A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 15 de 21

c
o
m
e
m
o
ra
ndo
o
i
de
M
aio
de
1909
e
m
ato
público
n
o
c
e
m
itério
do
C
aju.junto
a
o
túm
ulo
de
José
cio
Patrocinio,
Segundo
a
G
azeta
cli’Noticicts,
o
ato
c
o
ngregou
u
m
a
m
ultidão
form
ada
por
m
e
m
bros
de
a
sso
ciacões
de
trabalhadores
e
a
sso
ciacões
de
hom
ens
de
c
o
r.
Presente
a
o
e
v
e
nto,
I.opes
Tro
Vão
fez
u
m
discurso
c
rítico
ao
s
descam
inhos
da
R
epública
que
insistia
em
“perseguir
o
povo
e
c
o
nfiscar
o
s
se
u
s
direitos”
(aplici
D
antas,
201
t:2o2).
1)
ra
cism
o
ctenrifico
à
bt’asileira
t itsha
m
is
l)ropostas
de
branquc’anlento
u
a
c
o
n
strução
niai5
a
c
abada
e
tendeu
a
predom
inar
e
m
inlim
eros
circttlos
tittelect
u
co
s
e
políticos
da
Prim
eira
R
epública. N
ão
filtavatn
m
e
sm
o
aqueles
que
pt’upun
hani
snluçõc’s
rn
u
s
driist iças,inclusive
a
est
e
rtlizaçáo.
.‘\pc’sardis
so
,
u
m
pensam
ento
a
ntirracista
não
deixou
de
se
lázer
presc’nt
e.
E
m
19(16,
o
poc’t a()lavo
B
ibe
sc’
c
olocou
cio
m
e
s
111(1l,icio
qmmc’grupos
n
egi’os
oi’ganizacios
pauhst
as
chiando
c
o
n
sbatei.t.
c
o
n
s
base
n
a
(
O
tISIititiçao
di’
1891
-
a
lL
’i1tii iva
cli’ proiliiçio
da
e
nt
racla
dc’
n
egros
e
iltesiiços
n
a
guarita
c’ivildc’São
Paulo.
N
ão
(penas
a
e
xig’ncia
cio
cittnprim
ent
o
de
direitos
civis,
m
a
s
tam
bém
a
reivindicação
de
e
xpansão
dos
direitos
politicos
e
de
n
o
v
o
s
chreito.s
s
o
ciais
desde
cc’clo
e
stiveram
prc’sentc’s
n
a
c
e
n
a
pública
da
jovem
república.
A
tiajei
círi
a
polít ica
dc’
M
au
teim
o
i.opes
e
stava
Íort d’li)d’iltd’
a
n
c
o
ra
cia
flO
m
o
tllc’iltc
operário
c
a
rioca
e
e
m
su
a
s
o
rganizações
pobticas.
P111
grande
ti
parte.
a
fam
osa
desilusão
dc’
republicanos
históricos
e
intelecruajs
c
o
m
a
R
epública
e
steve
diretam
ente
relacionada
a
o
aparecim
ento
de
n
o
v
o
s
atores
c
oletivos
e
n
a
Í1Itstt-acao
dc’
su
a
s
e
xpectativas
em
to
rn
o
da
a
m
pliação
cios
direitos
poht icos
e
s
o
ciaiS
,
A
pritsieira
decada
r
ep
u
b
lican
a
foi
pródiga
n
o
su
rgim
eiito
de
partidos
operartos
e
so
cialistas,
bem
c
o
rn
o
n
a
afirm
ação
de
u
m
a
im
prensa
operaria,
m
uitas
v
ezc’s
de
base
etflici,
n
as
cidades
p
o
r
tuárias
e
industriais.
A
c
riação,
e
m
1890,
do
C
entro
do
Partido
O
petário
pelo
ten
en
te
José
A
ugusto
V
tnhaes
-
—
político
jacobino
ligado
a
o
s
operários
do
e
stado
do
Rio
de
janeiro
—
m
atca
o
início
de
cim
a
tendência
politica
que
teria
presenua
duracloitra
n
a
c
e
n
a
pública
republicana,
c
o
m
base
n
o
eleitorado
do
D
istrito
Federal
e
e
m
práticas
clientelistas.Jacobinos
n
a
prim
eira
década
republica
n
a
passariam
a
se
denom
inar
trabalhistas
n
a
s
décadas
seguintes,
atu
ando
n
a
denúncia
dos
problem
as
que
atingiam
o
s
trabalhadores,
reivindicando
u
rn
a
legislação
so
cial
e
defendendo
su
a
atuação
grevista.
N
o
m
e
sm
o
a
n
o
de
1890,
e
m
c
o
n
c
o
r
rên
cia
c
o
m
a
proposta
de
V
ínhaes.
o
u
tro
partido
operário
foi
c
riado
pelo
tipógrafo
Luiz
França
e
Silva,
reda
to
r
do
jornal
A
\kz
do
Povo.
