A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 17 de 21

a
ideia
positivista
cio
s
olclacio-ciclaciào.
O
s
levantos
de
JO
V
c’lls
oficiais
t c’n
cieraiii
a
s
e
c
x
t
in
g
u
ir
e
m
1
9
0
4
c
o
m
o
III
1a
nlc’
n
tO
dia
1
a
121
E.
E’
A
A
IÍEI&
1IJRA
P
A
R
A
1)
M
l:N
I)O
1
2
2
ESc)1&l M
ilitar
da
Praia
V
erm
elha,
m
a
s
desde
o
governo
1 lerm
es
clã
Fonseca
u
m
a
dupla
te
ndência
se
c
o
nfigurava.
l)e
u
m
lado.
a
s
salvações
prom
ovidas
por
oficiais
m
ilitares
c
o
n
tra
oligarcas
locais
tiveram
se
m
dúvida
inspiração
n
a
ideia
rir
soldado-cidadão.
P
or
o
u
tro
,
o
g
o
v
ern
o
1 lerm
es
se
c
a
ra
cterizou
tam
bém
pela
m
odernização
e
profissionalizacão
do
E
xercito.
tendência
que
se
reforçou
c
o
m
a
adoção
do
re
c
ru
tam
en
to
u
niversal
ai
ravés
de
so
rteio,
aprovada
e
m
seu
governo
e
efét ivada
n
o
seguinte.
D
esse
m
odo,
a
o
finaldo
m
a
ndai
o
de
H
erm
es
da
Fonsec’a,
a
Ilegem
onia
das
oligarquias
lideradas
por
P
inheiro
M
achado
trazia
de
v
olta
a
política
dos
esl
ados,
m
a
s,
ao
m
e
sm
o
tem
po,
im
portantes
m
udanças
o
c
o
rriam
n
o
E
xército
c
o
m
o
instituição.
Essas
tendèncias
se
reforçariam
n
o
quadriénio
s
eguinte,
para
o
qual
foi
eleito
o
m
ineiro
W
enceslau
B
raz
(191
4—
1916). que
c
o
n
c
o
rre
u
c
o
m
o
c
a
ndidato
único.
N
ilo
P
eçanha
e
Pinheiro
M
achado,
afastados
desde
o
inicio
da
presi
dência
de
H
erm
es
da
Fonseca,
e
n
traram
e
m
c
o
nfronto
direto
n
o
início
do
governo
W
enceslau
B
raz,
quando
houve
u
rn
a
n
o
v
a
duplicidade
de
A
ssem
bleia
n
o
R
io
de
Janeiro.
A
vitória
do
grupo
de
N
ilo
P
eçanha
SO
foi
possível
porque
o
a
ssa
ssinato
do
s
e
n
ador
Pinheiro
M
achado,
e
m
1915.
tirou
o
poderoso
inim
igo
definitivam
ente
da
política.
Pinheiro
M
achado
n
ã
se
ria
s
ubstituído
n
o
papelde
a
rticulador
n
a
cionalda
política
c
:o
ro
n
eiista
que
até
e
n
tão
desem
penhava,
o
que
sinalizava
início
de
n
o
v
o
s
tem
pos.
A
P
rm
ieira
G
uerra
M
undial
(19
14—
19
18)
que
e
sto
u
ro
u
n
a
E
uropa
e
a
R
evolução
R
ussa
(1917)
m
a
rc
a
ra
m
para
m
uitos
o
início
do
c
u
rto
século
x
x
.
Sem
dúvida,
o
n
o
v
o
c
o
ntexto
redefiniu
as
form
as
de
interação
das
popula
ções
u
rbanas
brasileiras
c
o
m
o
s
a
c
o
n
tecim
entos
e
fluxos
de
ideias
vindos
dos
E
stados
U
nidos
e
da
E
uropa.
A
s
ubstituição
cio
im
portações
perm
itida
pela
guerríl
aprofundou
o
c
re
s
cim
ento
inciust
rial
n
a
s
cidades,
s
obretudo
e
m
São
Paulo.
Por
o
utro
lado,
a
geração
de
políticos
e
intelectuais
su
rgida
c
o
m
o
inicic
da
R
epública,
cham
ados
de
republicanos
históricos,
c
edia
lugar
a
n
o
v
o
s
atores.
O
governo
W
enceslau
iliaz,
e
m
pleua
Prim
eira
G
uerra
M
undial, foi
m
ar—
c
ado
p
o
r grandes
greves
operârias
e
por
u
m
a
c
re
sc
e
nte
aproX
im
ação
e
n
tre
a
s
o
lig
arq
u
ias
de
São
P
auh)
e
M
inas
G
erais,
c
o
m
adoção
cio
u
m
a
política
e
c
o
n
ô
m
ica
cada
v
e
z
m
ais
im
erv
o
n
cio
n
ista
e
o
início
cta
s
eguH
da
política
cio
v
alo
rização
do
c’afë.
em
1917.
