A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 19 de 50

646.	
  O	
  depósito	
  voluntário	
  provar-­‐se-­‐á	
  por	
  escrito.	
  
	
  
Em	
   suma,	
   o	
   contrato	
   de	
   depósito	
   voluntário	
   prescinde	
   de	
   forma,	
   ‘podendo	
   ser	
  
celebrado	
  até	
  oralmente’	
  (Ulhoa	
  Coelho,	
  399).	
  A	
  forma	
  escrita	
  é	
  relevante	
  apenas	
  para	
  fins	
  de	
  
prova.	
  
	
  
d)	
  Natureza	
  jurídica	
  
É	
  um	
  contrato	
  real,	
  porque,	
  para	
  se	
  efetiva,	
  exige	
  a	
  entrega	
  da	
  coisa	
  ao	
  depositário.	
  
É	
  informal,	
  a	
  lei	
  impõe	
  forma	
  escrita	
  apenas	
  para	
  provar	
  a	
  existência	
  do	
  contrato.	
  
57	
  
O	
  contrato	
  de	
  depósito	
  pode	
  ser	
  oneroso	
  ou	
  gratuito,	
  embora	
  a	
  lei	
  ínsita	
  em	
  presumi-­‐
lo	
  gratuito,	
  a	
  realidade	
  do	
  mundo	
  moderno	
  é	
  outra,	
  diz	
  Gonçalves	
  (391).	
  
É	
  bilateral	
  ou	
  unilateral.	
  Bilateral	
  quando	
  a	
  guarda	
  é	
  mediante	
  remuneração;	
  unilateral	
  
quando	
  gratuita.	
  
Na	
  origem,	
  o	
  contrato	
  é	
  intuitu	
  personae,	
  baseado	
  na	
  confiança	
  depositada	
  na	
  pessoa	
  
do	
   depositário.	
  Mas	
   esta	
   característica,	
   hodiernamente,	
   está	
   bastante	
   atenuada,	
   eis	
   que	
   é	
  
comum	
   o	
   depositante	
   confiar	
   a	
   guarda	
   a	
   uma	
   pessoa	
   ou	
   empresa	
   que	
   nem	
   conhece	
  
(Gonçalves,	
  391).	
  	
  
	
  
e)	
  Obrigações	
  do	
  depositante	
  
Tratando-­‐se	
  de	
  contrato	
  oneroso,	
  logo,	
  bilateral,	
  o	
  depositante	
  se	
  obriga	
  a	
  remunerar	
  
o	
  depositário	
  pelo	
  preço	
  ajustado.	
  
	
   	
   Por	
  outro	
   lado,	
   se	
  o	
   contrato	
  é	
  gratuito,	
  ou	
   seja,	
  unilateral,	
  o	
  depositante,	
  de	
   início,	
  
não	
  tem	
  ônus	
  algum.	
  Podem,	
  entretanto,	
  surgir	
  obrigações	
  posteriores,	
  tais	
  como:	
  
-­‐	
   despesas	
   necessárias	
   feitas	
   pelo	
   depositário,	
   por	
   exemplo,	
   tratamento	
   com	
  
veterinário	
  que	
  o	
  animal	
  depositado	
  necessitou;	
  
-­‐	
   despesas	
   decorrentes	
   de	
   vícios	
   ou	
   defeitos	
   da	
   coisa,	
   que	
   acarretam	
   prejuízo	
   ao	
  
depositário,	
  por	
  exemplo,	
  o	
  animal	
  portador	
  de	
  doença	
  contagiosa	
  que	
  contamina	
  animais	
  do	
  
depositário.	
  
O	
  depositário,	
  nessas	
  hipóteses,	
  tem	
  direito	
  de	
  retenção,	
  para	
  forçar	
  o	
  depositante	
  a	
  
ressarci-­‐lo.	
  
	
  
Art.	
   644.	
   O	
   depositário	
   poderá	
   reter	
   o	
   depósito	
   até	
   que	
   se	
   lhe	
   pague	
   a	
  
retribuição	
  devida,	
  o	
   líquido	
  valor	
  das	
  despesas,	
  ou	
  dos	
  prejuízos	
  a	
  que	
   se	
  
refere	
  o	
  artigo	
  anterior,	
  provando	
   imediatamente	
  esses	
  prejuízos	
  ou	
  essas	
  
despesas.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Se	
   essas	
   dívidas,	
   despesas	
   ou	
   prejuízos	
   não	
   forem	
  
provados	
   suficientemente,	
   ou	
   forem	
   ilíquidos,	
   o	
   depositário	
   poderá	
   exigir	
  
58	
  
caução	
  idônea	
  do	
  depositante	
  ou,	
  na	
  falta	
  desta,	
  a	
  remoção	
  da	
  coisa	
  para	
  o	
  
Depósito	
  Público,	
  até	
  que	
  se	
  liquidem.	
  
	
  
f)	
  Obrigações	
  do	
  depositário	
  
As	
  principais	
  obrigações	
  do	
  depositário	
  são	
  a	
  guarda,	
  a	
  conservação	
  e	
  a	
  restituição	
  da	
  
coisa.	
  
