A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 1 de 21

HEHF
M
ATTOS
A
VIDA
POLÍTICA
ALÉM
DO
VOTO:CIDADANIA
E
PARTICIPAÇÃO
POLÍTICA
NA
PRIM
EIRA
REPÚBLICA
BRA
SILEIRA
N
este
texto,
o
leitor
irá
e
n
c
o
n
trar
u
m
a
interpretação
da
e
xperiôncia
p
°
lítica
da
Prim
eira
R
epública
brasileira
que
to
m
a
a
n
oção
de
política
e
de
ato
res
políticos
e
m
s
e
n
tido
a
n
liad
o
.
A
ssociando
o
c
a
m
po
da
história
politica
c
o
m
a
história
so
cial
e
c
ultural,
a
n
a
rrativa
busca
c
olocar
e
m
relevo
a
im
previsibilidacle
do
processo
percorrido
bem
c
o
m
o
as
relações
e
n
tre
tradições.
incertezas
e
inovaçoes
que
o
c
a
ra
cterizaram
.
P
ari
isso,
re
visita
tam
bcm
alguns
a
spectos
cIo
política
im
perial,
e
sse
n
ciais
pcira
lf
l
sar
as
rupturas
e
c
o
ntinuiclacles
1 ra
zidas
pela
R
epública.
Principalm
ente,
pretendeu-se
cham
ar
atenção
para
a
e
specificidade
da
c
o
n
stituição
de
u
m
a
n
oção
republicana
de
cidadania
e
m
u
m
a
S(
ciedade
que
a
c
abava
de
abolir
a
e
sc
ra
vidão.()
B
rasil
foi
o
úItinu’
país
da
A
m
érica
a
trilhar
e
sse
c
aiu
m
Im
.
m
a
s
se
u
s
desafios
filIam
io
n
u
n
s
a
todo
O
(0111
in
C
u
te.
UM
A
REPÚBLICA
PROCLAM
ADA
N
o
clim
3
cli
dezem
bro
de
iN
7o,
n
o
B
io
de
janeiro
(Cotão,
sede
da
M
o
n
o
r
quia),
toi
publicado
n
o
jornal
A
Rcpul’lica
o
tex
to
c
o
n
siderado
n
o
m
lesto
ftindaclor
cIo
nlovim
ento
republicano
n
o
B
rasil.
O
n
m
a
n
ifisto
Irazii
c
lii
destaque
ideias
de
clem
ocrac
ia
e
fóileriilis
111o
e
cii
av
o
e
xpressóes
(0111(1
5
Pesquisa
bibIirgri(ic.
e
a
revisSo
íhcluaI
do
p
eseu
k
c
apitulo
ii,r_u,u
,lesenvoivjcias
CIO
(a’laIh
raça,,
c
ofl(u,s,lj,,a
5101,0:1
1ta,,i,Is.
f\5
V
IO
X
IM
f\S
E
L
IÇ
Õ
S,
PA
R
TE
2
i1’1 i
li:.’
A
A
IIF
.R
T
U
R
A
P
A
R
A
O
5105400
A
5455)5
P
O
S
IT
IV
A
8 (,
“
ob&
O
oia
do
povo”.
‘1 iberciade
ind
ividiia 1’
e
“
v
oto
do
povo’. ()
poder
pessoal
do
im
perador
e
SUO
intorferéncia
n
o
s
re
sultados
eleitorais
e
ra
m
o
s
principais
alvos
dos
que
a
ssinavam
o
m
a
nifesto,
e
m
su
a
m
aior
parte,
(lissideni
es
do
Part ido
liberal.
Em
regra,
o
Poder
M
oderador,de
liso
re
st
rito
cio
im
pe
r,tdor,
form
ava
o
gabinete
c
o
m
u
m
dos
part
dos
políticos
,lt
u
a
nt
es
n
a
M
onarquia
c
o
n
st ii
u
ciotial
brisilei
ra
(l.iberal
o
u
C
onservador)
que,
por
su
a
v
ez,
c
o
nStituía
as
m
e
sa
s
eleitorais,que
o
rganizavam
e
proclam
avam
o
s
re
sultados
das
eleições
e
m
nível
local.
N
um
a
e
spécie
de
instuucionalizacào
da
fraude,
o
partido
que
c
o
n
v
o
c
a
v
a
as
eleições
fazia,
n
e
c
e
s
s
a
riam
ente,
a
m
aioria
n
a
C
am
ara,
o
que
tran
sform
ava
o
m
o
n
a
rc
a
,
n
a
pratica.
n
o
v
e
rda
cieiro
e
gi’ande
eleitor.
