A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Estudo de Caso - Joan/John

Pré-visualização | Página 1 de 5

Universidade Federal de Goiás 
Curso de Psicologia 
                                Profª Priscilla Lima 
 
 
 
 
 
 
Psicologia e Processos Clínicos 
 
 
 
Thais Martins 
Calleo Henderson 
 
 
 
 
 
 
Goiânia 
Julho, 2014 
Estudo de Caso:  Caso John/Joan  
 
Em 1965, na cidade de Winnipeg, Canadá, Janet e John Reimer, um jovem casal deu a luz a um par de                                         
gêmeos, Brian e Bruce. Com a idade de 6 meses, após seus pais se preocuparem com a maneira como                                     
ambos urinavam, os meninos foram diagnosticados com fimose. Aos 8 meses foram encaminhados para                           
uma cirurgia de circuncisão. Um urologista realizou a operação utilizando um equipamento elétrico de                           
cauterização que apresentou problemas diversas vezes. Na última tentativa, o procedimento não saiu                         
como o planejado e o pênis de Bruce ficou totalmente queimado. Nos anos 60 uma cirurgia plástica                                 
reconstrução de pênis não era uma opção, então não havia nada a ser feito e o pênis de Bruce nunca                                       
seria funcional. Com relação ao irmão, os médicos optaram por não operar Brian, cuja fimose logo                               
desapareceu, sem qualquer intervenção cirúrgica. 
Alguns meses depois, os Reimer viram na televisão uma entrevista com o Dr. John Money, já                               
famoso por suas teorias e o tratamento psicológico de operações de mudança de sexo em transexuais.                               
Nesta entrevista Money expunha sua teoria na qual os bebês teriam sua identidade definida como                             
masculina ou feminina (identidade de gênero) em função da maneira pela qual são criados.  
Acreditando que tal ideia poderia ser apropriada para o problema do filho, o casal procurou                             
Money, que imediatamente se dispôs a atendê­los e indicou uma mudança cirúrgica de sexo. Ele e                               
outros médicos que trabalhavam com crianças nascidas com genitália anormal acreditavam que um                         
pênis não podia ser substituído, mas que uma vagina funcional poderia ser construída cirurgicamente, e                             
que seria mais provável que Bruce tivesse uma mais bem sucedida maturação funcional sexual como                             
uma menina do que como um menino. Money teria também a oportunidade de comprovar sua teoria                               
com um caso inédito, um bebê completamente e funcionalmente masculino sendo socialmente                       
transformado em uma menina. Até então estes procedimentos só haviam sido feitos com crianças                           
hermafroditas, na qual se optava por um dos sexos. E de bônus havia ainda um irmão gêmeo com o                                     
qual se poderia comparar o desenvolvimento do gênero em cada um.  
Bruce teve sua cirurgia de mudança de sexo aos 17 meses de idade e desde então passou a ser                                     
tratado como Brenda. Money considerou o caso um sucesso, Brenda explicitava os comportamentos e                           
desenvolvimentos de uma garota normal. Porém, aos 14 anos, após anos de não identificação com o                               
gênero femino,  Brenda decidiu trocar de sexo, assumindo a nova identidade como David. 
A mudança para o sexo com qual se identificava trouxe um grande alívio para David, mas ele ainda                                   
se ressentia pela impossibilidade de ter filhos e por ter um pênis não completamente funcional. David                               
acreditava que nunca poderia casar, um de seus sonhos, e tentou suicídio duas vezes durante a                               
juventude. Dr. Milton Diamond foi atrás do famoso caso dos gêmeos de Money, porque este havia                               
parado de publicar follow­ups sobre o caso. Encontrou David, aos 29 anos, explicou o quanto o seu                                 
caso era marcante na teoria do gênero e que era utilizado para perpetuar práticas por todo o mundo.                                   
David então aceitou fazer o follow­up com Diamond e revelar como realmente havia sido o seu caso.  
Em 2000, David decidiu aparecer em público contando seu caso. John Colapinto escreveu o livro                             
''As Nature Made Him: The Boy Who Was Raised as a Girl”, baseado no caso. David apareceu em                                   
programas de auditório e um documentário da BBC, também sobre o caso. 
Em 5 de Maio de 2004, após enfrentar uma série de problemas como a morte do irmão por                                   
overdose, desemprego e fim de seu casamento de 14 anos, David se suicidou com um tiro na cabeça.                                   
Sua morte movimentou ainda mais as discussões sobre gênero e sexualidade. Seu caso entrou para                             
história. 
O caso de David foi descrito na literatura como o caso dos gêmeos, por Money, mas ficou mais                                   
conhecido como o caso John e Joan, pseudônimos atribuídos por Diamond. 
 
Caso por William Money 
 
Psicólogo da Jonhs Hopkins University de Baltimore, sexologista, pesquisador e publicador                     
assíduo, especializado em pesquisas sobre identidade sexual, mudança de sexo e biologia do gênero,                           
Money foi grande responsável pela criação e popularização da teoria de identidade de gênero. Seu                             
livro “Homem e mulher, menino e menina” (1962) tornou­se um livro­texto amplamente utilizado nas                           
universidades. Money também popularizou a ideia de papel social de gênero e criou a teoria do                               
“lovemap”.  
Para Money, não era a biologia, ou genes, que determinava se a pessoa seria homem ou mulher,                                 
mas sim sua criação social. Algumas diferenças são sexualmente adjuntivas, como o fato do homem                             
urinar em pé e a mulher urinar sentada e o tamanho menor das mulheres quando crianças, que fazem                                   
com que os homens assumam o papel de dominância. A maioria das diferenças porém são sexualmente                               
arbitrárias, impostas pela sociedade, como a cor das roupas (azul para meninos e rosa para meninas) e                                 
carreiras a serem seguidas por cada sexo. Para Money, o órgão sexual determinaria o tipo de criação                                 
que a criança receberia e, portanto, tal criação determinaria seu gênero. 
 
Dr. Money descreveu o caso John/Joan em um dos capítulos do livro “Homem e mulher, menino e                                 
menina” (1962), segue um resumo de sua descrição.  
 
No livro Money descreve os pais como: jovens, advindos de um ambiente rural, apenas com                             
educação básica e desesperados com a condição do filho com o seu pênis mutilado. Money não narra                                 
como entraram em contato e nem como foi feita a decisão da cirurgia.  
John teve sua mudança de sexo aos 17 meses e a cirurgia de vaginoplastia foi deixada para                                 
quando o seu corpo se desenvolvesse mais. Money aconselhou os pais baseado nos casos de                             
hermafroditismo que ele anteriormente havia acompanhado. Foram informados do programa médico                     
que deveriam seguir, manipulação de hormônios, associados a uma educação sexual. Foram guiados                         
em como fornecer informações