A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 16 de 21

A
s
c
ríticas
à
política
dos
e
siados
e
às
práticas
c
o
ro
n
elistas
n
u
n
c
a
dei
x
a
ra
m
de
e
star
presentes
n
o
discurso
público
m
e
sm
o
das
elites
republica
n
a
s.
N
ão
apenas
n
o
s
debates
n
o
P
arlam
en
to
,
m
a
s
m
e
sm
o
e
n
tre
políticos
ciue
e
stiveram
à
frente
de
c
a
rgos
im
portantes
da
adm
inistração
federaj.
A
su
c
e
ssão
do
paulista
R
odrigues
A
lves
11902—
19061
pelo
m
ineiro
A
fonso
Pena
(19o6—
i9o91
m
a
rc
o
u
o
inicio
da
aliança
e
n
tre
M
inas
e
São
Paulo
c
o
m
o
principais
forças
políticas
n
o
c
o
n
trole
do
governo
federal,
c
o
m
base
n
a
defesa
dos
interesses
c
afeeiros,
a
partir
da
aprovação
do
C
onvênio
de
Taubatõ
(1906),
n
o
qual
o
s
trõs
principais
e
stados
c
afeicultores
(sp,
M
G
e
RJ)
passavam
a
ter
a
c
e
sso
a
financiam
ento
federal
para
c
o
m
prar
por
u
m
v
alor
m
ínim
o
o
café
e
x
c
edente,
garantindo
que
o
s
preços
inteiT
iacioflaS
não
c
aíssem
.
N
esse
m
e
sm
o
governo,jovens
politicos
levados
a
o
poder por
A
fonso
Pena,
c
o
nhecidos
c
o
m
o
grupo
do
Jardim
de
lnfãncia,
u
nificavam
-se
por
u
m
discurso
que
buscava
u
m
a
m
odernízacão
das
práticas
políticas. A
m
o
rte
de
A
fonso
Pena
e
o
breve
governo
cio
seti
vice,
o
flum
inense
N
ilo
Pc’çanha
(1909/19
io),
reforçaram
e
ssa
s
c
a
ra
cteristicas.A
cada
n
o
v
a
su
c
e
ssão
podia
re
ssu
rgir
o
tem
o
r
o
u
a
v
o
ntade
de
que
a
s
eleições
funcionassem
para
v
aler
c
o
m
o
instrum
ento
de
regulação
cio
c
o
m
petição
política.
O
adensam
ento
da
crítica
cl
opinião
pcíblica
à
quase
insi itucionalizaçao
da
li-atido
eleitoral
e
o
c
rc
’scinu’nt
o
do
niovim
c’n
lo
o
p
eriírio
o
rg
an
izad
o
n
o
s
a
n
o
s
a
n
teriores
foram
a
base
da
aprO
X
im
iiçâo
cio
s
e
n
ador gaúcho
Pinheiro
M
aibaclo,”
c
o
ro
n
eldos
c
o
ro
n
eis”,
c
oiil
o
m
a
re
chal
tlerm
c’s
da
Fonseca, lan
a
clo
c
an
ciicial
o
à
prc’siclência.
Pinheiro
M
achado
c’haiiiava
a
ssim
para
si.
S
U
l
prc’onclentenienie.
u
m
a
agencia
cio
reform
as
so
ciais
e
politicas,
a
sso
ciadas
à
ligurido
m
a
re
chal.
C
om
o
apoio
de
N
ilo
Peçanha,
presidente
da
R
epública.
1lerm
es
cio
Fonsc’ca
tro
u
x
e
para
se
u
lado
o
agraris
ino
fiu
nlinerise,
m
a
s
tam
bém
im
portantes
setoi’es
das
populações
u
rbanas
cio
distrito
lócierai.
E lerm
os
da
loriseca
teria
ai 11(10
o
apoio
cio
Part ido
R
c’public:ano
M
ineiro,
11101
dlfllO
dissicié
m
ia
i m
porl
a
n
te
cio
e
e
,1 igacla
a
o
Jardim
de
Infância
e
a jornais
da
cidade
c
afreiri
e
industrial
de
juiz
de
Fora
M
c;),
ap
o
iaria
a
c
a
n
d
id
att’a
oposicionista
de
Rui
B
arbosa.
A
poiada
pelo
poderoso
Partido
R
e
p
”
°
Paulista,
pela
oligarquia
b
aian
a
e
p
o
r
u
m
a
ciissidõncia
do
a
c
a
ndidatura
dc’
R
iu
B
arbosa
se
pensava
para
v
aler
e
a
c
a
m
panha
foi disputada
v
oto
iiV
oto.
P111
a
m
bos
o
s
lados
e
steve
presente
c
e
rto
10111
fo
rm
ista,
de
c
rítica
às
práticas
cio
fraude
eleitoral.
