A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 8 de 21

clesm
iibilização
das
disputas
eleitorais
que
tia
c
a
ndidajra
representava,
C
am
pos
SaIes
se
propõs
a
retirar
da
adm
inism
‘audo
federal (IS
paiX
õeS
dos
grrtpos
e
fhcções,
governando
o
pais
(‘0111
O
S
e
stados,
por
s
obre
as
agitações
das
ru
a
s
da
c
apital.
A
cham
ada
‘política
dos
e
stados”
tendeu
a
C
ongelar
o
poder
das
situações
e
staduais
110
illo
ilieilt
o
da
su
a
c
’a
ndidai
ui’a,
dando
a
elas
o
u
m
si
role
político
das
disputas
locais
c
m
ii’oca
de
seu
apoio
à
c
a
n
clidatu
governista,
Para
151110,
a
llrdi’a
de
to
ijue
foi
cO
i1egInr
:m
pi’ovar
cIm
a
m
udanca
n
o
regim
ento
lO
tei-no
da
(
âimuai’a
dos
liepiim
udos.( )presicleiti
e
da
(
.
,
‘uln,ira
e
ra
(1
re
sponsável
por
n
o
m
e
a
r
a
C
om
issão
de
V
ei’iiicação
dos
Poderes,
OIldL’
se
dava
o
e
m
bate
final
de
v
alidação
cio
quen
i
re
alm
ent
e
o
c
uparia
u
nia
c
adeira
n
o
legislativo
ft,clei’al
.:\i
ã
0111ão,
fazii—
se
p
’s
ide111v
O
dej
m
ui udo
A
A
III1R
T
U
R
A
P
A
R
A
O
M
U
N
D
O
A
V
ID
A
P
01
T
Il
A
1
04
m
ais
id
o
so
0111
re
OS
eleitos,C
om
a
niticiança
propost
a
PorCafllpos
Saies
presidente
da
C
ãm
ara
p
a
sso
u
a
s
e
r
o
m
e
sm
o
da
legislatura
a
nterior
qj°
‘
perm
iliria,
a
principio,
c
o
ngelar
o
poder
das
oligarquias
e
staduais
c
o
r
estavam
c
o
nh2’uradas
n
o
m
o
m
e
n
to
da
eleicão.
\
m
aioria
dos
historiadores
iCo1ripa11I’ia
i
a
firm
a
i iva
de
R
enato
Lessade
(1110
a
“pollt ira
dos
est;idos”
teria
c
o
n
s
eguido
1 o
rn
a
r
hibit
n
ai
a
r
o
ta
tiv
id
po1ític’1
n
a
Prim
eira
R
epública,
c
o
n
stru
in
d
o
u
m
a
e
spécie
de
5U
cedãneo.
cio
P
oder
M
oderador
dos
tem
pos
cio
im
pério.
Em
v
ez
de
u
m
eleitor
prj.
vilegiado.
u
m
grupo)
seleto
deles,
o
governadores
dos
principais
e
stados,
sobreiudo
São
Paulo
e
M
inas
G
erais,
definiria
o
c
a
ndidato
presidencial
a
c
ad
a
s
u
c
e
s
são
.N
a
m
aior
parte
do
tem
po,
paulistas
e
m
ineiros
re
v
e
z
a
r_
_
_
_
_
_
_
-se
n
a
presidência
da
R
eptiblica,
rIO
(JUI’
part
e
da
historiogi’afia
cham
ou
:
cio
“política
do
c
afé
com))
leite”
o
u
m
e
sm
o
de
“política
do
c
afé
c
o
m
café”,
já
que
se
ti’atavam
dos
prim
eii’os
m
aiores
produtores
cio
café
(São
Paulo)
e
leite
(M
inas
G
erais)
do
pais.
M
ais
re
c
e
n
te
m
e
n
te
,
pesquisa
da
historiadora
C
laudia
V
iscardi
sobre
a
s
s
u
c
e
s
s?Ies
presidenciais,
ainda
que
c
o
rroborando
o
ftincionarnento
da
política
dos
e
stados.
e
nC
hiizo
u
u
m
nível
m
aior
cio
incerteza
e
u
m
núm
ero,
ainda
que
re
strito
,
porém
m
ais
diversificado,
dc’
a
to
re
s
privilegiados.
Sem
dúvida,
o
s
interesses
cafeeim
’o
se
c
o
nfundiram
e
m
algum
a
m
e
dida
c
o
m
as
questões
n
a
cionais,
te
ndo
e
m
vista
cicie
as
políticas
c
a
m
bial
e
im
igratóm
’ia
ei’am
c
e
n
trais
para
a
s
atividades
e
xportadoras.
