A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 7 de 50

se	
  
calcular	
  valessem	
  ao	
  tempo	
  da	
  liberalidade.	
  
19	
  
§	
   2o	
   Só	
   o	
   valor	
   dos	
   bens	
   doados	
   entrará	
   em	
   colação;	
   não	
   assim	
   o	
   das	
  
benfeitorias	
  acrescidas,	
  as	
  quais	
  pertencerão	
  ao	
  herdeiro	
  donatário,	
  correndo	
  
também	
   à	
   conta	
   deste	
   os	
   rendimentos	
   ou	
   lucros,	
   assim	
   como	
   os	
   danos	
   e	
  
perdas	
  que	
  eles	
  sofrerem.	
  
Art.	
  2.005.	
  São	
  dispensadas	
  da	
  colação	
  as	
  doações	
  que	
  o	
  doador	
  determinar	
  
saiam	
   da	
   parte	
   disponível,	
   contanto	
   que	
   não	
   a	
   excedam,	
   computado	
   o	
   seu	
  
valor	
  ao	
  tempo	
  da	
  doação.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Presume-­‐se	
   imputada	
   na	
   parte	
   disponível	
   a	
   liberalidade	
  
feita	
  a	
  descendente	
  que,	
  ao	
  tempo	
  do	
  ato,	
  não	
  seria	
  chamado	
  à	
  sucessão	
  na	
  
qualidade	
  de	
  herdeiro	
  necessário.	
  
Art.	
   2.006.	
   A	
   dispensa	
   da	
   colação	
   pode	
   ser	
   outorgada	
   pelo	
   doador	
   em	
  
testamento,	
  ou	
  no	
  próprio	
  título	
  de	
  liberalidade.	
  
Art.	
   2.007.	
   São	
   sujeitas	
   à	
   redução	
   as	
   doações	
   em	
   que	
   se	
   apurar	
   excesso	
  
quanto	
  ao	
  que	
  o	
  doador	
  poderia	
  dispor,	
  no	
  momento	
  da	
  liberalidade.	
  
§	
  1o	
  O	
  excesso	
  será	
  apurado	
  com	
  base	
  no	
  valor	
  que	
  os	
  bens	
  doados	
  tinham,	
  
no	
  momento	
  da	
  liberalidade.	
  
§	
  2o	
  A	
  redução	
  da	
  liberalidade	
  far-­‐se-­‐á	
  pela	
  restituição	
  ao	
  monte	
  do	
  excesso	
  
assim	
  apurado;	
  a	
   restituição	
  será	
  em	
  espécie,	
  ou,	
   se	
  não	
  mais	
  existir	
  o	
  bem	
  
em	
   poder	
   do	
   donatário,	
   em	
   dinheiro,	
   segundo	
   o	
   seu	
   valor	
   ao	
   tempo	
   da	
  
abertura	
  da	
   sucessão,	
   observadas,	
   no	
  que	
   forem	
  aplicáveis,	
   as	
   regras	
  deste	
  
Código	
  sobre	
  a	
  redução	
  das	
  disposições	
  testamentárias.	
  
§	
  3o	
  Sujeita-­‐se	
  a	
   redução,	
  nos	
   termos	
  do	
  parágrafo	
  antecedente,	
  a	
  parte	
  da	
  
doação	
   feita	
  a	
  herdeiros	
  necessários	
  que	
  exceder	
  a	
   legítima	
  e	
  mais	
  a	
  quota	
  
disponível.	
  
§	
   4o	
   Sendo	
   várias	
   as	
   doações	
   a	
   herdeiros	
   necessários,	
   feitas	
   em	
   diferentes	
  
datas,	
  serão	
  elas	
  reduzidas	
  a	
  partir	
  da	
  última,	
  até	
  a	
  eliminação	
  do	
  excesso.	
  
20	
  
Art.	
   2.008.	
   Aquele	
   que	
   renunciou	
   a	
   herança	
   ou	
   dela	
   foi	
   excluído,	
   deve,	
   não	
  
obstante,	
  conferir	
  as	
  doações	
  recebidas,	
  para	
  o	
  fim	
  de	
  repor	
  o	
  que	
  exceder	
  o	
  
disponível.	
  
Art.	
   2.009.	
   Quando	
   os	
   netos,	
   representando	
   os	
   seus	
   pais,	
   sucederem	
   aos	
  
avós,	
  serão	
  obrigados	
  a	
  trazer	
  à	
  colação,	
  ainda	
  que	
  não	
  o	
  hajam	
  herdado,	
  o	
  
que	
  os	
  pais	
  teriam	
  de	
  conferir.	
  
Art.	
   2.010.	
   Não	
   virão	
   à	
   colação	
   os	
   gastos	
   ordinários	
   do	
   ascendente	
   com	
   o	
  
descendente,	
   enquanto	
   menor,	
   na	
   sua	
   educação,	
   estudos,	
   sustento,	
  
vestuário,	
  tratamento	
  nas	
  enfermidades,	
  enxoval,	
  assim	
  como	
  as	
  despesas	
  de	
  
casamento,	
  ou	
  as	
  feitas	
  no	
  interesse	
  de	
  sua	
  defesa	
  em	
  processo-­‐crime.	
  
