A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
AV2 DIREITO AMBIENTAL 2014.1

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fechar 
 
Avaliação: CCJ0012_AV2_201201188091 » DIREITO AMBIENTAL 
Tipo de Avaliação: AV2 
Aluno: 201201188091 - RAFAEL COSTA VINAGRE 
Professor: 
GABRIELA FRISKE 
ARNALDO GOLDEMBERG 
SILVIA MARIA DE MACEDO COSTA RODRIGUES 
Turma: 9025/AW 
Nota da Prova: 7,5 de 8,0 Nota do Trab.: 0 Nota de Partic.: 2 Data: 13/06/2014 07:54:19 
 
 
 1a Questão (Ref.: 201201366729) Pontos: 1,5 / 1,5 
Julgamento em 26/10/2010 Sexta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, EMENTA: AMBIENTAL. 
DERRAMAMENTO DE ÓLEO. RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA. AGENTE POLUIDOR. EVENTO DANOSO. NEXO 
CAUSAL. LAUDO PERICIAL. DANO AMBIENTAL INCONTROVERSO. OBRIGAÇÃO DE INDENIZAR. A despeito de 
não se encontrar minuciosamente delimitada e quantificada a extensão do dano causado ao meio ambiente, 
este restou plenamente comprovado, através da perícia judicial, consistente na poluição advinda do 
derramamento de óleo ao mar, que, indubitavelmente, gera um desequilíbrio ecológico ocasionando inúmeros 
efeitos deletérios às espécies e ao ecossistema local, assim como evidente impacto para as comunidades 
costeiras, impondo-se à apelante a obrigação de repará-lo em face da prática do evento poluidor. Diante da 
presente ementa, justifique a aplicação da responsabilidade civil objetiva e apresente o seu entendimento sobre 
a responsabilização civil objetiva do agente poluidor no caso em tela. 
 
 
 
Resposta: O poluidor pagador é a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que direta ou 
indiretamente causam um dano ambiental. Neste caso, incide a responsabilidade objetiva, pois a poluição tem 
caráter civil. 
 
 
Gabarito: Na seara ambiental, vigora a teoria da responsabilidade civil objetiva; desnecessária, portanto, a 
comprovação do dolo ou culpa para caracterização da responsabilidade civil, bastando a prova do dano e do 
nexo causal para impor ao infrator o dever de indenizar pelo dano a que deu causa. A Política Nacional do Meio 
Ambiente - Lei n. 6.938/81 criou, em seu artigo 14, § 1º, o regime da responsabilidade objetiva pelos danos 
causados ao meio ambiente, independentemente de culpa. Dessa forma, é suficiente a existência da ação lesiva, 
do dano e do nexo com a fonte poluidora ou degradadora para atribuição do dever de reparação. 
 
 
 
 2a Questão (Ref.: 201201391543) Pontos: 0,5 / 0,5 
Assinale a opção que apresenta o objetivo da proteção concedida às áreas de preservação permanente 
 
 
 
estabelecer o monopólio da tutela jurisdicional no foro local onde reside o autor do dano material às 
florestas, tratando-se de pessoa física, ou onde estiver localizada a matriz da indústria poluente, em se 
tratando de pessoa jurídica de direito privado 
 
evitar a exploração econômica das áreas de preservação permanente, bem como a especulação 
imobiliária que vem destruindo os mananciais urbanos e parques nacionais e, como isso, provocando 
alterações antrópicas na biota. 
 
e assegurar o uso econômico de modo sustentável dos recursos naturais do imóvel rural 
 preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, bem como o fluxo gênico da fauna e 
da flora, a proteção do solo e o bem-estar das populações humanas. 
 
delimitar a circunscrição onde poderá ocorrer a prisão em flagrante do autor do dano ambiental. 
 
