A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 16 de 50

O	
  contrato	
  de	
  empreitada	
  se	
  extingue	
  pelo	
  (a):	
  
a)	
  Cumprimento	
  ou	
  execução	
  do	
  contrato;	
  
b)	
  Morte	
  do	
  empreiteiro,	
  se	
  o	
  contrato	
  foi	
  celebrado	
  intuitu	
  personae;	
  se	
  não	
  a	
  o	
  foi,	
  a	
  
obrigação	
  transmite-­‐se	
  aos	
  sucessores	
  (Gonçalves);	
  
c)	
  Resilição	
  bilateral	
  (autonomia	
  da	
  vontade);	
  
d)	
  Resolução,	
  se	
  uma	
  das	
  partes	
  deixar	
  de	
  cumprir	
  sua	
  prestação;	
  
e)	
  Resilição	
  unilateral	
  por	
  parte	
  do	
  dono	
  da	
  obra,	
  pagando	
  ao	
  empreiteiro	
  indenização,	
  
consoante	
  artigo	
  623.	
  
45	
  
f)	
  Excessiva	
  onerosidade	
  superveniente;	
  
g)	
  Perecimento	
  da	
  coisa,	
  por	
  força	
  maior	
  ou	
  caso	
  fortuito;	
  
h)	
  Falência	
  do	
  empreiteiro	
  ou	
  insolvência	
  do	
  proprietário.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
46	
  
Empréstimo.	
  	
  
	
  
O	
  empréstimo	
  é	
  o	
  contrato	
  pelo	
  qual	
  uma	
  das	
  partes	
  entrega	
  à	
  outra	
  coisa	
  fungível	
  ou	
  
infungível,	
  com	
  a	
  obrigação	
  de	
  restituí-­‐la	
  (Gonçalves).	
  
É	
   o	
   gênero	
   de	
   que	
   são	
   espécies	
   o	
   contrato	
   de	
   comodato	
   (art.	
   579)	
   e	
   o	
   contrato	
   de	
  
mútuo	
   (art.	
   586).	
   Embora	
   estes	
   contratos	
   tenham	
  em	
   comum	
  a	
   entrega	
   de	
   uma	
   coisa,	
   são	
  
profundas	
  as	
  diferenças	
  entre	
  um	
  e	
  outro.	
  	
  
O	
  comodato	
  é	
  o	
  empréstimo	
  gratuito	
  de	
  uma	
  coisa	
  infungível,	
  apenas	
  para	
  ser	
  usada,	
  
que	
  deve	
  ser	
  devolvida	
  no	
  final	
  do	
  contrato.	
  
O	
  mútuo	
  é	
  o	
  empréstimo	
   também	
  gratuito,	
  mas	
  de	
  uma	
  coisa	
   fungível	
   (CC,	
  art.	
  85),	
  
para	
   ser	
   consumida,	
   devendo	
   ser	
   devolvida	
   ao	
   mutuante	
   coisa	
   de	
   da	
   mesma	
   espécie,	
  
qualidade	
  e	
  quantidade	
  (Gonçalves).	
  
Daí	
  decorrer	
  que	
  se	
  a	
  coisa	
  emprestada	
  se	
  perder,	
  sem	
  culpa,	
  os	
  efeitos	
  serão	
  diversos.	
  
No	
   comodato,	
   não	
   pertencendo	
   a	
   coisa	
   ao	
   comodatário,	
   o	
   prejuízo	
   vai	
   ser	
   suportado	
   pelo	
  
comodante;	
  no	
  mútuo,	
  pertencendo	
  a	
  coisa	
  ao	
  mutuário,	
  o	
  prejuízo	
  vai	
  ser	
  suportado	
  por	
  ele	
  
(Gonçalves).	
  
	
  
I	
  -­‐	
  Comodato	
  	
  
1.	
  Conceito	
  
“É	
   o	
   empréstimo	
   gratuito	
   de	
   coisas	
   não	
   fungíveis,	
   para	
   serem	
   utilizadas	
   e	
   depois	
  
devolvidas”	
  (Rizzardo).	
  
Art.	
   579.	
   O	
   comodato	
   é	
   o	
   empréstimo	
   gratuito	
   de	
   coisas	
   não	
   fungíveis.	
  
Perfaz-­‐se	
  com	
  a	
  tradição	
  do	
  objeto.	
  
	
  
	
  
47	
  
2.	
  Caracteríticas	
  
2.1.	
  Contrato	
  Real	
  
É	
  um	
  contrato	
  real,	
  porque,	
  para	
  o	
  seu	
  aperfeiçoamento,	
  diferentemente	
  do	
  contrato	
  
consensual,	
  exige-­‐se,	
  além	
  do	
  acordo	
  de	
  vontades,	
  a	
  efetiva	
  entrega	
  da	
  coisa.	
  
	
  
2.2.	
  Unilateral	
  ou	
  bilateral	
  imperfeito	
  
Diferentemente	
  dos	
  contratos	
  bilaterais,	
  o	
  comodato	
  é	
  um	
  contrato	
  unilateral,	
  porque	
  
apenas	
  uma	
  das	
  partes,	
  o	
  comodatário	
  assume	
  obrigações,	
  a	
  de	
  conservar	
  a	
  coisa	
  e	
  devolvê-­‐
la.	
  