O
utt’as
iniciativas
s
e
m
elhantes,
propugnando
a
independincia
da
classe
operária,
o
c
o
rre
riam
e
specialm
ente
e
m
São
Paulo,
até
1902.
A
ssociavam
a
u
rn
a
l)iUtit
de
c
o
nquista
de
direitos
so
c’iais
a
a
m
pliação
dos
dlireitos
políticos. O
Partido
O
perário
B
rasileiro,
c
riado
e
m
1893,
defendia
a
u
m
v
e
rsalização
do
sufrágio
c
o
m
a
inclusão
de
m
ulhei’es
e
a
n
alfabetos.
As
inúm
eras
práticas
de
e
x
clusão
política
adotadas
a
partir
de
1902.da
adoção
da
política
dos
e
stados
à
intervetlção
n
a
i’epi’esentaçáo
politica
do
D
istrito
Federal(cine
viu
dim
inuir
o
tiutriero
de
in
ten
d
en
tes
e
,
a
partir
do
governo
Rccdlrigues
A
lves,
deixou
de
eleger
o
prefeito).
fizeram
c
o
m
q
u
e
quase
dlesaparecd’ssetu
as
iniciativas
de
c
riação
de
partidos
ope
rários
n
a
s
dlécadas
seguintes.
A
inda
a
ssim
,
a
politic’a
o
p
erária
to
m
o
u
—
se
tiiais
e
não
m
e
n
o
s
ptesentc’
n
a
vicia
política
do
país.
A
pailir
dii’
1903,
(1
tilo
’,’flien
to
opc’rário
to
rn
a
r-
-se-ia
c
ada
v
e
z
m
ais
a
m
plo,
a
rticulado
e
c
o
m
plexo.
U
m
operdtriadlo
m
u
I
tietnic’o,
n
o
qual
in1igru1l
e
s
de
chversas
n
a
cionalidi,ides
tiilh
an
l
U
m
c
’5O
im
p
o
t’tan
td’.
dava
d’Spd’cificidlade
a
o
triO
\’il)enio
aS
S
ociatiV
o.
.
‘\s
c
’livagc’ns
r
a
ciais
e
n
a
cio
n
aiS
n
ão
d
eix
av
am
dle
s
e
lazer
pi’dsentc’S
,
ilgdifltaS
v
c
’z
c
’s
opondo
o
p
eriírio
s
oigam
iizaclos
c
’o
nt
rã
n
ão
o
rg
an
izad
o
s.
o
u
s
e
inlisc’Itindio
tia
c
o
n
sp
eticão
p
o
lítica
d
en
tro
dos
sitclic-atos.
M
as,
c
’ni
g
eral,
d’rã
a
lin
g
u
ag
em
U
n
iv
ersalde
c
o
n
sti-u
ção
da
classe
opc’rária
q
u
e
preclorninavct
tias
d’nt idacies
de
trabalhariorc’s,
o
rg
an
izad
o
s
q
u
ase
s
e
m
p
re
p
o
r
o
ticio
s.
O
s
a
n
o
s
dle
190:3,
A
A
B
E
R
T
U
R
A
P
A
R
A
1)
M
u
N
D
O
II,9
‘1
V
ID
A
P
O
LÍTIC
A
ii,
A
A
B
E
R
T
U
R
A
V
.\R
A
O
M
U
N
D
O
A
V
ID
A
P
O
L
iT
IC
A
1
20
19O
6/1cJO
,
1917—
1919
c
o
nheceram
m
obilizacoes
grevistas
cada
v
ez
m
aiores
c
o
m
destaque
iara
as
m
obilizações
o
c
o
rrid
as
e
m
S
ão
Paulo,
e
m
1917
M
uj:
ias
tendéncias
politicas
c
o
n
viviam
n
o
m
o
vim
ento
operario
—
Socialistas
trabalhistas,
sinclicalist
is
re
v
olucionários
e
refbrm
ist
as,
a
n
a
rquistas
ainda
que
prevalecesse
a
tese
de
que
o
s
sindicatos
flc)
deviam
deixar
os
c
redos
políticos
dividirem
o
s
trabalhadores.
l)e
todo
m
odo.
n
o!
C
ongresso
O
perário
B
rasileiro,
o
c
o
rrido
em
iyo6.
re
v
alc’ceram
a
n
a
rquistas
e
sindica
listas
re
v
olucionarios
e
su
as
tesos
de
n
egação
da
política
institucional,
c
o
m
e
vidente
apelo
e
m
u
m
C
ontexto
político
e
x
cludente
e
c
o
m
u
m
O
perariado
o
rganizado
e
m
grande
parte
não
n
a
cional.