N
o
legislativo,
o
s
cham
ados
deputadoS
1 rahalliisias,
e
specialiiiente
M
aurício
de
l,ac’erda,
N
icanoi’
N
ascim
en
to
(‘
l)eoclaio
M
aia,
1010111
presenças
a
tiv
as
n
a
denuncia
dos
problem
as
dos
1
r
ab
alh
ad
o
res,
11l
defesa
de
s
u
a
a
tu
ação
g
rev
ista
o
n
a
proposição
pionei
ra
cio
u
m
a
legislacão
s
o
cial,
c
o
m
a
discussão
de
u
m
pl’ilfloiro
P
rojeto
de
:Iil1(JD
(11W
1001121
re
s
ultadO 1,
A
V
ID
A
P
O
LÍTIC
A
em
apenas
u
rn
a
lei
sobre
a
cidentes
cio
1
rab
alh
o
,
s
eg
u
n
d
o
a
historiadora
A
ngela
cio
Casi
ro
G
om
os.
Em
1
9
1
9
,
c
o
m
a
m
o
rte
cio
p
au
lista
R
odrigues
A
lvos,que
havia
siclo
m
ais
U
rna
v
e
z
lo
adIo)
a
o
c
a
rgo
cio
presidleili
e
,
o
c
o
n
se
n
so
i1
1
tero
lig
írq
liico
pela
pri1neiri
v
e
z
se
féz
e
m
to
rn
o
cio
u
m
n
o
m
e
do
N
ordeste:
o
p
ii’iib
aiio
Epitácio
P
essoi,
ciue
ap
resen
tav
a
e
m
s
e
u
program
a
p
reo
cu
p
açõ
es
e
sp
ecificas
(‘0111
a
região,
A
inda
a
ssim
.
ele
não
foi
c
a
n
d
id
ato
tinico.
N
a
c
aiiipm
lia
de
1
9
1
9
,
Rui
B
arbosa
c
oll(’Orrc’jl (‘01110
I1li1i
e
sp
écie
(lo
iiilticancliclato,
se
m
apoio
cio
qualqriei.
estado),
o
b
ten
d
o
11111
terço
cios
v
otos
e
v
e
n
c
e
ndo
n
o
i)istrit
o
Federal.
Em
Seus
ciisciirsos
propôs
colIlênfase
a
adoção
(lo’
111110
legislação
olw
rãria.
123
901
Fotografo
não
identificado
Revolução
de
1924. Rebeldes
11(15
t0111(ldOS
E
O
T
O
I;R
A
IIA
,
1111111
D
E
192.4
(F
R
V
()
I(O
N
D
(;IÍA
pIIIA
,
SAÍ)
l’A
l!I.O
5.34‘ei
12
j
A
c
a
ndidatura
de
E
pitacio
l’essoa
apresentou.
pela
prim
eira
v
ez,
U
m
program
a
que
v
e
rsa
v
a
de
forota
e
xplícita
sobre
m
i
e
re
sse
s
regionaiS,
es—
pecialm
elte
do
N
ordeste,
m
a
s
fbz
tam
bem
u
m
governo
c
re
s
c
e
n
tem
en
te
ml
ei’encionista
a
favor
dos
interesses
c
afeeiros.
E
m
preendeu
a
terceira
v
m
tlorm
zaçao
do
c
afë,
c
riou
o
lnst ii 100
mli’
IJetesa
P
erm
anente
do
(
aló
e
in—
dicou
para
a
su
a
su
c
e
ssão
u
m
c
a
ndidato
m
ineiro,
A
rthur
R
em
ordes,
c
o
m
o
apoio
apetias
de
São
Paulo
e
il
1limm
G
erais.
O
s
cham
ados
e
stados
de
s
egun
da
grandeza
n
a
o
se
c
o
nform
aram
c
o
m
a
preponderància
e
xplícita
que
o
s
interesses
c
afeeiros
passavm
tm
a
ter
n
o
governo
federal.
Rio
G
rande
do
Sul,
Pernam
buco.
B
ahia
e
Rio
de
janeiro
lançaram
e
m
re
sposta
a
c
a
ndidatura
de
N
ilo
Peçanha,
form
ando
a
R
eação
R
epublicana
(19211.
Se
ainda
é
o
jogo
oligárquico
que
e
xplica
o
c
o
nflito,
a
R
eação)
R
epu
blicarta.
c
o
m
ojá
havia
o
c
o
rrido
n
a
c
a
m
panha
civilista
de
1910.
optou
por
n
o
v
a
m
e
n
te
e
xplorar
o
poder
da
tn
obilizacão
politicci
eleitoral.
Em
viagens
por
todo
país,
e
m
que
pronunciavam