Sem
dúvida
tam
bém
,
o
c
a
ráter
o
lig
arq
u
ico
cio
a
r
r
a
njo
político
e
n
tão
e
n
g
en
d
rad
o
,
frau
d
an
d
o
e
d
esm
o
ralizan
d
o
a
s
eleiç6es,
c
o
n
ib
rm
e
foi
a
m
plam
ente
d
en
u
n
cia
do
n
a
p
ró
p
ria
ép
o
ca,
im
pôs-se
c
o
m
o
“
reg
ra
cio
jogo”.
M
as
a
u
n
id
ad
e
de
o
bjetivos
c
’nirc’
a
s
o
lig
arq
u
ias
cio
São
Paulo
e
M
inas
G
erais,
e
m
to
rn
o
dos
. 1
int
oi’c’sses
c
afeeiros,
c’ra
apenas
relativa.
m
oi’
e
PR
M
n
e
m
sc
’nlpre
e
stiveram
u
n
to
s
o
u
de
aco
rdo.
Pelo
m
e
n
o
s
o
s
c
’ham
aclos
e
stados
de
s
egunda
grandeza
m
a
nt
n
’e
ra
m
presença
im
portante
n
a
s
n
m
’goc’iactos
polít
m
oasdas
s
u
c
e
s
sões
pm
’c’sidenciais
cio
penodlo.
\‘isc’ai-cli
cienlom
lstroil
c
’olivincentem
ente
que
a
e
stabilidade
cio
regim
e
e
stav
a
“n
as
m
ãos
cio
oligarquias
regionais
c
o
m
peso
político
proporcional
ao
1lim
Ialm
llo
cio
su
as
bancadas
c’ das
su
as
potenciali
dados
e
c
o
nôm
icas”
(\“isc’au’cli,
200
i:
1).
O
s
e
siaclos
grancle.s
e
ra
m
o
s
que
1 m
nham
bancidas
n
tiniei’osas
e
ecOflO
m
ias
relat
m
v
am
enlc’
a
uiosstm
fic’ientes:
São
Paulo,é
clam
o,
m
as
lam
bem
M
inas
;c’l’ais
e
o
Rio
Gm
’ancie
do
Sul.
O
s
e
stados
m
necim
os
t eu’ianm
igim
alm
nente
m
m
m
papel
im
portante
n
a
clc’Íinicao
das
(‘andiclaturas
presiclc’nciais.
form
ados
‘
0
!
1qu
lc
d111(
tm
nhim
11111
1
clis
clu
is
cois
IS
co
m
dc
st
icuc
1
1
1
B
ihia
rn
a
v
a
m
s
e
dependentes
do
governo
fc’dei’al
0/011
da
tu
tela
cio
e
stados
vi-
o
s
S
e
g
U
1
ainda
a
m
e
sm
a
a
u
to
ra.
OS
atorc’s
e
n
v
olvidos
flOS
P
rocessos
c
e
ssários
lim
itavam
-se
a
c
s
governadores
dos
grandes
e
m
édios
e
stados.
ai
n
s
parlalnelltares
iflfiU
em
ltes,
o
presidente
da
R
epública
e
SOUS
m
inist los,
‘
flt’
núm
ero
m
édio
de
24
lSSO
íIs.
A
re
eleicão
e
ra
proibida
pela
C
onstitui-
ão
federal
n
a
m
aioria
dos
c
’stidos,
garantindo
t1tfll
relativa
re
n
o
v
ação
dc)
-
-
.A
penas
n
o
R
io
G
rande
do
Stii
a
C
onstituição
cio
inspiração
positivista
a
a
e
eleiÇa0
e
perm
itiu
a
pl’m
iim
1êm
1cim
cio
l3orges
de
M
eclei
o
s
por
25
“
a
n
o
S
n
a
presidência
do
e
stado.
A
pesar
disso.
o
s
ato
res
privilegiados
do jogo
político
oligam
’cum
L’o
e
stive
ra
m
longe
de
re
sponderem
s
o
zinhos
pelo
processo
político
ciue
se
seguiu.
Se
a
politica
dos
e
stados
garantiu,
e
m
c
e
rta
m
edida,
a
form
alização
da
fraude.
isso
n
u
n
c
a
foi
to
talm
ente
a
ssu
m
ido
c
o
m
o
desejável
—
a
s
eleições
e
ra
m
u
m
rito
n
e
c
e
ssário,
c
o
m
o
a
hom
enagem
cjue
C)
v
ício
p
re
sta
à
virtude. A
lém
disso,
o
equilibrio
interoligárdiuico
e
ra
bastante
fluido,
abrindo
brechas
que
m
ui
s
v
e
z
e
s
e
m
prestavam
n
o
v
o
s
se
ntidos
às
disputas
eleitorais,
fossem
locais
o
u
n
a
cionais. N
esse
c
o
ntexto,
projetos
de
reform
a
eleitoral
transform
aram
-
-se
e
m
tem
a
c
e
n
tral
dos
debates
legislativos.