A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
história da educação no brasil

Pré-visualização | Página 1 de 1

» HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL
	 1a Questão (Ref.: 201303271792)
	
	(ENEM, 2008) "Possa este, para sempre memorável dia, ser celebrado com universal júbilo por toda a América Portuguesa, por uma dilatada série de séculos, como aquele em que começou a raiar a aurora da felicidade, prosperidade e grandeza, a que algum dia o Brasil se há de elevar, sendo governado de perto pelo seu soberano. Sim, nós já começamos a sentir os saudáveis efeitos da paternal presença de tão ótimo príncipe, que [...] nos deu as mais evidentes provas, que muito alentam as nossas esperanças, de que viera ao Brasil a criar um grande Império." (Luís Gonçalves dos Santos. Memórias para servir à história do reino do Brasil. Belo Horizonte Itatiaia. São Paulo. EDUSP, 1981.) O texto acima revela o entusiasmo e as esperanças daqueles que assistiram à chegada da família real portuguesa ao Brasil. Indique duas inovações de caráter científico ou cultural decorrentes da política de D. João. Indique também uma mudança política ou econômica observada durante a permanência da Corte e sua respectiva consequência para o Brasil.
		
	
	Gabarito: Duas das inovações: Biblioteca Real, atual Nacional; Academia Real Militar; Impressa Régia; Gazeta do Rio de Janeiro; aulas de Comércio; Real Horto, atual Jardim Botânico; Intendência de Polícia; vinda da Missão Artística Francesa. Uma das mudanças e sua respectiva consequência: abertura dos portos às nações amigas ¿ rompimento com o pacto colonial; assinatura dos tratados de 1810 com a Inglaterra ¿ aprofundamento da influência comercial britânica.
	 2a Questão (Ref.: 201303271365)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	(Ibmecsp, 2009) A Companhia de Jesus foi criada na Espanha em 1534 no contexto da Contrarreforma, tendo uma atuação importante no processo colonizador da América Portuguesa. Sobre a atuação da Companhia de Jesus na colonização do Brasil podemos afirmar que:
		
	
	
	 
	A educação foi um dos principais instrumentos de evangelização dos jesuítas, que fundaram colégios no Brasil e organizaram aldeamentos conhecidos como Missões para catequizar os indígenas e convertê-los para o catolicismo.
	
	
	
	
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201303294376)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	A Reforma de Benjamin Constant tinha como princípios orientadores:
		
	 
	A liberdade, laicidade do ensino, como também a gratuidade da escola primária.
	
	 4a Questão (Ref.: 201303133968)
	Pontos: 0,0  / 1,5
	"O Regime Militar espelhou na educação o caráter anti-democrático de sua proposta ideológica de governo: professores foram presos e demitidos; universidades foram invadidas; estudantes foram presos e feridos, nos confrontos com a polícia, e alguns foram mortos; os estudantes foram calados e a União Nacional dos Estudantes proibida de funcionar; o Decreto-Lei 477 calou a boca de alunos e professores." (José Luiz Paiva Bello)
Analise a afirmativa acima.
		
	
	Gabarito: Deve-se sinalizar a fragilidade do modelo abrangente, tornando-se segmentado, direcionado.
	
	 5a Questão (Ref.: 201303271347)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	(Uel, 1995) Durante o período colonial, havia atritos entre os padres jesuítas e os habitantes locais porque os
	
	
	
	
	
	
	 
	colonos pretendiam escravizar os indígenas e os padres eram contra, pois queriam aldeá-los em missões.
	
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201303052383)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	Os Jesuítas chegaram ao Brasil em 1549 e tiveram uma forte influência na formação escolar e cultural do Brasil Colônia. No decorrer do século XVIII passa a ocorrer no contexto das Reformas Pombalinas, uma forte animosidade entre a Coroa Portuguesa e a Companhia de Jesus, que levou:
		
	 
	a expulsão dos Jesuítas do Brasil.
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	 7a Questão (Ref.: 201303052553)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	Sobre a história da educação no Brasil durante a Primeira República leia as alternativas a seguir:
 
 
I-Na organização escolar percebe-se influência da filosofia positivista. A Reforma de Benjamin Constant tinha como princípios orientadores a liberdade e laicidade do ensino, como também a gratuidade da escola primária. Estes princípios seguiam a orientação do que estava estipulado na Constituição brasileira.
 
II-Uma das características deste período foi tentar transformar o ensino em formador de alunos para os cursos superiores. Outra intenção era substituir a predominância literária pela científica.
 
III-A Reforma de Benjamin Constant tinha como princípios orientadores a liberdade e a religiosidade do ensino, como também a gratuidade da escola primária e secundária.
 
IV-Durante a primeira república defendeu-se a predominância literária, já que ocorreu o acréscimo de matérias científicas às tradicionais, tornando o ensino enciclopédico.
 
Marque a ÚNICA alternativa que demonstra quais frases estão corretas:
		
	
	
	 
	As alternativas I e II estão corretas.
	
	 8a Questão (Ref.: 201303052367)
	Pontos: 1,0  / 1,0
	Considerando a chegada da família real no Brasil e sua instalação na cidade do Rio de Janeiro, considerando as ações executadas na área de educação realizadas antes e durante sua estadia, podemos afirmar que Dom João VI:
		
	
	
	
	
	
	
	 
	Manteve uma educação excludente de índios e negros.
	
	
	
	 9a Questão (Ref.: 201303271470)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	(FGV, 2007) A longa administração pombalina (1750-1777) causou controvérsias ao expulsar os jesuítas de Portugal e de todos seus domínios, em 1759. Tal expulsão, que implicava o confisco dos bens dos religiosos, pode ser atribuída:
		
	
	
	
	
	
	
	
	
	 
	ao processo de centralização administrativa que exigia a eliminação da Companhia de Jesus, acusada de formar um estado à parte.
	 10a Questão (Ref.: 201303271731)
	Pontos: 0,0  / 0,5
	(ENEM, 2006) No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em missão cientifica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena. Referindo-se ao indígena, ele afirmou: "Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente, ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um nobre desenvolvimento progressivo (...). Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano, até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz". (Carl Von Martius, in: O estado do direito entre os autóctones do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EDUSP, 1982.) Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius:
		
	 
	desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão ¿civilizadora europeia¿, típica do século XIX.