Art.	
   2.011.	
   As	
   doações	
   remuneratórias	
   de	
   serviços	
   feitos	
   ao	
   ascendente	
  
também	
  não	
  estão	
  sujeitas	
  a	
  colação.	
  
Art.	
   2.012.	
   Sendo	
   feita	
   a	
   doação	
   por	
   ambos	
   os	
   cônjuges,	
   no	
   inventário	
   de	
  
cada	
  um	
  se	
  conferirá	
  por	
  metade.	
  
	
  
10.	
  Outras	
  situações	
  
10.1.	
  Doação	
  ao	
  nascituro	
  
	
   Embora	
   a	
   personalidade	
   civil	
   da	
   pessoa	
   comece	
   com	
   o	
   nascimento	
   com	
   vida,	
   o	
  
ordenamento	
   jurídico	
   brasileiro,	
   seguindo	
   outras	
   legislações,	
   como	
   a	
   francesa	
   e	
   a	
   italiana,	
  
permite	
  a	
  doação	
  a	
  quem	
  ainda	
  não	
  nasceu.	
  	
  
	
   Exige-­‐se,	
  apenas,	
  como	
  pressuposto,	
  a	
  concepção	
  e	
  a	
  aceitação.	
  
	
   Anota-­‐se	
   a	
   aceitação	
   é	
   feita	
   pelo	
   representante	
   legal	
   do	
   nascituro,	
   que	
   não	
  
necessariamente	
   devem	
   ser	
   os	
   pais.	
   Em	
   sendo	
   a	
   gestante	
   solteira	
   e	
  menor	
   absolutamente	
  
incapaz,	
  o	
  representante	
   legal	
  do	
  nascituro	
  será	
  o	
  mesmo	
  da	
  sua	
  mãe,	
  provavelmente	
  o	
  pai	
  
dela,	
  avô	
  do	
  nascituro	
  (Sanseverino).	
  
21	
  
	
   A	
   doação	
   ao	
   nascituro	
   caracteriza	
   uma	
   hipótese	
   legal	
   de	
   obrigação	
   condicional	
  
suspensiva,	
  porquanto	
  o	
  nascimento	
  com	
  vida	
  –	
  evento	
  futuro	
  e	
  incerto	
  –	
  é	
  pressuposto	
  para	
  
que	
  a	
  doação	
  se	
  torne	
  eficaz.	
  
Art.	
  2.º	
  A	
  personalidade	
  civil	
  da	
  pessoa	
  começa	
  do	
  nascimento	
  com	
  vida;	
  mas	
  
a	
  lei	
  põe	
  a	
  salvo,	
  desde	
  a	
  concepção,	
  os	
  direitos	
  do	
  nascituro.	
  
Art.	
   542.	
   A	
   doação	
   feita	
   ao	
   nascituro	
   valerá,	
   sendo	
   aceita	
   pelo	
   seu	
  
representante	
  legal.	
  
	
  
10.2.	
  Doação	
  ao	
  incapaz	
  (Sanseverino)	
  
	
   O	
   incapaz	
   pode	
   receber	
   doação.	
   Tratando-­‐se	
   de	
   absolutamente	
   incapaz,	
   como	
   já	
  
referido,	
  fica	
  dispensada	
  a	
  aceitação,	
  mas	
  a	
  doação	
  deve	
  ser	
  pura.	
  Se	
  for	
  com	
  encargo,	
  exige-­‐
se	
  a	
  aceitação	
  de	
  seu	
  representante,	
  diz	
  Sanseverino.	
  
Art.	
   3.º	
   São	
   absolutamente	
   incapazes	
   de	
   exercer	
   pessoalmente	
   os	
   atos	
   da	
  
vida	
  civil:	
  
I	
  –	
  os	
  menores	
  de	
  dezesseis	
  anos;	
  
II	
  –	
  os	
  que,	
  por	
  enfermidade	
  ou	
  deficiência	
  mental,	
  não	
  tiverem	
  o	
  necessário	
  
discernimento	
  para	
  a	
  prática	
  desses	
  atos;	
  
III	
  –	
  os	
  que,	
  mesmo	
  por	
  causa	
  transitória,	
  não	
  puderem	
  exprimir	
  sua	
  vontade.	
  
Art.	
  543.	
  Se	
  o	
  donatário	
  for	
  absolutamente	
  incapaz,	
  dispensa-­‐se	
  a	
  aceitação,	
  
desde	
  que	
  se	
  trate	
  de	
  doação	
  pura.	
  
	
  
10.3.	
  Doação	
  entre	
  cônjuges.	
  
	
   É	
   possível	
   a	
   doação	
   feita	
   por	
   um	
   cônjuge	
   ao	
   outro,	
   mas	
   depende	
   do	
   regime	
   de	
  
casamento.	
   No	
   caso	
   de	
   comunhão	
   universal,	
   a	
   doação	
   não	
   se	
   realiza,	
   porque,	
   dada	
   a	
  
comunicação	
   automática,	
   inexiste	
   transferência