A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 7 de 21

a
luta
se
rolom
gou.
M
as
o
s
ru
m
o
s
da
guerra
c
o
m
eçaram
finalm
ente
a
m
udar,
e
P
rudente
c
o
n
seguiu
firm
ar
u
m
a
c
o
rdo
de
paz
c
o
m
o
s
re
v
oltosos
(1895),
ainda
cjcie
garantindo
a
suprem
acia
de
Julio
de
C
astilhos.
P
rudente
gover
n
o
u
se
m
a
u
n
a
nim
idade
cio
l.egislativo,
ra
chando
a
base
de
apoio
do
PRF,
ciii
rc’
1
,icubiiios
e
não
jacobinos.
A
m
o
rte
cIo
lloriano,
e
m
1895,
r
e
tiro
u
cio
c
e
n
a
rio
político
a
a
m
e
aça
de
su
a
trlin
si o
rinac
ão
em
c
a
u
clilho,
apoiado
n
o
s
elem
en
to
s
mis i1 itares
e
setores
popul1trc’s
radict1izaclos.
Foi
n
e
sse
c
o
ntexto
de
e
x
trem
a
ilgitacão
politiCii
qite
chegaram
a
o
Riu
dejaneiro
as
fluilem
as
sobre
a
derrota
da
terceira
e
x
p
eclicão
do
E
x
ercito
n
a
g
u
erra
c
o
n
tra
OS
s
eçtiiclores
do
beato
A
ntõnio
o
n
sel
toiro
n
o
sc’rtao
da
B
ahia.
episódio
c
o
nhecido
c
o
rn
o
G
u
erra
de
Cii—
ti
u
d
o
s
(1 896
-1897),
,im
pl1Im
c’nt
e
percebida
p
ela
opinião
pública,
cio
Rio
de ja
nc’i
ro
e
de
São
Pattlo.
c
o
m
o
m
ais
lim
a
rebelião
m
n
a
rqu
tst
a.A
n
otícia
cIo
m
,tssacrc’
da
terceira
c
xpedicao
do
E
xército,
o
m
a
n
clacla
pelo
c
a
m
peilO
TIo
ria
n
i sia.
M
oreira
C
ésar,
ch
eo
u
a
o
Rio
n
o
m
o
m
e
n
to
e
m
que
Prudente
de
M
orais
rei
o
risava
a
o
c
o
rn
a
ndo
cIo
got’e
ru
o
após
licença
de
sa
ude.
A
V
ID
A
P
O
lÍT
IC
A
D
iante
di
n
o
ticia
da
m
oi-te
cio
M
oreira
Cesar.
houve
u
m
a
e
x
p
lo
são
.1
c
obina
n
a
s
ru
a
s
da
cidade. (;entii
de
C
astro.
p
ro
p
rietario
dos
lo
rit,u
s
G
cia’ttt
dcilhrdc
e
Libcrdctdc’,
c
o
n
siderado
m
ottiirqulsta.
toi
inoO
o
por
u
m
grupo
d’
m
ajores
e
ten
em
es.A
trágica
decisão
do
m
a
ssa
c
re
ao
a
rru
a1
de
C
am
idos
si)
se
c
o
m
preendi’
plc’ntnw
m
t
e
cluancio
se
leva
ciii
c
o
nt
a
a
c
o
n
jtfl)ttira
de
radi
c
ahzação
política
cio
Rio
de janeiro.
e
a
perccpeão
de
am
c’aca
1111lnal’clulsl 5
c
o
m
que
e
ra
c
o
n
se
n
su
alm
ente
percebichi
a
re
v
olta,
c
o
nto
bem
a
ssinalou
a
hism
om
’iaclora
acquelim
ic’
1 lerm
tntt.
A
agitação
a
c
obina
ctllflS
H
iO
tI
I’lfl
u
m
1
O
1
Fotógrafo
n
ão
id
en
tificad
o
Pntilcntc
di’
M
onos
1
0
1
0
1
.1
1
5
1
1:5.
114.
iÍÍSS
111
11155
SI
IC
O
N
O
G
R
A
P
IIIA
.
SÃO
P411115)
si
A
A
O
IR
T
I’R
.
PA
R
A
O
.1[ÍSR
O
1
0
2
a
te
n
tad
o
,
pelo
jovem
praça
M
arcelino
Bispo
de
M
ulo,
c
o
n
tra
a
vida
do
1:
sidente
P
ruduiit
de
M
oi’ais,
quando
e
ste
visitava
o
A
rsenal
cio(ue1Ta
p
re
c
epc
ionar
as
forças
vitoriosas
chegadas
de
C
anudos.
