A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
37 pág.
Aula_04

Pré-visualização | Página 2 de 3

AMBIENTAL
Patogenicidade: É a capacidade de um microrganismo provocar lesões específicas, superando as defesas do hospedeiro.
Virulência: Grau de patogenicidade (severidade) de um organismo. Quanto maior a virulência, maior a capacidade do microrganismo para causar doenças graves ou fatais.
Sarcoma de Kaposi
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Capacidade de um agente induzir uma resposta imunológica específica por parte do hospedeiro.
Viabilidade - Capacidade de um agente sobreviver fora de seu hospedeiro.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Mecanismos de propagação das doenças
Como você já percebeu, o agente está envolvido o tempo todo com o meio.
 
CORTÊS (1993), revendo o conceito de cadeia epidemiológica e de seus componentes, caracterizou os mecanismos de propagação das doenças.
  
Segundo este autor, as seguintes questões poderiam ser formuladas e respondidas:
Mecanismos - A identificação destes mecanismos que se relacionam com o processo de propagação da doença torna possível a adoção de medidas sanitárias, capazes de prevenir e impedir sua disseminação.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Que recurso o agente utiliza para alcançar um novo hospedeiro?
Via de transmissão (VT).
Como o agente se hospeda no novo hospedeiro?
Porta de entrada (PE).
Quem pode adquirir a doença? Susceptível.
Quem hospeda e elimina o agente?
Fonte de infecção é o foco, local onde se origina o agente infeccioso, permitindo-lhe passar diretamente para um hospedeiro, podendo localizar-se em pessoas, animais, objetos, alimentos, água, etc. Como o agente deixa o hospedeiro?
Via de eliminação (VE). Normalmente pela urina ou pelas fezes; também pode ser via oral ou trato respiratório (VAS – vias aéreas superiores;
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Características que influem na susceptibilidade
Várias características influenciam na susceptibilidade às doenças. Então, vamos ver um pouco de cada uma dessas influências.
Espécie - Existem espécies que não são afetadas por doenças de outra espécie.
Idade: Doenças infecciosas – nível de resistência. Doenças degenerativas. Lembre-se dos extremos das idades: crianças e idosos.
Negros são mais susceptíveis à anemia falciforme; caucasianos, ao câncer de pele.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Susceptilidade individuais - Dentro das mesmas condições fisiológicas, ou seja, espécie, etnia, sexo etc., podemos encontrar susceptibilidades diferentes em cada indivíduo. Essas características se referem ao estado fisiológico, como: gestação, subnutrição, estresse, alteração de barreiras anatômicas, fisiológicas e imunológicas.
Sexo: envolve tipo de atividade que desempenha ao longo da vida e também o aparelho reprodutor. Ex: mulheres: câncer de colo uterino; homens: câncer de próstata.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Ambiente: Foco principal dos nossos estudos, podemos dizer que as características do ambiente constituem condições críticas para a expressão de um agente em uma população suscetível.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Tipos de ambientes
Como já falamos em aulas anteriores, o ambiente pode ser dividido em:
1 - Socioeconômicos
Os componentes socioeconômicos do ambiente refletem a influência do homem, a estrutura social que interage sobre o agente, o hospedeiro e a enfermidade. 
2 - Biológicos
Os componentes biológicos do ambiente são: fauna e flora. Componentes esses que merecem atenção, pois servem como fonte de alimentos, manutenção de reservatórios e vetores e também a presença de hospedeiros susceptíveis.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
3 - Físicos - Os componentes físicos do ambiente são: clima, hidrografia, topografia e o solo.
Clima - O clima sofre influência de diversas características, sendo elas: temperatura, umidade relativa do ar, chuvas e secas, ventos e correntes de ar.
Hidrografia - Trata da distribuição e curso de águas, devendo levar em consideração: utilização para bebida e irrigação, veiculação de agentes e proliferação de vetores.
Topografia - Trata das barreiras naturais (presença de serras e montanhas) e altitudes (fator limitante para o desenvolvimento de alguns artrópodes).
Solos - Devemos estar atentos a sua composição, que atua diretamente nos componentes biológicos do ambiente e também da altitude.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Como um indivíduo adoece?
O desenvolvimento de enfermidades é uma rede complexa de interações entre o agente causal, o hospedeiro susceptível e o meio ambiente.
Podemos pensar em um sistema cíclico no qual:
O agente é eliminado 
do hospedeiro 
Transferido para 
o meio
Até alcançar outro 
hospedeiro
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Ações de Enfermagem 
MEDIDAS DE CONTROLE E PREVENÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA
As ações de vigilância epidemiologia são hierarquizadas, ou seja, cada nível assume responsabilidades para com o planejamento e execução das medidas e ações a serem empreendidas.
O nível central (Governo Federal/ Ministério da Saúde) é o grande responsável pela determinação e regulamentação nacional das ações de vigilância epidemiológica. Nele, as ações são discutidas para, somente após, serem recomendadas a todos os estados da Federação. Detém as bases de dados dos sistemas de informação da vigilância epidemiológica – que reúnem todas as informações referentes à saúde e às doenças no Brasil.
Ao plano regional, correspondente aos estados da Federação (Secretarias de Estado de Saúde), cabe coordenar as ações de vigilância desenvolvidas pelos municípios, procurando estabelecer prioridades de acordo com as informações obtidas, prestando consultoria.
 
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
As centrais estaduais de regulação de transplante de órgãos são exemplo de ação de vigilância diretamente desenvolvida pelo nível de gestão regional. Por seu intermédio as secretarias estaduais de Saúde controlam o número de doadores, os pacientes para os quais o transplante é prioritário, a localização dos possíveis doadores e que hospitais dispõem de estrutura para realizar a intervenção cirúrgica necessária. Assim, é possível conhecer as necessidades relacionadas a um problema de saúde especifico e intervir diretamente sobre ele, estabelecendo uma rede de comunicação entre as unidades locais coordenadas pelas centrais.
Tema da Apresentação
Controle das doenças e características do hospedeiro - Aula 4
 ENFERMAGEM EM SAÚDE AMBIENTAL
Ao nível local, traduzido na figura do município (secretarias Municipais de Saúde) e sua região administrativa (Distritos Sanitários), cabe executar as práticas de vigilância, desenvolvendo as ações mais diretamente relacionadas aos indivíduos, por meio dos serviços assistências oferecidos. Neste nível, principalmente,