A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Av3

Pré-visualização | Página 1 de 2

Avaliação: CCE0055_AV3_201307242421 » FILOSOFIA E ÉTICA 
Tipo de Avaliação: AV3 
Aluno: 201307242421 - ANDRE LUIZ SOARES DE SANTANA 
Professor: 
LUCIO GUIMARAES DE ALMEIDA 
JOSE GUATEMOZIN LOPES DA SILVA 
Turma: 9007/BA 
Nota da Prova: 8,0 de 10,0 Nota do Trab.: 0 Nota de Partic.: 0 Data: 05/07/2014 07:29:15 
 
 
 1a Questão (Ref.: 201307494190) Pontos: 1,0 / 1,0 
SEGUNDO ARISTÓTELES, A ÉTICA FOCALIZA OS SEGUINTES TEMAS NA INVESTIGAÇÃO DO COMPORTAMENTO MORAL: 
 
 
O BEM, O PODER E A FELICIDADE. 
 
A POLÍTICA, O BEM A FELICIDADE. 
 
A POLÍTICA, O PODER E A VIRTUDE. 
 
O PODER, O BEM E A VIRTUDE. 
 
O BEM, A FELICIDADE E A VIRTUDE. 
 
 
 
 2a Questão (Ref.: 201307395655) Pontos: 0,0 / 1,0 
A aceitação de um modelo "normal" faz com os indivíduos sejam agentes que exigem para si e para os outros a adequação das normas 
de uma sociedade disciplinar. Essas relações de poder se fazem nos indivíduos, através do corpo, em seus sentimentos e 
comportamentos e é descrita por: 
 
 
Friedrich Nietzsche, em Genealogia da moral: "A disciplina fabrica corpos submissos e adestrados, corpos dóceis. A disciplina 
aumenta as forças do corpo ( em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos da 
obediência)." 
 
Edmund Husserl, em Investigações Lógicas: "A disciplina fabrica corpos submissos e adestrados, corpos dóceis. A disciplina 
aumenta as forças do corpo ( em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos da 
obediência)." 
 
Jean Paul Sartre, em A Náusea: "A disciplina fabrica corpos submissos e adestrados, corpos dóceis. A disciplina aumenta as 
forças do corpo ( em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos da obediência)." 
 
Karl Marx, em O Capital: "A disciplina fabrica corpos submissos e adestrados, corpos dóceis. A disciplina aumenta as forças do 
corpo ( em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos da obediência)." 
 
Michel Foucault, em Vigiar e Punir: "A disciplina fabrica corpos submissos e adestrados, corpos dóceis. A disciplina aumenta as 
forças do corpo ( em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos da obediência)." 
 
 
 
 3a Questão (Ref.: 201307497166) Pontos: 1,0 / 1,0 
Como devemos agir diante de situações que envolvam e afetem pessoas de nosso círculo de amizade? 
 
 
Procurar preservar o círculo de amizade mesmo que contrarie os valores contemplados 
 
Não interferir no andamento do caso mantendo-se alheio aos acontecimentos 
 
Tomar uma medida para preservar os laços afetivos com o grupo de amigos 
 
Ser consciente do dever segundo os valores contemplados pela sociedade contemporânea 
 
Buscar uma solução apaziguadora que não destrua o ciclo de amizade 
 
 
 
 4a Questão (Ref.: 201307499578) Pontos: 1,0 / 1,0 
No sistema feudal dominante na Idade Média surgem duas classes sociais que marcam o sistema feudal. Qual são elas? 
 
 
Clero e camponeses 
 
Senhores e servos 
 
Senhores e escravos 
 
Burgueses e capitalistas 
 
Clero e burgueses 
 
 
 
 5a Questão (Ref.: 201307395597) Pontos: 1,0 / 1,0 
O retrato que a história da Filosofia possui de Sócrates foi traçado por seu mais importante aluno e discípulo, o filósofo ateniense: 
 
 
Aristóteles. 
 
Platão. 
 
Pirro. 
 
Parmênides. 
 
Heráclito. 
 
