A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 11 de 21

e
m
1916.
M
as
padre
C
icero
n
u
n
c
a
se
c
o
n
siciet’ou
ro
m
pido
com
a
Igreja
e
Por
toda
a
vicia
Seguiu
lutando,
c
o
m
apoio
de
se
u
s
segnidorc’s, pai-a
se
r
t’eintegt’acio
por
R
om
a.
N
as
prim
eiras
diécaclm
s
cio
sécuici
x
x
,
as
a
u
to
ridades
o
clcsm
ast icas
n
o
B
rasil
c
o
m
batiam
c
ada
v
o
z
c
o
m
nm
aC
ênfase
as
pi’;tuccm
s
trachcionais
cio
c
atolicism
o
popular,
setii
qtte
csW
,
e
n
tretan
to
,
perdesse
fôlego. C
onform
o
bem
assinaiuj,u
R
alpli
1 )c’ila
(
o
v
a
cmii
se
u
1 ivt’o
piou
e
mio,
&‘sc’riio
c
m
m 176,
e
nquanto
o
prestigio
político
cio
pcmcirc’
Cicet’o
c
o
m
ii
O
i’t(ldlOXi,d
ciu
io
lica
tornava-se
c
ada
v
e
z
miiiis
frágil,
su
a
i nipom
t [ii1
cii
polit
m
i
n
a
R
epública
brasileira
a
cionm
nclo
so
u
poder
cii’
m
obilizacão
popular,
c
re
scia.
Pctciro
Cic’ei’o
tom
’nou—
se
ficotra
cic’cisiva
n
o
ilm
iaciru
político
cio
C
eará,
do
v
ali’
do
C
ariri
e
de
todo
o
Nom’clc’si
e’
ciu
ra
n
tc
ii Prim
eira
R
epública,
m
ondo
siclo
dou
o
prim
eiii)
prc’ft’ú
o
do
juiazc’i rim.
A
tiiobiiizaciuo
política
c
m
to
rn
o
dele
se
fazia
conm
base
n
a
s
tm
’adtçoc’s
de
o
rgaim
izaç’áo
cIo
c,itolicisnm
e’
popimlam’.
cmii
e
special
as
ii’mu,mmieiacie’s
leigas.
ii
m
aiom
’
pinte
cicias
api-ovacia
olicialm
oum
tc
pela
igreja
(‘atolmc’a.
A
im
iais
m
ilipori
a
mito
delas,
a
legião
cio
Cm’uz,
cmii
rc’i
a
nto,
O
tin
eo
foi
ofic’ialm
o
iii
e’
i’ec’onhoc’icici
e
chegou
a
re
u
nir
mimais
cio
i o
m
il
pessoas.
Pata
l)oila
(avo,
as
A
A
B
E
R
T
u
R
A
‘A
R
A
O
‘
.IU
N
D
O
A
V
IR
A
I’O
L
IT
IC
A
1
1.
1
1
1
O
irm
andades
a
fãvor
de
padre
C
icero
m
ais
pareciam
“
c
o
m
icios
políticos”
e
de
c
e
rta
form
a
o
e
ra
m
.
Padre
Cícero
c
u
m
pria
o
s
dois
papeis
lít ices
c
e
ntrais
que
se
e
speravam
dos
c
o
ro
n
eis.
Por
u
m
lado,
seu
perfil
dc
lidei-ança
religiosa
o
fãzia
c
apaz
de
m
obilizar
e
re
c
eber
a
fdelidade
de
m
ilhoes
de
c
a
n1ponese
n
a
o
eleitoi-es,
m
as
ainda
assim
atores
politicos
c
e
ntrais
n
a
n
o
v
a
o
rdem
republicana,
co
m
o
a
G
uerra
de
C
anudos
dem
onstrou.
Foi
o
ut
n
ilado,
c
o
m
o
chefe
político
c
o
n
seguia
o
rganizar
a
c
o
m
petição
local
e
n
tre
as
elites
politicas
e
su
a
s
clientelas
m
ais
próxim
as,
que
efetivam
ente
participavam
das
eleiçi5es,
e
specialm
ente
n
a
s
vilas
e
se
u
s
a
rredores
Seu
apoio
foi
hindam
ental
n
o
c
o
n
tex
to
das
lutas
oligárquicas
o
c
o
rridas
e
m
i9
1
3
e
1
9
1
4
n
o
e
stado,
quando
violento
c
o
nfronto
a
rm
ado
re
c
olocou
n
o
poder
a
oligarquia
form
ada
pela
fam
ília
A
ccioli. A
política
m
u
nicipal
de
Juazeiro
n
a
dócada
de
i9
2
o
o
rganizava-se
a
partir
da
oposição
e
n
tre
duas
facções,
o
s
adventícios,
chegados
à
região
por
m
eio
das
ro
m
a
rias,
v
cisus
o
s
filhos
da
terra,
dem
onstrando
c
o
m
o
n
e
m
tudo
e
ra
c
a
ricatura
n
a
im
portância
das
eleições
m
u
nicipais.
