A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 50 de 50

a	
   posição	
   de	
   Arnaldo	
   Rizzardo,	
   sustentando	
   que	
   o	
   Código	
   de	
   Defesa	
   do	
  
Consumidor	
   incide	
   sobre	
   as	
   locações,	
   certo	
   é	
   que	
   outro	
   é	
   o	
   entendimento	
   do	
   Superior	
  
Tribunal	
  de	
  Justiça.	
  
PROCESSO	
  CIVIL	
  -­‐	
  AÇÃO	
  CIVIL	
  PÚBLICA	
  -­‐	
  MINISTÉRIO	
  PÚBLICO	
  -­‐	
  LEGITIMIDADE.	
  
1.	
  O	
  MINISTÉRIO	
  PÚBLICO	
  FEDERAL	
  está	
  legitimado	
  a	
  recorrer	
  à	
  instância	
  especial	
  
nas	
  ações	
  ajuizadas	
  pelo	
  MINISTÉRIO	
  PÚBLICO	
  ESTADUAL.	
  
2.	
  O	
  MP	
  está	
  legitimado	
  a	
  defender	
  direitos	
  individuais	
  homogêneos,	
  quando	
  tais	
  
direitos	
  têm	
  repercussão	
  no	
  interesse	
  público.	
  
3.	
  Questão	
  referente	
  a	
  contrato	
  de	
   locação,	
   formulado	
  como	
  contrato	
  de	
  adesão	
  
pelas	
  empresas	
  locadoras,	
  com	
  exigência	
  da	
  Taxa	
  Imobiliária	
  para	
  inquilinos,	
  é	
  de	
  
interesse	
  público	
  pela	
  repercussão	
  das	
  locações	
  na	
  sociedade.	
  	
  
4.	
   Embargos	
   de	
   divergência	
   conhecidos	
   e	
   recebidos.	
   (EREsp	
   114908/SP	
   –	
   Corte	
  
Especial.	
  Rel.	
  Ministra	
  Eliana	
  Calmon.	
  DJ	
  7.11.2002.	
  DJ	
  20.5.2002)	
  
	
  
Ação	
   civil	
   pública.	
   Legitimidade	
   do	
   Ministério	
   Público.	
   Locação	
   predial	
   urbana.	
  
Inexistência	
  de	
  relação	
  de	
  consumo.	
  
1.	
   De	
   acordo	
   com	
   precedente	
   da	
   Corte	
   Especial,	
   o	
   Ministério	
   Público	
   está	
  
legitimidado	
   para	
   defender	
   direitos	
   individuais	
   homogêneos	
   que	
   tenham	
  
repercussão	
  no	
  interesse	
  público.	
  
2.	
  A	
  Lei	
  nº	
  8.078/90	
  –	
  Cód.	
  de	
  Defesa	
  do	
  Consumidor	
  –	
  não	
  se	
  aplica	
  
146	
  
às	
  locações	
  de	
  imóveis	
  urbanos,	
  regidas	
  pela	
  Lei	
  nº	
  8.245/91.	
  Jurisprudência	
  da	
  5ª	
  
e	
  6ª	
  Turmas.	
  
3.	
  Agravo	
  regimental	
  improvido.	
  
(AgRg	
   no	
   Ag	
   59082/RS.	
   Rel.	
   Min.	
   Nilson	
   Naves.	
   Sexta	
   Turma.	
   DJ	
   30.5.2006.	
   DJ	
  
14.8.2006).	
  
	
  
	
  
3.	
  Locação	
  em	
  shopping	
  center	
  –	
  art.	
  54	
  
3.1.	
  Conceito	
  de	
  shopping	
  center	
  
É	
   um	
   grande	
   edifício,	
   dividido	
   racionalmente	
   em	
   numerosos	
   compartimentos,	
   que	
  
integram	
  a	
   unidade	
   do	
   conjunto:	
   compondo-­‐se	
   de	
   vários	
   andares,	
  modelados	
   por	
   admiráveis	
  
linhas	
   arquitetônicas,	
   ornados	
   de	
   lustres	
  monumentais,	
   revestidos	
   por	
   pintura	
   agradável	
   aos	
  
olhos	
   e	
   distribuídos	
   a	
   comerciantes	
   qualificados,	
   que	
   dotam	
   os	
   seus	
   estabelecimentos	
   com	
  
requinte,	
  elegância	
  e	
  até	
  luxo,	
  ornando	
  o	
  ambiente	
  aprazível	
  até	
  para	
  o	
  simples	
  passeio	
  (Alfredo	
  
Buzaid).	
  
Quando	
  o	
  shopping	
  center	
  tem	
  um	
  único	
  proprietário,	
  de	
  regra,	
  uma	
  empresa,	
  os	
  seus	
  
espaços	
  são	
  alugados,	
  e	
  essas	
  locações	
  são	
  reguladas	
  pela	
  Lei	
  8.245/91.	
  
Art.	
  54.	
  Nas	
  relações	
  entre	
  lojistas	
  e	
  empreendedores	
  de	
  shopping	
  center,	
  
prevalecerão	
  as	
  condições	
  livremente	
  pactuadas	
  nos	
  contratos	
  de	
  locação	
  
respectivos	
  e	
  as	
  disposições	
  procedimentais	
  previstas	
  nesta	
  lei.	
  	