O
re
vólver
do
pracj’
não
dispaiou,
m
a
s
ele
a
c
abou
m
atando
(‘om
golpes
de
Bica.
elIlluta
c
o
,
0
-
n
u
rei
fui
(A
rIos
M
achado
liiite
n
c
o
u
rt
jite
agiu
u
ni
defesa
do
r
e
sid
e
A
ten
taiiva
frustrada
de
a
ssa
ssinato
e
a
re
v
elação
da
1ragódia
de
C
anudo
5
opinião
pública
do
Rio
dejaneiro
c
o
n
tribuíram
para
re
v
e
rter
o
clim
a
1155
r
u
10(1(1
e
ssa
1110
im
entação
e
ra
ifltçfls(im
eflie
vivida
pela
populacão
do
R
io
de
janeiro,
E
duardo
das
N
eves,
m
ais
c
o
nltecjclo
c
o
m
o
C
rioulo
D
udu
c
a
n
to
r
de
lundus
que
gravava
discos
pela
C
asa
l:ciison
e
e
sc
re
via
livros
de
a
m
plo
otlsum
o
populai’,
registrou
em
su
a
s
letras
a
irada
do
clim
a
p
0
líti
0
n
a
s
ru
a
s
do
Rio.
C
om
pós
O
M
arechaldel’en’o,logo
depois
da
m
o
rte
de
Floriano,
e
m
1895,
e
su
a
letra
perm
ite
bem
m
edir
a
força
popular
do
Íacobinjsisio
florianjsf
(apud
A
breu,
2
0
1
0
:1
0
1
—
1
0
2)
Q,jiottdo
ele
cipareceu,
altivo
e
sobninceiro,
ii(ciite
coitto
a
s
a
oitos,beijando
opit’illião,
A
JiLi11’10
s
u
spirou,dizendo:Ele
e
çtletreiro,
É
niarccha(de
fcn’o,
escudo
da
tiacão!
O
Incido
fiuniiiiciise
eCOotJpor
toda
a
parte.
1
lnpctn—
se
o
s
a
stro
s
n
ublados:
SO?llctfl—
se
lim
as
ganias;
Ele
e’tmij(unhiando
a
espada,qual
tlllClitL’lõtttiijirtc,
Pe’igutita
ao
M
undo:
—
Cotmlicceni-mmme
. Sou
filio,de
A
lteus’
Stm
sotifihlto
de
Alagoas,
esse
estado
do
Brasil,
Que
épequ
e;tino,é
v
erdade,
ntaspoderoso
e
vit-il;
jogai-eide
espada
e
capa,
e heide
um0sflar
com
o
a
Eunipa
Não
lime
gim
nltci
miem
ceuhml.
E
avOmmfe
Iiicisilio!
Cmii
m
oi da
patm
w
co’at’dom:
.1
hemmi((e
(‘OSSO
direït
.
am
tiqutlam
O
1 (‘Liidor!
14im
uni!
‘1
P
alha
i’L’dattta..,Quem
seu
peit((lido
imijlamna
Para
dard
m
ãe
vigor?
D
eusa
que
migénio
idolatra,pois
lela
que
ele
n
asceu
Essa
m
ãe
que
se
diz
l’al
riu,
q
u
epor
ela
N
eo-ah
niorreti
l’mirhiimmmmms
n
esse
tllom(iei(jo’Eu
vos
,lürei
elemtmemmlo!
QmiL’mmm
tm
i
O
pod’m’5011
eu!
D
ois
a
n
o
s
depois.
registraria
a
virada
pró
Prudente
de
M
orais,qtie
luar—
Oi
0
10(11(1
dojac
obi
nis
u
so
florianisIa,(‘Ofliiun
1u
ndti
0111
hunienageiti
a
o
A
V
ID
A
L
lT
IC
A
r
a
c
h
a
l
B
irteflC
ourt
—
0111
1 S
y
110
a
te
n
tado
a
P
rudente
de
i
0
3
M
ora
—
e
m
que
dem
onstra
su
a
preocm
ipacao
(‘0111
1) futuro
da
R
epública.
Ó
iniiilt
Repiiblicii
prevê
tais pengos!!
paralisa
o braço
de
teu
s iniitugos!!
Ó
m
anto
sagi’ado
c
obre
e
sse
c
aixão!
N
ão
te
m
atm
clma
o
sa
m
tgue,
que
é do
n
o
sso
irm
ão.
,
,
V
enho
dar
ttiCti5
peSciiiieS
a
o
v
alente
e
xército!
a
o
B
rasil inteiro!
A
fainília
cm
prantos
queria
os
re
c
eber
pela
nobt’e
vítim
a.
filha
do
detem:
N
eutralizado
o
clam
or
das
ru
a
s.
P
rudente
C
O
m
eÇOU
5
governar
d
ire
tam
en
te
com
o
apoio
das
bancadas
dos
e
stados,
garantindo
a
eleição
de
C
am
pos
Saies(1898-19021,
e
n
tão
presidente
do
e
stado
de
São
Paulo,
c
o
m
o
se
u
su
c
e
sso
r,A
inda
a
ssim
house
u
m
a
c
a
ndidatura
de
oposição,
a
do
p
o
si
tivista
paraense
I,am
’o
Sodre.
A
pesar
do
a
m
plo
a
rc
o
de
alianças,
C
am
pos
Saies
foi
o
m
e
n
o
s
v
o
tado
dos
presidentes
s
ol
a
egide
da
C
onstituicao
(lo
1891,
o
que
bem
sinaliza
a