A
a
m
biguidade
eleitoral
da
Prim
eira
R
epública
e
steve
m
ais
p
rc’n
te
que
n
u
n
c
a
n
a
c
a
m
pafli1i
politica
de
1910.Se
dos
dois
lados
e
ra
m
as
sólidas
alianças
oligárcuicas
qtie
davam
viabilidade
às
c
a
ndidaturas,
001
a
m
bos
o
s
caso
s
se
a
c
e
n
a
v
a
para
o
s
Setores
m
cdernos
do
eleitorado.
A
c
a
ndidatura
I4erm
eS
re
vivia
parcialillellte
o jacobinism
o
nliiitar
e
su
a
s
e
xpectativas
de
m
o
ralização
através
de
hom
ens
de
re
c
oilllecido
v
alor.
D
o
o
u
tro
lado,
u
ni
Rui B
arbosa
S
eillpre
liberal,
e
c
o
m
apoio
de
fazendeiros
e
industriais
do
PRP, percorreti
o
pais
e
m
defesa
do
v
oto
se
c
reto
e
da
a
m
pliação
da
alfabe
üzação,
c
o
m
c
o
m
ícios
repletos
e
grailde
m
ohilizacão
de
o
p
in
ião
pública
e
do
eleitorado
u
rbano.
A
pesar
dos
protestos
e
das
denõncias
de
frau
d
e,
a
c
a
n
d
id
atu
ra
situ
a
cionista
foi
eleita
e
H
erm
es
da
Fonseca
to
rn
o
u
-se
presidente
da
R
epública
(1910—
1914).
E
sp
ecialm
en
te
n
o
s
dois
prim
eiros
a
n
o
s,
H
erm
es
m
a
n
tev
e
cim
a
posição
a
m
bigua,interferindo
n
a
politica
de
priiticam
ente
todos
o
s
e
stados
oposicionistas
p
o
r
m
eio
de
in
terv
en
cõ
es
ch
am
ad
as
de
“
s
alvações
n
a
cio
n
ais”
chefiadas
p
o
r
oficiais
m
ih
tares
c
o
m
d
iscu
rso
a
n
tio
h
g
iírq
u
ico
A
o
m
e
s
m
o
te
m
po,
n
o
m
e
o
u
o
d
ep
u
tad
o
trab
alh
ista
c
a
riocíl
M
au
rício
de
P
acei’da
c
o
m
o
seu
oficialde
gabinete
e
p
atro
cin
o
u
tiin
C
o
n
g
resso
O
p
erário
em
1912.
P
or
O
U
tro
lado,
P
in
h
eiro
M
achado
a
rticu
lo
u
a
s
bancadas
dos
e
stados
sim
acionis
tas
e
m
to
rn
o
de
11111
0000
partido,
o
l’articio
R
epublicano
C
onservador(dcc),
que
buscava
ta
m
b
ém
tu
telar
o
p
resid
en
te.
A
s
d
isp
u
tas
d
esen
cad
ead
as
n
oS
e
stados
p
e
l
“
s
alvações”
rc
’s
u
itaram
e
m
iili’insc’i’O
s
c
o
n
flito
s
a
r
m
ad
o
s.
c
u
c
’
levaram
e
n1
alg
u
n
s
c
a
s
o
s
a
divisões
d
en
tro
cio
p
ró
p
rio
E
xército.
P01
1912.
C
oro
o
ap
oio
do
PR
C
,
ilerm
es
siih
stitu
io
in
rei’v
en
cio
n
ista
O
c’ilerai
M
ona
B
arreto
co
m
o
m
inistro
da
G
uerra
pcslo
g0i1er1l
V
esp
asiano
de
A
lbuquerquc’,
que
iria
ei1
t0
Se
m
a
n
ifestar
P
u
b
licam
en
te
c
’oilli’a
a
in
tro
m
issao
cl;m
P
o
lítica
fios
m
eios
m
ilitares,
A
v
itó
ria
das
forças
c
’oi’oneíistas,
apoiadas
11011) padre
C
icero,
cO
ilt
ra
o
g
o
v
ern
ad
o
r
m
ilii
a
r
eleito
cio
C
eará,
n
a
ch
am
ad
a
S
eclicão
deJuazeir(
de
19
1.1,
m
a
rc
a
a
lsc’gc’m
o
n ia
ciefioh
iva
cio
m
’tcc
e
dc’
Pin
h
oiro
M
achado
n
o
g
o
v
ern
o
iic’rm
es
e
O
fim
cio
su
a
s
v
c’ic’iciades
ai1tio1igárc0icas.
P
ro
clam
ad
a
a
R
epública
por
u
m
g
o
lp
e
n
ul
tal’,
a
p1’iinc’irii( Zoilsi
11H
çáo
in
teg
rara
de
c
o
rto
m
odo