  
	
  
Ressalta-­‐se,	
   nessa	
   relação	
   locatícia,	
   a	
   liberdade	
   para	
   as	
   partes	
   estabelecerem	
  
condições.	
  Essa	
  liberdade	
  justifica-­‐se	
  em	
  razão	
  da	
  natureza	
  da	
  organização,	
  que	
  exige	
  encargos	
  
não	
   encontrados	
   em	
  espécies	
   diversas.	
  Decorre	
   daí	
   que	
   as	
   disposições	
   dos	
   artigos	
   17-­‐21	
  não	
  
incidem	
  amplamente	
  nas	
   locações	
  de	
   shopping	
   centers.	
  As	
   vedações	
   referentes	
  à	
  estipulação	
  
em	
  moeda	
  estrangeira	
  e	
  a	
  sua	
  vinculação	
  à	
  variação	
  cambial	
  ou	
  ao	
  salário	
  mínimo,	
  previstas	
  nos	
  
artigos	
   17	
   e	
   85,	
   aplicadas	
   a	
   outras	
   espécies	
   de	
   locações,	
   por	
   exemplo,	
   não	
   abrangem	
   as	
   de	
  
shopping	
   centers	
   (Rizzardo).	
   Ainda,	
   podem	
   ser	
   cobradas	
   dos	
   locatários,	
   agregando-­‐se	
   aos	
  
alugueres,	
  despesas	
  acessórias,	
  como	
  as	
  decorrentes	
  de	
  promoções	
  realizadas	
  pelo	
  shopping.	
  
147	
  
A	
  lei,	
  também,	
  proíbe	
  o	
  shopping	
  Center	
  de	
  cobrar	
  do	
  locatário	
  certas	
  despesas:	
  
Art.	
  54.	
  [...]	
  	
  
1º	
  O	
  empreendedor	
  não	
  poderá	
  cobrar	
  do	
  locatário	
  em	
  shopping	
  center:	
  
a)	
  as	
  despesas	
  referidas	
  nas	
  alíneas	
  a,	
  b	
  e	
  d	
  do	
  parágrafo	
  único	
  do	
  art.	
  22;	
  
e	
  	
  
b)	
   as	
   despesas	
   com	
   obras	
   ou	
   substituições	
   de	
   equipamentos,	
   que	
  
impliquem	
  modificar	
  o	
  projeto	
  ou	
  o	
  memorial	
  descritivo	
  da	
  data	
  do	
  habite-­‐
se	
  e	
  obras	
  de	
  paisagismo	
  nas	
  partes	
  de	
  uso	
  comum.	
  	
  
2º	
  […]	
  	
  
	
  
Quanto	
  às	
  despesas,	
  cuja	
  cobrança	
  é	
  proibida,	
  referidas	
  no	
  item	
  “a”,	
  veja-­‐se	
  a	
  remissão	
  
aos	
  itens	
  “a”,	
  “b”	
  e	
  “d”,	
  do	
  artigo	
  22.	
  
Art.	
  22.	
  [...]	
  	
  
Parágrafo	
  único.	
  [..]	
  	
  
a)	
  obras	
  de	
  reformas	
  ou	
  acréscimos	
  que	
  interessem	
  à	
  estrutura	
  integral	
  do	
  
imóvel;	
  	
  
b)	
   pintura	
   das	
   fachadas,	
   empenas,	
   poços	
   de	
   aeração	
   e	
   iluminação,	
   bem	
  
como	
  das	
  esquadrias	
  externas;	
  	
  
[...]	
  	
  
d)	
   indenizações	
   trabalhistas	
   e	
   previdenciárias	
   pela	
   dispensa	
   de	
  
empregados,	
  ocorridas	
  em	
  data	
  anterior	
  ao	
  início	
  da	
  locação;	
  
[...]	
  
	
  
3.2.	
  Previsão	
  orçamentária	
  
As	
  despesas	
  cobradas	
  do	
  locatário,	
  a	
  princípio,	
  devem	
  estar	
  previstas	
  no	
  orçamento.	
  
	
  
148	
  
Art.	
  54.	
  […]	
  
[...]	
  
2º	
  As	
  despesas	
  cobradas	
  do	
  locatário	
  devem	
  ser	
  previstas	
  em	
  orçamento,	
  
salvo	
   casos	
   de	
   urgência	
   ou	
   força	
   maior,	
   devidamente	
   demonstradas,	
  
podendo	
   o	
   locatário,	
   a	
   cada	
   sessenta	
   dias,	
   por	
   si	
   ou	
   entidade	
   de	
   classe	
  
exigir	
  a	
  comprovação	
  das	
  mesmas.	
  
	
  
3.3.	
  Formação	
  do	
  aluguel	
  
Explica	
  Álvaro	
  Villaça	
  de	
  Azevedo	
  que:	
  “O	
  aluguel	
  estipula-­‐se	
  de	
  modo	
  muito	
  particular,	
  
compondo-­‐se	
   de	
   uma	
   parte	
   fixa,	
   com	
   valor	
   mínimo,	
   corrigido	
   monetariamente,	
   e	
   de	
   outra	
  
variável,	
  à	
  base	
  de	
  um	
  percentual