	
   	
   A	
  guarda	
  consiste	
  em	
  cuidar	
  o	
  depositário	
  da	
  coisa	
  como	
  se	
  fosse	
  sua	
  e	
  é	
  inerente	
  ao	
  
depósito.	
  
A	
   conservação	
   é	
   uma	
   obrigação	
   conexa	
   às	
   de	
   guardar	
   e	
   de	
   restituir,	
   eis	
   que	
   o	
  
depositário	
   deve	
   zelar	
   por	
   ela	
   para	
   poder	
   restituí-­‐la	
   ao	
   depositante	
   no	
   estado	
   em	
   que	
   a	
  
recebeu.	
  
	
   	
   Se	
  a	
  coisas	
  depositada	
  deteriorar-­‐se	
  ou	
  perecer,	
  seja	
  o	
  depósito	
  gratuito	
  ou	
  oneroso,	
  o	
  
depositário,	
  se	
  não	
  agiu	
  com	
  culpa,	
  não	
  responde.	
  O	
  artigo	
  642	
  fala	
  em	
  força	
  maior,	
  apenas,	
  
mas	
  há	
  de	
  se	
  admitir,	
  também,	
  o	
  caso	
  fortuito.	
  Aqui,	
  ressalta-­‐se,	
  há	
  uma	
  inversão	
  ao	
  ônus	
  da	
  
prova,	
  pois	
  a	
  lei	
  atribui	
  a	
  prova	
  da	
  excludente	
  ao	
  depositário.	
  
Art.	
  642.	
  O	
  depositário	
  não	
  responde	
  pelos	
  casos	
  de	
  força	
  maior;	
  mas,	
  para	
  
que	
  lhe	
  valha	
  a	
  escusa,	
  terá	
  de	
  prová-­‐los.	
  
	
  
	
   	
   A	
   restituição	
   da	
   coisa	
   deve	
   se	
   dar	
   a	
   qualquer	
   tempo,	
   não	
   importante	
   o	
   contrato	
  
preveja	
   prazo	
   certo.	
   Os	
   frutos	
   produzidos	
   devem	
   ser	
   restituídos	
   juntamente	
   com	
   a	
   coisa,	
  
porque,	
   sendo	
   bens	
   acessórios,	
   pertencem	
   ao	
   dono	
   da	
   coisa	
   principal.	
   O	
   depositário,	
   no	
  
entanto,	
  não	
  está	
  obrigado	
  à	
  restituição	
  se:	
  	
  
	
   	
   -­‐	
   tiver	
   direito	
   de	
   retenção	
   pelo	
   valor	
   da	
   remuneração	
   e/ou	
   despesas	
   devidas	
   e	
  
impagas;	
  
	
   	
   -­‐	
  o	
  objeto	
  for	
  judicialmente	
  embargado;	
  
	
   	
   -­‐	
  sobre	
  ele	
  pender	
  execução;	
  
59	
  
	
   	
   -­‐	
  houver	
  motivo	
  razoável	
  de	
  suspeitar	
  que	
  a	
  coisa	
  foi	
  dolosamente	
  obtida	
  (por	
  furto	
  ou	
  
roubo).	
   Neste	
   caso,	
   o	
   depositário	
   pode	
   requerer	
   que	
   o	
   objeto	
   seja	
   recolhido	
   a	
   depósito	
  
público.	
  
Art.	
   633.	
   Ainda	
   que	
   o	
   contrato	
   fixe	
   prazo	
   à	
   restituição,	
   o	
   depositário	
  
entregará	
   o	
   depósito	
   logo	
   que	
   se	
   lhe	
   exija,	
   salvo	
   se	
   tiver	
   o	
   direito	
   de	
  
retenção	
   a	
   que	
   se	
   refere	
   o	
   art.	
   644,	
   se	
   o	
   objeto	
   for	
   judicialmente	
  
embargado,	
  se	
  sobre	
  ele	
  pender	
  execução,	
  notificada	
  ao	
  depositário,	
  ou	
  se	
  
houver	
  motivo	
  razoável	
  de	
  suspeitar	
  que	
  a	
  coisa	
  foi	
  dolosamente	
  obtida.	
  
Art.	
   634.	
   No	
   caso	
   do	
   artigo	
   antecedente,	
   última	
   parte,	
   o	
   depositário,	
  
expondo	
  o	
   fundamento	
  da	
   suspeita,	
   requererá	
  que	
   se	
   recolha	
  o	
  objeto	
  ao	
  
Depósito	
  Público.	
  
	
  
	
   A	
   restituição	
   incumbe	
   ao	
   depositário.	
   Se	
   ele	
   morrer,	
   será	
   sucedido	
   pelos	
   seus	
  
herdeiros.	
  Os	
  herdeiros,	
  se	
  de	
  boa-­‐fé,	
  venderem	
  a	
  coisa	
  depositada,	
  serão	
  obrigados	
  a	
  assistir	
  
o	
  depositante	
  na	
  ação	
  reivindicatória	
  contra	
  o	
  adquirente,	
  restituindo-­‐lhe	
  o	
  preço	
  pago.	
  Se	
  os	
  
herdeiros	
  agiram