A
a
m
plitude
das
guerras
c
a
m
ponesas
de
C
anudos,
n
a
B
ahia
(1896—
1897),
e
do
C
ontestado,
n
a
fronteira
e
n
tre
o
s
e
stados
do
Paianá
e
de
Santa
C
atarina
119t2—
1916(,dá
bem
a
m
edida
da
im
portância
da
c
o
n
sti-ução
de
lealdades
v
e
rdeais
c
apazes
de
garantir
o
c
o
n
trole
das
m
a
ssa
s
ru
rais
pelas
elites
que
m
o
n
opolizavam
o
a
c
e
sso
a
o
s
direitos
políticos.
O
fim
da
e
sc
ra
vidão
retirava
a
a
m
e
aça
de
re
e
sc
ra
vi-zacão
do
horizonte
se
rtanejo,
ao
m
e
sm
o
tem
po
que
oferecia
perspectivas
de
m
obilidade
espacial
e
de
reproducão
dos
m
odos
de
vida
do
c
a
m
pesinato
livre
para
o
s
e
x
-e
s
aV
O
S
potencial
desorganizador
dessas
duas
m
odificações
para
a
m
a
n
utençãO
1
o
rdem
so
cial
e
ra
im
enso,
e
specialm
ente
tora
das
áreas
m
ais
e
stritijrad
de
produção
agroexportadora.
M
esm
o
n
essas,
c
o
m
o
vim
os
n
a
história
M
atilde,
su
rgiam
problem
as
reisovados
para
obtenção
de
u
rn
a
m
ão
de
obi
agora
form
alm
ente
livre
e
que
sabia
u
tilizar
su
a
s
prerrogativas
tanto
C
deslocam
ento
espacial quanto
de
aproveitam
ento
das
rivalidades
interel1
A
form
ação
do
A
rraial
de
C
anudos,
que
m
obilizou
im
portante
pOpUI
cão
de
re
cêni-liljertos
atravós
de
m
igração
interna
e
m
finais
da
d
ecad
iSSo,
se
foz
n
e
sse
c
o
n
tex
to
m
ais
geral.
O
registro
de
n
a
scim
ento
e
cle
tico
definia,
n
a
vigência
da
e
sc
ra
vidão,
a
c
o
ndição
de
livre
O
U
escrav
o
re
cém
-iiasciclo.
P
a
1o
ssil)iliiladle
de
re
e
sc
ra
vização
foi
talveZ
a
a
m
e
aça
c
o
m
a
qual
a
população
m
e
stiça
da
região
n
o
s
a
n
o
s
11.—
sra
vidão
c
o
n
vivia.
T
radições
de
luta
e
de
tem
o
r
a
o
trabalho
cO
lllP
e
ra
m
fortem
ente
Ijiesentes
n
a
c
ultura
política
do
c
atoliC
ism
°
lim
a
vitorios:i
re
v
olta
e
m
diversos
e
stados
do
N
ordeste
havia
im
pe
—
A
A
B
E
R
T
U
R
A
P
A
R
’,
O
M
U
N
D
O
A
V
I
0’
,
P
O
LÍTIC
A
.1
‘E
i,
‘
-
“
Q
C
iÉ
O
V
n
-
/
a
‘
R
ç
R
O
,,,i
«
.à
,g
,,.
à
‘
,
,
.
o
,
-
.
-
-
-
‘flõI1jirio
‘llit(tijg
d
s
r
f
l
5
5
,5,
rn
etd
em
C
nudr,ç
OTII
m
n
0,
[si,)
NOS
C
-u
,ç
PA
I!!
5,
1.
CO
SO
d
sir:r-p
,
5.
-
- lis55
5
VIR.s-,n
5h
N
U
Bom
J
e
IlhA
N
A
R
E
SIST
A
‘
°f5
J$T
U
flA
ICE
1.50!
CRI!
D
E
1
8
9
7
Á
C
E
R
5,
)
I
c
ú
o
0,0
4
,
,
0,
SÃO
JA
I?L
0
-;----
ii
1
1
2
adoção
pelo
E
stado
im
perial
do
regisi tu
civil
ainda
n
o
s
a
n
o
s
50
do
sécnlo
xix.
O
tem
or
à
re
e
sc
ra
vizaçào
e
a
desconfianca
das
a
u
to
ridades
civis
e
stão
n
a
base
da
re
c
u
sa
dos
habitailtes
de
C
anudos
a
o
registro
civil
republicano
í)iirante
algum
tem
po,
as
ato
o
ridades
da
regido
n
egociaram
c
o
m
A
n
tõio
(lonselheiro.
C
ontem
porànc’o
a
o
m
ilagre
de
Juazeiro,
su
a
historia
não
e
v
oluiu,
e
ntretanto,
c
o
m
o
a
do
padre