O
tex
to
cio
m
a
nifesto
ignorava
o
tem
a
da
e
sc
ra
vidão,
apesar
de
ter
siclo
publicado
pouco
m
e
n
o
s
de
u
m
a
n
o
a
n
tes
da
principal
reform
a
so
cial
e
m
preendida
pela
m
o
n
a
rquia
brasileira
a
n
terior
a
o
ato
definitivo
da
A
bo
lição,
e
m
1888
—
a
aprovação
cio
cham
ada
l.ei
do
\‘entre
l,ivre,
e
m
28
de
s
etem
bro
de
1871.
O
s
republicanos
sim
plesm
ente
não
chegaram
a
u
m
c
o
n
se
n
so
sobre
a
cluestao.
M
uitos
e
ra
m
abolicionistas
c
o
n
victos. O
utros,
prósperos
fazendei
ro
s
e
sc
ra
vistas
que
iriam
se
oporá
aprovação
da
lei de
1S
1. C
oncentravam
-
-se
principalm
ente
n
a
província
de
São
Paulo,
fronteira
de
e
xpansão
da
c
afeicultura,
principal
produto
de
e
xportação
do
pais.
O
s
interesses
da
região
e
stavam
sub-representados
n
a
pouco
flexível
e
stru
tu
ra
de
represen
tação
politica
im
perial.
A
defesa
do
federalism
o
levou
m
uitos
deles
para
o
c
a
m
po
reform
ista.
O
Partido
R
epublicano
Paulista
foi
fundado
e
m
1873.
A
partir
da
década
de
1870,
su
rgia
n
o
Rio
de
Janeiro
u
m
a
n
a
sc
e
n
te
opinião
pública
baseada
n
o
c
re
scim
ento
dos
setores
m
édios
u
rbanos,
e
m
u
m
a
im
prensa
c
rítica
e
e
m
u
m
a
c
ultura
políticci que
passava
a
v
alorizar
a
o
c
upação
dos
e
spaços
públicos.
N
os
c
afés
da
efervescente
um
a
do
O
uvidor,
n
o
c
e
n
tro
do
Rio,
políticos,
literatos,
e
studantes,
a
rtistas
e jornalistas
de
todas
as
províncias
e
c
o
m
todos
o
s
sotaques
form
avam
u
m
a
c
aixa
de
re
s
so
náncia
cicie
introchizia
m
uitas
n
o
vidades
a
o
c
e
nário
político.
N
a
Escola
M
ilitar
da
Praia
V
erm
e
1Cm,
o
positivista
lk’njam
in
C
otisi,uit
form
ava jovens
e
ngenheiros
m
ilitares
potico
afeitos
à
a
rte
da
guelra,
m
a
s
que
a
m
a
v
alria
R
epublka
e
se
viam
(‘orno
soldados-cidadãos. Segundo
a
historiadora
M
aria
l’erez.a
chaves
dc’
M
e 11(1,
a
n
o
v
a
otu
nião
pública
cIo
c
apital
i rm
an
,iva—
se
n
o
apreço
à
m
odernidade
e
a
o
progresso,
n
oções
cicie
m
uitas
v
e
z
e
s
se
c
o
nfU
n
cliam
c
o
m
a
ideia
republicana.
Im
ersos
e
m
tinia
s
o
ciedade
e
sc
’ra
visla
e
pluriét
nica,
n
u
m
c
o
n
tex
to
mi
ei-n
acio
n
al
c
r
e
s
c
e
n
i
etn
en
t
e
ra
cista
cpie justificava
a
e
xpansão
e
u
ropeia
Fotógrafo
n
a
o
identificado
Jose
do
Patrochtto
um
dos
gtrm
tidcsltdeies
(lb(IliClotlÉst
o
s
ttmtci
,iams
(O
)
O
G
R
A
F
IA
5
D
A
C
E
R
V
O
I(O
N
O
C
R
A
)’j)IA
SÃO
PA
U
LO
n
aÁsia
e
n
a
Áfi’ica
intc’leciucos
e
politicus
m
uitas
V
ezes
O
llldiV
alu
((110
desconfiança
para
o
que
lhes
parecia
u
m
povo
ainda
e
m
fbi’rnaçào
luas
°e
m
todos
tenlicini
a
m
ohiltzacão
popular
c
o
m
o
a
rm
a
polo
ica.
José
do
Pai
ro
cínlo
iái’m
ac-êu
tu-o,
jornalista,
p
o
lítico
,
tilho
de
to
n
a
h
b
ea
a&
icanm
i
c
o
m
u
m
padre
c
atólico
e
chefi
político
do
interior
(lo
e
stado
do
Rio,
e
ra
u
m
a
das
figuras
m
ais
c
o
nhecidas
cIo
cidade.
Em
torno
do
seujornal
Gazeta
da
ihrdc’
re
u
niam
-se
a
rtistas
e
e
sc
ritores
hoêm
io
que
a
ta
v
a
m
as
ru
a
s
e
o
s
c’aÍés
do
Rio
últim
a
clec,mcla
do
Inuperiu.
O
utros
87
‘1
8$