A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 13 de 21

U
A
O
M
U
N
D
O
i
A
V
ID
A
P
O
O
T
IC
.1
11
A
s
a
u
to
ra
s
destacam
que
o
s
problem
as
de
governabilidade
e
de
in
co
r
poração
de
ato
res
políticos
vividos
pelo
B
rasil
das
prim
eiras
decadas
do
séc’ulc)
x
x
e
ra
m
sim
ilares
a
o
s
de
o
u
tra
s
e
xperiências
liberais
dem
ocráticas,
n
a
s
A
m
éricas
e
n
a
L
uropa.
O
s
partidos
politicos
c
o
m
o
clubes
de
elites,
o
v
o
to
só
para
o
s
alfabetizados
e
o
s
ufrágio
m
a
s
c
ulino,
bem
c
o
m
o
as
fraudes
e
o
clientelism
o
n
a
o
foram
m
n
v
en
c6es
latino-am
ericanas.
A
alfabetização
c
o
m
o
c
ritério
para
a
cidadania
fez
c
o
m
que
a
questão
da
educação
prim
ária
tom
asse
teiçao
c
e
ntral
e
m
in
ú
m
e
ro
s
e
stados
n
a
prim
eira
e
xperiência
republicana,
ainda
que
não
Tosse
garantida
pela
C
onstituição
Federal.
A
e
sc
ola
prim
ária
c
o
m
u
m
prédio
prÓprio
e
e
n
sino
s
e
riado
fbi
e
m
grande
parte
e
stru
tu
rada
a
partir
da
e
xperiência
do
G
rupo
E
scolar
im
plantado
inicialm
ente
n
o
e
stado
de
São
Paulo.
e
dele
e
xportada
p
m
o
u
tro
s
e
stados.A
s
c
a
m
panhas
poldtlares
por
e
x
ten
são
da
alfabetização
se
s
u
c
ederam
por
todo
o
período,
ainda
que
perm
anecessem
quase
se
m
pre
re
stritas
às
from
eiras
das
m
aiores
vilas
e
cidades.
D
e
todo
m
odo,
o
discurso
da
virtude
cívica
e
da
c
:idadania
foi
incorpo
rado
e
u
tilizado
para
dar
s
e
n
tido
às
disputas
políticas
pelas
elites
locais.
P
inheiro
M
achado,
às
v
e
z
e
s
referido
c
o
m
o
o
c
o
ro
n
el
dos
c
o
ro
néis,
foi
a
o
m
e
s
m
o
tem
po
im
portante
intelectual
positivista
gaúcho,
chefe
de
e
xérci
to
s
privados
durante
a
R
evolução
Fedei’alista
e,
depois,
pai’hnientar
que
c
o
n
trolou
por
longos
a
n
o
s
a
c
o
m
issão
de
re
c
o
nhecim
ento
dos
m
a
ndatos
n
o
Senado,
o
que
lhe
perm
itia
c
o
m
por
alianças
c
o
m
e
stados
m
e
n
o
re
s
,
que
e
m
presi
a
ra
m
à
su
a
liderança
dim
ensões
n
a
cionais.
N
ilo
P
eçanha
tam
bém
e
ra
u
m
oligarca,
c
o
m
o
bem
dem
onstrou
a
historiadora
Suram
a
C
onde
Sá
Pinto
a
o
a
n
alisar
su
a
c
o
rre
spondência
priida.
Seu
poder
n
o
e
stado
do
Rio
de
janeiro
se
c
o
n
struia
n
a
tro
ca
cio
favores
do
poder
público
e
stadual,
e
s
pecialm
ente
n
o
m
e
ações
e
stratégicas,
co
m
o
s
aliados
políticos
m
u
nicipais,
c
o
ntigum
anclo
a
prática
c
o
ro
n
elisla,
traco
e
specifico
da
prática
eleitoral
n
a
Prim
eira
R
epública.
M
as
tam
bém
e
ra
um
politico
m
e
stiço,
com
a
m
bi
ções
n
a
cionais,
c
o
m
solidos
laços
eleitorais
c
o
m
o
eleitorado
populai’
do
D
istrito
Federal
e
c
o
m
s
eto
res
ligados
a
o
m
o
vim
ento
operário.
desde
o
jacobinismo
ilorianist
a.
Seu
discurso
igrarisi
a
e
n
a
cionalista
co
m
binava—
se
c
o
m
a
defesa
dos
interesses
da
população
c
a
rioca
que
e
staria
e
spoliada
por
setores
c
o
m
e
rciais
e
industriais
c
o
ntrolados
p
r
e
strangeiros.
