A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Doenças fungicas das principais cultivares

Pré-visualização | Página 1 de 2

Doenças fungicas das principais cultivares 
	Cultura do Soja
	Doença: Antracnose Agente Causal: COLLETOTRICHUM TRUNCATUM
Sintomatologia: Redução no número de vagens; Manchas castanho escuro; Altas temperaturas e umidade pode causar: Perda total da produção; Apodrecimento e queda das vagens; Aberturas das vagens imaturas; Germinação de grãos em formação.
Etiologia: Patógenos necrotróficos, possui acervulos em aspecto de setas pretas com conidios hialinos, agem em altas temperaturas e umidade os danos podem ser mais severos, tambem relacionado ao dimensionamento populacional e nutrição das plantas.
Controle: plantas resistentes, controle químico, tratamento de sementes, dimensionamento mais espaçados e adubação de potássio.
	Doença: Ferrugem Asiatica Agente Causal: Phakopsora pachyrhizi
Sintomatologia: Pontos esverdeados a cinza-esverdeado; desenvolvimento para castanho claro a escuro; Esporulação; Pústulas; Agravamento
Etiologia Esporos: Uredósporos e Teliósporos; Penetração; Infecção; em Temperatura favorável
Controle: Defensivos Químicos
	Doença: crestamento e mancha púrpura Agente Causal Cercospora kikuchii
Sintomatologia: coloração das folhas muda rapidamente do verde para o castanho-escuro ou castanho-avermelhado; severo crestamento e desfolha prematura.
Etiologia: Cercospora kikuchii esporula na superfície do tecido infectado e morto, produzindo abundantes conídios hialinos, aciculares, retos ou curvos, com tamanhos variáveis.
Controle:
	Doença: mancha parda ou septoriose Agente Causal Mycisphaerella uspenskajae
Sintomatologia: Manchas de contornos angulares, castanhos-avermelhados, nas folhas unifoliadas. Em situações favoráveis, a doença pode atingir os primeiros trifólios e causar severa desfolha e morte do tecido infectado.
Etiologia: Após a morte do tecido infectado o fungo produz picnídios no seu interior, de formato globoso, com aberturas nas superfícies inferior e superior das folhas. Sobrevivência; Infecção e o desenvolvimento
Controle: Rotação de cultura; Aplicação aérea de fungicidas
	Doenças Fúngicas da Cultura do ARROZ
	Doença: Brusone Agente Causal Magnaporthe oryzae
Sintomatologia Pode ocorrer em todas as partes aéreas da planta; Folhas com lesões necróticas de coloração marrom; necrose em nós e entrenós; redução da área foliar 
Etiologia: ascomyceto cm formação de esporos assexuais ou conídios (piriformes, abclavados escuros ou hialinos) conidiofaros septados, sobrevive em forma de micélio ou conídios em restos culturais.
Controle: cultivares resistentes ou moderadamente resistente; Práticas culturais; Fungicidas no tratamento de sementes e da parte aérea.
	Doença: Mancha Parda Agente Causal: Bipolaris orizae
Sintomatologia: nas folhas manchas arredondadas, de coloração marrom, pequenas. Os grãos, as manchas são de cor marrom escuro ou marrom avermelhado. Em ataques severos, as manchas podem cobrir parcial ou totalmente a superfície dos grãos; como consequência, ocorre chochamento, redução de peso e gessamento.
Etiologia A fase perfeita corresponde a Cochliobolus miyabeanus, que produz peritécios globosos, ascos cilíndricos e ascósporos filamentosos.
Controle: resistência de sementes sadias; adubação adequada e a manutenção de um bom manejo de água. Práticas como rotação de cultura e eliminação de gramíneas das proximidades da área; utilização de pulverização com produtos químicos.
	Doença: Escaldadura Agente Causal: Gerlachia orizae
Sintomatologia iniciam-se pelo ápice e/ou pelas margens, na forma de manchas de coloração verde-oliva opaca que contrasta com o verde das áreas não atacadas. Posteriormente, as áreas atacadas exibem uma sucessão de faixas concêntricas, onde pode ser observado uma alternância de faixas marrom-claro e faixas marrom-escuro. Os bordos com aspecto de encharcamento precedem as faixas de cor marrom à medida que a doença progride para áreas sadias da folha.
