	
  
a)	
  morte	
  de	
  qualquer	
  das	
  partes;	
  
b)	
  escoamento	
  do	
  prazo;	
  
c)	
  conclusão	
  da	
  obra;	
  
d)	
  rescisão	
  do	
  contrato	
  mediante	
  aviso	
  prévio;	
  
e)	
  inadimplemento	
  de	
  qualquer	
  das	
  partes;	
  
f)	
  impossibilidade	
  da	
  continuação	
  do	
  contrato,	
  motivada	
  por	
  força	
  maior.	
  
Este	
  rol	
  não	
  é	
  taxativo,	
  havendo	
  outras	
  hipóteses	
  de	
  extinção	
  do	
  contrato.	
  
Art.	
   607.	
   O	
   contrato	
   de	
   prestação	
   de	
   serviço	
   acaba	
   com	
   a	
   morte	
   de	
  
qualquer	
   das	
   partes.	
   Termina,	
   ainda,	
   pelo	
   escoamento	
   do	
   prazo,	
   pela	
  
conclusão	
   da	
   obra,	
   pela	
   rescisão	
   do	
   contrato	
   mediante	
   aviso	
   prévio,	
   por	
  
inadimplemento	
   de	
   qualquer	
   das	
   partes	
   ou	
   pela	
   impossibilidade	
   da	
  
continuação	
  do	
  contrato,	
  motivada	
  por	
  força	
  maior.	
  
	
  
6.	
  Outras	
  disposições	
  	
  
6.1.	
  Transferência	
  da	
  obrigação	
  a	
  terceiro	
  –	
  art.	
  605	
  
Proíbe	
   a	
   lei	
   que	
   tanto	
  o	
   tomador	
   transfira	
   a	
   outrem	
  o	
  direito	
   ao	
   serviço	
   contratado	
  
como	
  o	
  prestador	
  delegue	
  a	
  um	
  terceiro	
  a	
  prestação,	
  sem	
  o	
  consentimento	
  da	
  outra	
  parte.	
  
Art.	
  605.	
  Nem	
  aquele	
  a	
  quem	
  os	
  serviços	
  são	
  prestados,	
  poderá	
  transferir	
  a	
  
outrem	
  o	
  direito	
  aos	
   serviços	
  ajustados,	
  nem	
  o	
  prestador	
  de	
   serviços,	
   sem	
  
aprazimento	
  da	
  outra	
  parte,	
  dar	
  substituto	
  que	
  os	
  preste.	
  
	
  
37	
  
A	
   exceção,	
   diz	
   Rizzardo,	
   está	
   no	
   trabalho	
   agrícola	
   que,	
   na	
   hipótese	
   de	
   alienação	
   do	
  
prédio,	
  o	
   contrato	
  não	
  é	
   rescindido,	
   salvaguardando-­‐se	
  ao	
  prestador	
   a	
  opção	
  em	
  continuar	
  
com	
  o	
  adquirente	
  ou	
  com	
  quem	
  o	
  contratou.	
  
Art.	
  609.	
  A	
  alienação	
  do	
  prédio	
  agrícola,	
  onde	
  a	
  prestação	
  dos	
  serviços	
  se	
  
opera,	
  não	
  importa	
  a	
  rescisão	
  do	
  contrato,	
  salvo	
  ao	
  prestador	
  opção	
  entre	
  
continuá-­‐lo	
   com	
   o	
   adquirente	
   da	
   propriedade	
   ou	
   com	
   o	
   primitivo	
  
contratante.	
  
	
  
6.2.	
  Serviço	
  prestado	
  por	
  pessoa	
  sem	
  habilitação	
  	
  	
  
O	
  serviço	
  deve	
  ser	
  prestado	
  por	
  pessoa	
  tecnicamente	
  habilitada,	
  sob	
  pena	
  de	
  não	
  ser	
  
devida	
  a	
  contraprestação.	
  Todavia,	
  se	
  o	
  prestador	
  agiu	
  de	
  boa-­‐fé,	
  e	
  o	
  serviço	
  trouxe	
  resultado	
  
benéfico	
  ao	
  tomador,	
  como	
  ocorre	
  com	
  corretores	
  de	
  imóveis	
  não	
  credenciados,	
  técnicos	
  não	
  
diplomados,	
   que	
   trabalham	
   na	
   economia	
   informal,	
   a	
   retribuição	
   deve	
   ser	
   fixada	
   pelo	
   juiz.	
  