 
 
 6a Questão (Ref.: 201307403851) Pontos: 1,0 / 1,0 
- Para o determinismo: 
 
 
Tudo que existe no mundo tem necessariamente uma causa 
 
Algumas coisas que existem no mundo têm causas 
 
Nem tudo que existe no mundo tem uma causa 
 
Algumas coisas que existem no mundo não tem causas 
 
A existência independe de uma causa, ela pode surgir repentinamente do nada 
 
 
 
 7a Questão (Ref.: 201307505705) Pontos: 1,0 / 1,0 
O determinismo moral afirma que 
 
 
A ação humana não é determinada por causas naturais. 
 
Os atos são livres, quer dizer, dependem somente do agente. 
 
A responsabilidade moral é um aspecto essencial do ato moral. 
 
O homem pode livremente escolher a sua ação. 
 
Não há sentido falar da responsabilidade moral. 
 
 
 
 8a Questão (Ref.: 201307413263) Pontos: 0,0 / 1,0 
Sem dúvida, a religião, as tradições e os mitos explicavam as coisas que se tornariam objetos científicos, mas suas explicações já não 
satisfaziam aos filósofos. O que os filósofos observavam? 
 
 
narra ou uma guerra entre as forças divinas, ou uma aliança entre elas para provocar alguma coisa no mundo dos homens. 
 
a mudança, a permanência, a repetição, a desaparição e o ressurgimento de todos os seres. 
 
narra a origem das coisas por meio de lutas, alianças e relações sexuais entre forças sobrenaturais que governam o mundo e o 
destino dos homens. 
 
a origem das coisas por meio de lutas, alianças e relações sexuais entre forças sobrenaturais que governam o mundo e o 
destino dos homens. 
 
a narração da origem é, assim, uma genealogia, isto é, narrativa da geração dos seres, das coisas, das qualidades, por outros 
seres, que são seus pais ou antepassados. 
 
 
 
 9a Questão (Ref.: 201307395797) Pontos: 1,0 / 1,0 
Princípios da ética cristã (período Patrística a Medieval) I- em primeiro lugar, a idéia de que a virtude se define por nossa relação com 
Deus e não com a cidade (a polis) nem com os outros. Nossa relação com os outros depende da qualidade de nossa relação com Deus, 
único mediador entre cada indivíduo e os demais. Por esse motivo, as duas virtudes cristãs primeiras e condições de todas as outras são 
a fé (qualidade da relação de nossa alma com Deus) e a caridade (o amor aos outros e a responsabilidade pela salvação dos outros, 
conforme exige a fé). As duas virtudes são privadas, isto é, são relações do indivíduo com Deus e com os outros, a partir da intimidade 
e da interioridade de cada um; II- em segundo lugar, a afirmação de que somos dotados de vontade livre ¿ ou livre-arbítrio ¿ e que o 
primeiro impulso de nossa liberdade dirige-se para o mal e para o pecado, isto é, para a transgressão das leis divinas. Somos seres 
fracos, pecadores, divididos entre o bem (obediência a Deus) e o mal (submissão à tentação demoníaca). Em outras palavras, enquanto 
para os filósofos antigos a vontade era uma faculdade racional capaz de dominar e controlar a desmesura passional de nossos apetites e 
desejos, havendo, portanto, uma força interior (a vontade consciente) que nos tornava morais, para o cristianismo, a própria vontade 
está pervertida pelo pecado e precisamos do auxílio divino para nos tornarmos morais. Qual o auxílio divino sem o qual a vida ética 
seria impossível? A lei divina revelada, que devemos obedecer obrigatoriamente e sem exceção. III- O cristianismo, portanto, passa a 
considerar que o ser humano é, em si mesmo e por si mesmo, incapaz de realizar o bem e as virtudes. Tal concepção leva a introduzir 
uma nova idéia na moral: a idéia do dever. Portanto, o cristianismo introduz a ideia de interioridade e de dever. 
 
 
Somente a alternativa III está correta; 
 
Somente a alternativa II está correta; 
 
Todas as aletrnativas estão corretas. 
 
Somente a alternativa I está correta; 
 
Somente a alternativa I e III está correta; 
 
 
 
 10a Questão (Ref.: 201307499768) Pontos: 1,0 / 1,0 
Qual o sentido da deontologia contemporânea? 
 
A consciência do dever 
 
A necessidade de especulação 
 
A busca dos fins desejados 
 
A satisfação de