	
  
2.3.	
  Gratuidade	
  
O	
  comodato	
  é	
  um	
  contrato	
   gratuito	
  ou	
  benéfico,	
   porque	
   todas	
   as	
   vantagens	
   são	
  do	
  
comodatário.	
  
	
  
2.4.	
  Não	
  solene	
  
Não	
  exige	
  solenidade	
  para	
  a	
  sua	
  celebração	
  
	
  
2.5.	
  Coisa	
  não	
  fungível	
  
O	
  comodato	
  tem	
  por	
  objeto	
  apenas	
  coisa	
  não	
  fungível	
  (CC.,	
  art.	
  85).	
  
	
  
2.6.	
  Temporariedade	
  
É	
   traço	
   característico	
   do	
   comodato	
   a	
   temporariedade,	
   pois	
   a	
   posse	
   da	
   coisa	
  
emprestada	
  é	
   cedida	
   transitoriamente	
  ao	
   comodatário.	
  Não	
  havendo	
  prazo	
   convencionado,	
  
presume	
  seja	
  pelo	
  necessário	
  para	
  o	
  uso	
  concedido	
  (art.	
  581).	
  
	
  
48	
  
3.	
  Obrigações	
  do	
  comodatário	
  
As	
  principais	
  obrigações	
  do	
  comodatário	
  são	
  a	
  conservação	
  da	
  coisa	
  e	
  a	
  restituição,	
  no	
  
final	
  do	
  contrato,	
  ao	
  comodante.	
  Deve	
  usá-­‐la,	
  ainda,	
  de	
  acordo	
  com	
  a	
  destinação.	
  
Art.	
  582.	
  O	
  comodatário	
  é	
  obrigado	
  a	
  conservar,	
  como	
  se	
  sua	
  própria	
  fora,	
  
a	
   coisa	
  emprestada,	
  não	
  podendo	
  usá-­‐la	
   senão	
  de	
  acordo	
   com	
  o	
   contrato	
  
ou	
   a	
   natureza	
   dela,	
   sob	
   pena	
   de	
   responder	
   por	
   perdas	
   e	
   danos.	
   O	
  
comodatário	
  constituído	
  em	
  mora,	
  além	
  de	
  por	
  ela	
  responder,	
  pagará,	
  até	
  
restituí-­‐la,	
  o	
  aluguel	
  da	
  coisa	
  que	
  for	
  arbitrado	
  pelo	
  comodante.	
  
	
  
4.	
  Riscos	
  pelo	
  uso	
  da	
  coisa	
  
Estando	
  em	
  risco	
  a	
  coisa	
  emprestada	
  e	
  bens	
  do	
  comodatário,	
  este	
  deve	
  salvar	
  primeiro	
  
a	
  coisa	
  empresta.	
  Optando-­‐se	
  por	
  salvar	
  antes	
  as	
  suas,	
  perdendo-­‐se	
  o	
  objeto	
  do	
  comodato,	
  o	
  
locatário	
  responderá	
  por	
  perdas	
  e	
  danos	
  (art.	
  583).	
  
Art.	
  583.	
   Se,	
   correndo	
  risco	
  o	
  objeto	
  do	
  comodato	
   juntamente	
  com	
  outros	
  
do	
   comodatário,	
   antepuser	
   este	
   a	
   salvação	
   dos	
   seus	
   abandonando	
   o	
   do	
  
comodante,	
   responderá	
   pelo	
   dano	
   ocorrido,	
   ainda	
   que	
   se	
   possa	
   atribuir	
   a	
  
caso	
  fortuito,	
  ou	
  força	
  maior.	
  
	
  
5.	
  Obrigações	
  do	
  comodante	
  
A	
  princípio,	
  ao	
  comodante	
  não	
  seria	
  atribuído	
  obrigações,	
  já	
  que	
  ele	
  empresta	
  a	
  coisa	
  
gratuitamente.	
   Todavia,	
   há	
   entendimentos	
   no	
   sentido	
   de	
   que	
   incumbe	
   ao	
   comodante	
  
ressarcir	
   o	
   comodatário	
   pelas	
   despesas	
   extraordinárias	
   experimentada,	
   bem	
   como	
   pelos	
  
prejuízos	
  decorrentes	
  de	
  vícios	
  óculos	
  da	
  coisa	
  (Gonçalves).	
  
	
  
5.	
  Comodato	
  modal.	
  
Admite-­‐se	
  que	
  certas	
  obrigações	
  do	
  comodante	
  sejam	
  atribuídas	
  ao	
  comodatário,	
  sem	
  
que	
   isso	
   descaracterize	
   o	
   contrato.	
   Sanseverino	
   refere	
   que	
   uma	
   situação	
   comum	
   é	
   a	
  
49	
  
“atribuição	
  ao	
  comodatário	
  do	
  dever	
  de	
  efetuar	
  o	
  pagamento	
  de	
  despesas	
  inerentes	
  ao	
  bem,	
  
como	
  impostos	
  e	
  taxas.