Evita-­‐se	
   dessa	
   forma	
   que	
   o	
   contratante	
   tenha	
   um	
   enriquecimento	
   sem	
   causa	
   às	
   custas	
   do	
  
trabalho	
   de	
   outrem.	
   Por	
   outro	
   lado,	
   remuneração	
   alguma	
   pode	
   ser	
   fixada	
   se	
   a	
   proibição	
  
resulta	
  de	
  lei,	
  como,	
  por	
  exemplo,	
  no	
  caso	
  dos	
  médicos,	
  advogados,	
  dentistas,	
  cujos	
  serviços,	
  
se	
  prestados	
  por	
  pessoas	
  não	
  habilitadas,	
  constitui,	
  inclusive,	
  tipo	
  penal	
  
Art.	
   606.	
   Se	
   o	
   serviço	
   for	
   prestado	
   por	
   quem	
   não	
   possua	
   título	
   de	
  
habilitação,	
   ou	
   não	
   satisfaça	
   requisitos	
   outros	
   estabelecidos	
   em	
   lei,	
   não	
  
poderá	
  quem	
  os	
  prestou	
  cobrar	
  a	
  retribuição	
  normalmente	
  correspondente	
  
ao	
  trabalho	
  executado.	
  Mas	
  se	
  deste	
  resultar	
  benefício	
  para	
  a	
  outra	
  parte,	
  o	
  
juiz	
   atribuirá	
   a	
   quem	
   o	
   prestou	
   uma	
   compensação	
   razoável,	
   desde	
   que	
  
tenha	
  agido	
  com	
  boa-­‐fé.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Não	
   se	
   aplica	
   a	
   segunda	
   parte	
   deste	
   artigo,	
   quando	
   a	
  
proibição	
  da	
  prestação	
  de	
  serviço	
  resultar	
  de	
  lei	
  de	
  ordem	
  pública.	
  
	
  
6.3.	
  Aliciamento	
  de	
  pessoas	
  	
  
Conforme	
  Carlos	
   Roberto	
  Gonçalves,	
   “ocorre	
   o	
   aliciamento	
   de	
  mão	
  de	
   obra	
   quando	
  
uma	
  pessoa	
  convence	
  o	
  prestador	
  de	
   serviço	
  a	
   romper	
  o	
  contrato	
  existente,	
  para	
   trabalhar	
  
38	
  
em	
   outro	
   estabelecimento”	
   (p.365).	
   Como	
   refere	
   Arnaldo	
   Rizzardo	
   que	
   “não	
   são	
   raros	
   os	
  
casos	
   de	
   aliciamento	
   de	
   técnicos	
   e	
   profissionais	
   gabaritados,	
   que,	
   atraídos	
   por	
   melhores	
  
ofertas,	
  rompem	
  contratos	
  que	
  vinham	
  desempenhando,	
  abandonando	
  projetos,	
  pesquisas	
  e	
  
mesmo	
   trabalhos	
   já	
   em	
   andamento,	
   para	
   serem	
   contratados	
   por	
   entidades	
   concorrentes,	
  
causando	
  elevados	
  prejuízos	
  àqueles	
  para	
  os	
  quais	
  trabalhavam”.	
  	
  
A	
   lei	
   exige	
   que	
   o	
   contrato	
   rompido	
   seja	
   por	
   escrito.	
   A	
   penalidade,	
   a	
   título	
   de	
  
indenização	
  ao	
  primeiro	
  contratante,	
  é	
  de	
  valor	
  correspondente	
  ao	
  que	
  o	
  prestador	
  receberia	
  
durante	
  dois	
  (2)	
  anos.	
  A	
  regra	
  incide	
  apenas	
  em	
  contrato	
  de	
  prestação	
  de	
  serviços	
  e	
  não	
  em	
  
contrato	
  comum	
  de	
  trabalho	
  (Rizzardo).	
  	
  
No	
   âmbito	
   penal,	
   o	
   aliciamento	
   é	
   crime,	
   tipificado	
   no	
   artigo	
   207	
   do	
   Código	
   Penal,	
  
punido	
   com	
  pena	
  de	
  detenção	
  de	
  1	
   (um)	
   a	
   3	
   (três)	
   anos	
   e	
  multa.	
   Pode,	
   ainda,	
   caracterizar	
  
crime	
  de	
  concorrência	
  desleal,	
  previsto	
  no	
  artigo	
  295	
  da	
  Lei	
  nº	
  9.279/96	
  (Lei	
  de	
  Propriedade	
  
Industrial),	
  se	
  o	
  objetivo	
  do	
  aliciado	
  é	
  prejudica	
  empresas	
  concorrentes.	
  
Art.	
  608.	
  Aquele	
  que	
  aliciar	
  pessoas	
  obrigadas	
  em	
  contrato	
  escrito	
  a	
  prestar	
  
serviço	
  a	
  outrem	
  pagará	
  a	
  este	
  a	
  importância	
  que	
  ao	
  prestador	
  de	
  serviço,	
  
pelo	
  ajuste	
  desfeito,	
  houvesse	
  de	
  caber	
  durante	
  dois	
  anos.	
  
39