U
tilizava
1 ainbém
lirgam
ent
e
práticas
clic’nlelistas
diretas
c
o
m
o
fuH
cionaliSm
O
público
e
o
operariado
cio
e
stado,
e
m
N
itc’rói
e
n
o
D
istrito
Federal.
Para
c
o
m
preendei’
OS
significados
cIo
v
oto
n
o
c
o
n
tex
to
político
da
P
ri
n
w
ira
R
epública
é
preciso
ir
além
do
s
e
m
pre
c
o
nflituoso
pacto
oligárquico
que
o
c
ie
sv
irtu
a
v
i.
Fazia-se
polítici
além
das
elem
cócs,
m
a
s
o
s
plc’itos
eleito
i
15
raiS
m
a
n
tiveram
por
todo
O
período
c
e
ntralidadc’
e
im
portância.
UM
A
REPÚBLICA
DE
CIDADÃOS
Os
significiiC
leS
da
cidadania
n
o
B
rasil
rc
’public
n
o
têm
siclo
tem
a
de
m
uitas
pesquisas
e
debates
n
a
hisi
o
riograha
sobre
o
pais.
Parte-se,
e
m
geral.
das
discussões
cio
so
ciólogo
hritànico
‘f.l1. M
arshall(1967)
sobre
o
tem
a.
c
o
n
siderando
que
a
cidadania
tei’ia
se
c
o
n
struído
n
a
s
dem
ocracias
m
odernas
c
o
nquistando
inicialm
ente
direitos
civis.
e
m
seguida
a
m
pliando
o
s
direitos
políticos
e
depois
o
s
clireiios
so
ciais
e,
m
ais
re
c
e
n
tem
en
te,
c
utlnurais.
C
ada
v
e
z
m
ais.
e
n
tretan
to
,
e
ssa
progressão
teo
ricam
ente
to
m
ada
dos
m
odelos
clássicos
se
m
o
stra
pouco
efetiva
historicam
ente.
D
e
fato,
n
a
s
A
m
éricas,
por
todo
o
século
xix,
a
questão
dos
direitos
civis
teve
u
m
a
dim
ensão
c
e
n
tral,
diretam
ente
vinc;ulada
a
o
s
processos
e
m
c
u
rs
o
de
abolição
da
e
sci-avidão.
D
ireitos
civis
e
m
u
m
a
s
o
ciedade
e
s
c
ra
vista
dizem
re
speito
às
m
ais
elem
entares
e
xperiências
c
o
tidianas.
O
direito
à
integridade
do
c
o
rpo,
à
c
apacidade
de
ir
e
vir,
à
fam
ília,
à
propriedade,
à
herança,
direitos
form
alm
ente
n
egados
a
quem
tinha
a
c
o
ndição
de
e
sc
ra
v
o
.
Por
o
utro
lado,
a
s
eparação
da
Igreja
e
do
fistaclo
efei ivacla
pela
R
epú
blica
c
oincidiu
c
o
m
a
a
c
eleração
do
processo
de
ro
m
a
nização
da
Igreja
c
atólica
n
o
B
rasil.
Intelectuais
c
atólicos
c
o
n
tinuaram
a
influenciar
íhm
’te
m
e
nte
as
c
o
n
c
epções
de
direito
civilque
se
riam
finalm
ente
c
’odificacias,
e
m
1916.P
ropostas
cio
re
c
o
nhecim
ento
cio
divórcio
o
u
cio
igualdade
civil
e
n
tre
hom
ens
e
m
ulheres
o
riginalm
ente
presentes
n
o
projeto
de
C
ódigo
C
ivil
redigido
por
C
lóvis
B
eviláciua
u
c
abaru
i de
Ibra
cio
C
ódigo
C
ivil
brasileiro.
A
s
m
ulheres
cm
sid’is
c
o
n
tinuaram
civilm
em
m
tc’incapazes
e
dlependentc’s
dos
m
a
ridos,
c
o
m
o
as
c
rianças
e
as
populacões
indígenas.
A
inda
a
ssim
,
a
retórica
clii
cidadania,
principainm
c’m
m
tc’quando
referida
a
o
s
direitos
civis.
ibrtem
enu
e
ligados
à
m
e
m
ória
da
e
s
c
ra
vidão,
fbijrsvnca
im
portante
n
a
vicia
politica
da
P
rim
eira
R
epública.
O
caso
m
ais
e
m
blom
á
tico,
se
m
dúvida,
é
o
da
R
evolta
dliiC
hibata,
e
m
1910,
dluc’
im
norializiria
a
figura
cio
m
a
rinheiro
João
C
ândido
Felisberto.
O
s
c
a
stigos
fisicos