Etiologia: Gerlachia oryzae é o fungo deuteromiceto. A fase perfeita corresponde ao ascomiceto Monographella albescens. 
Controle: espaçamento e densidade adequados , adubação balanceada
	Doença: Queima das Bainhas Agente Causal Rhizoctonia solani Kühn
Sintomatologia: Bainhas e colmos: Manchas ovaladas, elípticas ou arredondadas, branco-acinzentada, com bordos de cor marrom, bem definidos. Folhas: Semelhantes, porém as manchas apresentam aspecto irregular; Podem secar parcial ou totalmente; Acamamento das plantas.
Etiologia: Fase perfeita :Thanatephorus cucumeris; Sobrevivência: Micélio ou escleródios em restos de cultua, Disseminação: Água da cultura irrigada;Infecção: Inicia com os escleródios atingindo as partes das plantas localizadas na linha da água e germinam sobre a superfície vegetal; Penetração: Através dos estômatos ou diretamente através da cutícula; O micélio desenvolve-se rapidamente tanto no interior dos tecidos como sobre a superfície externa dos mesmos; Fatores altamente favoráveis à doença: Temperaturas em torno de 280C e a alta umidade na cultura; Maior severidade: Solos com altos níveis de N e P. 
Controle: variedades resistentes; Fungicidas: Benomyl, Kitazin, Hinosan, Mancozeb e Iprodione; 
	Doença: Queima das Glumelas Agente Causal Phona sorghina
Sintomatologia: panículas emergem com os grãos manchados de coloração marrpn-avermelhada; numerosos picnídios.
Etiologia: Forma dos conídios, quando na presença de umidade, a massa de conídios é liberada pelo picnídio na forma de um fluxo espiralado.
Controle: Uso de sementes sadias, Tratamento de semente, Tratamento com fungicida.
	Doenças Fungicas da Cultura do Tomate
	Doença: Requeima Agente Causal: phitophthoro infestans
Sintomatologia: manchas irregulares de tecido encharcado com tons escuros; tecido necrosado intercalado com sadios; semelha-se com injurias de geada; anelamento de ramos, pecíolos; frutos com podridão dura.
Etiologia oomiceto, produz esporângios hialinos, emergem através deestomatos durante o período de alta umidade relativo disseminados por ventos, chuvas e insetos.
Controle: quimico (pulverização em períodos de favorecimento a doença; evitar o plantio em baixadas de alta umidade e uso de técnicas de manejo corretas
	Doença: Pinta Preta ou mancha alternaria Agente Causal : Alternaria solani 
Sintomatologia: lesões mais abundantes me folhas mais velhas; aparência necróticas , manchas parda-escuro, com ou sem zonas concêntricas bem pronunciadas, bordas definidas, curculas o elíticas, caule e pecíolo apresenta os mesmos sintomas da folhas; frutos apresenta manchas e pode causar podridão seca com presença de algumas frutificações do patógeno
Etiologia: micélio septado e ramificado e torna-se escuro com a idade da frutificação, disseminado pelo vento por insetos, trabalhadores e sementes, permanecendo em restos culturais afetando outras solonaceaes
Controle: químico , tratamento de smenets, escolha do local livres de baixadas com alto índice de umidade, adubação adequada e ótimas técnicas de manejo
Obs: o concro da haste ( alternaria alterna) pode ser confundida com a pinta preta mas apresenta cancro de cor parda pu negras n caule próximo a linha do solo. Com conídios de coloração parda. 
	Doença: tombamento u damping off Agente Causal: rhizoctonia 
Sintomatologia: murchas das mudas, tombamento e morte; apresenta afinamento e necrose da egiao do colo
Etiologia: fungos saprófitos polifagos, esporângios podem germinar diretamente e fomrtar tubos germinativos o podem produzir zoósporos em visicula dora do esporângios.
Controle evitar solos encharcados e utilizar a irrigação eitando o mesmo, adubar com material orgânico para melhorar as caract ficisas e químicas, eliminar mudar doentes e realizar-se de controle químicos.