 
 
 3a Questão (Ref.: 201201380581) Pontos: 0,5 / 0,5 
Segundo MILARÉ nem todos os ecossistemas são naturais. Há os "ecossistemas naturais e os ecossistemas 
sociais" (Milaré, Édis. Direito do Ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001, p. 64). Com tal afirmação 
MILARÉ busca explicar a relação entre o meio ambiente e o patrimônio cultural, outorgando uma visão holística 
ao conceito de meio ambiente. Assinale a opção que corresponda ao enunciado proposto: 
 
 
 Trata-se da concepção ampla segundo a qual o meio ambiente abrange toda a natureza, ou seja, o meio 
ambiente natural, formado pelo solo, água, ar, fauna e flora originais e o meio ambiente artificial, ou 
decorrente da transformação humana, formado pelas edificações, equipamentos, assentamos 
urbanísticos, culturais, ou seja, todas as construções materiais e imateriais produzidas pelo trabalho do 
homem. 
 
A visão holística constitui uma crítica ao conceito de proteção integral do meio ambiente natural e vem 
sendo aplicada unicamente como fruto de interferências humanas no meio ambiente natural submetido 
às transformações nocivas. 
 
O conceito evoca a ideia dos bens naturais, tais como as florestas, rios, solo etc. de modo que o 
ambiente pode ser visto apenas como o espaço natural que nos rodeia, nosso habitat primitivo, o espaço 
onde a vida ocorre, a esfera de convivência e o ar que respiramos. 
 
O meio ambiente juridicamente considerado é composto apenas pelos elementos naturais, constituído 
por todo o espaço de interação em que a vida acontece, nele não se compreendendo os elementos 
abstratos, culturais e históricos, por serem artificiais e fruto da criação humana. 
 
Trata-se da concepção restritiva, segundo a qual o conceito de meio ambiente não corresponde à 
totalidade do meio ambiente natural, mas apenas de suas partes isoladas, assim consideradas por seus 
ecossistemas individualizados e separados, vistos isoladamente como patrimônios distintos uns dos 
outros, que não devem se conglobar nem integrar, para evitar que haja prejuízo na manutenção da 
integridade e perpetuação ecológica de biodiversidade das espécies. 
 
 
 
 4a Questão (Ref.: 201201273315) Pontos: 1,0 / 1,0 
Analise as seguintes afirmativas. I. O princípio da reserva de Plano Diretor para tratamento de determinadas 
matérias que influem na ordenação do território urbano tem assento constitucional. II. A desapropriação-sanção 
para fins urbanísticos prevista na Constituição da República de 1988 independe de prévia instituição do IPTU 
progressivo no tempo. III. A declaração de utilidade pública para fins de desapropriação de determinado imóvel 
é motivo para a negativa de licenciamento de obra requerido pelo proprietário. IV. Após a aprovação da lei da 
operação urbana consorciada, são consideradas nulas todas as licenças expedidas em desacordo com o plano da 
operação urbana. A partir dessa análise, pode-se concluir que: 
 
 
 Apenas duas afirmativas estão corretas. 
 
Todas as afirmativas estão corretas. 
 
Apenas uma afirmativa está correta. 
 
Nenhuma das afirmativas está correta. 
 
Apenas três alternativas estão corretas. 
 
 
 
 5a Questão (Ref.: 201201271923) Pontos: 0,0 / 0,5 
Com relação aos princípios de Direito Ambiental, assinale a opção CORRETA. 
 
 
 A necessidade da educação ambiental é princípio consagrado pelas Nações Unidas e pelo ordenamento 
jurídico brasileiro, e, nesse sentido, a CF determina ao poder público a incumbência de promover a 
educação ambiental em todos os níveis de ensino. 
 
O princípio da biodiversidade estabelece critérios de precaução conforme suas capacidades. 
 Em face do princípio da precaução, o licenciamento, por órgão ambiental, para a construção, instalação e 
funcionamento de estabelecimentos utilizadores de recursos ambientais é exação discricionária do poder 
público, cabendo a este, a seu critério, enumerar as atividades potencialmente poluidoras e capazes de 
causar degradação ao ambiente. 
 
Na órbita repressiva do princípio do poluidor-pagador, incide a responsabilidade subjetiva caso a sanção 
resultante da poluição tenha caráter civil, penal ou administrativo. 
 
Considerado o princípio do poluidor-pagador, o conceito do termo poluidor restringe-se ao autor direto do 
dano ambiental, e não, àqueles que, de forma indireta, tenham contribuído para a prática do dano. 
 
 
 
 6a Questão (Ref.: 201201272308) Pontos: 0,5 / 0,5 
Segundo a Constituição brasileira,