A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
75 pág.
nr_12

Pré-visualização | Página 11 de 30

Em adição, a seção de 15 mm (quinze 
milímetros) de espessura do gabarito de teste deve passar entre as ferramentas.
c) Teste 3: a seção de 35 mm (trinta e cinco milímetros) de espessura do gabarito de teste colocado sobre a matriz - 
parte inferior da ferramenta - não deve ser tocada durante o curso de alta velocidade de descida do martelo.
Figura 3 — Gabarito de teste
Legenda:
1: alça
2. Nas dobradeiras hidráulicas providas de AOPD laser que utilizem pedal para acionamento de descida, este deve ser de 
segurança e possuir as seguintes posições:
a) 1ª (primeira) posição = parar;
b) 2ª (segunda) posição = operar; e
c) 3ª (terceira) posição = parar em caso de emergência.
2.1. A abertura da ferramenta pode ser ativada, desde que controlado o risco de queda do produto em processo, com o 
acionamento do pedal para a 3ª (terceira) posição ou liberando-o para a 1ª (primeira) posição.
2.2. Após o acionamento do atuador até a 3ª (terceira) posição, o reinício somente será possível com seu retorno para a 
1ª (primeira) posição. A 3ª (terceira) posição só pode ser acionada passando por um ponto de pressão; a força requerida 
não deve exceder 350 N (trezentos e cinquentaNewtons). 
Fonte: EN12622 - Safety of machine tools – Hydraulic press brackes
ANEXO II
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA CAPACITAÇÃO.
1. A capacitação para operação segura de máquinas deve abranger as etapas teórica e prática, a fim de permitir 
habilitação adequada do operador para trabalho seguro, contendo no mínimo:
a) descrição e identificação dos riscos associados com cada máquina e equipamento e as proteções específicas contra 
cada um deles;
b) funcionamento das proteções; como e por que devem ser usadas;
c) como e em que circunstâncias uma proteção pode ser removida, e por quem, sendo na maioria dos casos, somente o 
pessoal de inspeção ou manutenção;
d) o que fazer, por exemplo, contatar o supervisor, se uma proteção foi danificada ou se perdeu sua função, deixando 
de garantir uma segurança adequada;
e) os princípios de segurança na utilização da máquina ou equipamento;
f) segurança para riscos mecânicos, elétricos e outros relevantes;
g) método de trabalho seguro;
h) permissão de trabalho; e
i) sistema de bloqueio de funcionamento da máquina e equipamento durante operações de inspeção, limpeza, 
lubrificação e manutenção.
1.1. A capacitação de operadores de máquinas automotrizes ou autopropelidas, deve ser constituída das etapas teórica e 
prática e possuir o conteúdo programático mínimo descrito nas alíneas do item 1 deste anexo e ainda:
a) noções sobre legislação de trânsito e de legislação de segurança e saúde no trabalho;
b) noções sobre acidentes e doenças decorrentes da exposição aos riscos existentes na máquina, equipamentos e 
implementos;
c) medidas de controle dos riscos: EPC e EPI;
d) operação com segurança da máquina ou equipamento;
e) inspeção, regulagem e manutenção com segurança;
f) sinalização de segurança;
g) procedimentos em situação de emergência; e
h) noções sobre prestação de primeiros socorros.
1.1.1. A etapa prática deve ser supervisionada e documentada, podendo ser realizada na própria máquina que será 
operada.
ANEXO III
MEIOS DE ACESSO PERMANENTES 
Figura 1: Escolha dos meios de acesso conforme a inclinação - ângulo de lance.
Legenda:
A: rampa.
B: rampa com peças transversais para evitar o escorregamento.
C: escada com espelho.
D: escada sem espelho.
E: escada do tipo marinheiro.
Fonte: EN 14122 – Segurança de Máquinas – Meios de aceso permanentes às máquinas.
Figura 2: Exemplo de escada sem espelho.
Legenda:
w: largura da escada
h: altura entre degraus
r : projeção entre degraus
g : profundidade livre do degrau
α : inclinação da escada - ângulo de lance
l : comprimento da plataforma de descanso
H: altura da escada
t: profundidade total do degrau
Fonte: EN 14122 – Segurança de Máquinas – Meios de aceso permanentes às máquinas.
Figura 3: Exemplo de escada fixa do tipo marinheiro.
Fonte: EN 14122 – Segurança de Máquinas – Meios de aceso permanentes às máquinas.
Figura 4: Exemplo de detalhe da gaiola da escada fixa do tipo marinheiro.
Fonte: EN 14122 – Segurança de Máquinas – Meios de acesso permanentes às máquinas.
Figura 5: Sistema de proteção contra quedas em plataforma. (dimensões em milímetros)
Legenda:
H: altura barra superior, entre 1000 mm (mil milímetros) e 1100 mm (mil e cem milímetros)
1: plataforma
2 : barra-rodapé
3 : barra intermediária
4 : barra superior corrimão
ANEXO IV
 GLOSSÁRIO
Ação positiva: quando um componente mecânico móvel inevitavelmente move outro componente consigo, por contato 
direto ou através de elementos rígidos, o segundo componente é dito como atuado em modo positivo, ou positivamente, 
pelo primeiro.
Adubadora automotriz: máquina destinada à aplicação de fertilizante sólido granulado e desenvolvida para o setor 
canavieiro.
Adubadora tracionada: implemento agrícola que, quando acoplado a um trator agrícola, pode realizar a operação de 
aplicar fertilizantes sólidos granulados ou em pó.
Amaciador de bifes: máquina com dois ou mais cilindros dentados paralelos tracionados que giram em sentido de 
rotação inversa, por onde são passadas peças de bife pré-cortadas. É composto por: estrutura, bocal de alimentação, 
cilindros tracionados dentados e área de descarga. A operação de amaciamento consiste na introdução do bife pelo 
bocal, passando-o por entre os cilindros dentados, sendo recolhido na área de descarga.
Amassadeira: máquina concebida para uso industrial ou comercial destinada a obter uma mistura homogênea para 
massas alimentícias. Composição básica: estrutura, acionamento, batedor, bacia e proteções. Para seu funcionamento, o 
sistema de acionamento transmite potência para o batedor, que realiza movimento de rotação sem movimento de 
translação, fazendo-o girar e misturar os ingredientes para produção da massa. O sistema de acionamento pode transmitir 
potência para o batedor e para a bacia simultaneamente, mantendo ambos em movimento de rotação. Em certos casos a 
bacia gira pela ação mecânica do batedor sobre a massa. Tanto o batedor quanto a bacia podem ter velocidade de rotação 
contínua ou variável. 
Ângulo de lance: ângulo formado entre a inclinação do meio de acesso e o plano horizontal. 
AOPD (Active Opto-electronic Protective Device): dispositivo com função de detectar interrupção da emissão óptica 
por um objeto opaco presente na zona de detecção especificada, como cortina de luz, detector de presença laser 
múltiplos feixes, monitor de área a laser, fotocélulas de segurança para controle de acesso. Sua função é realizada por 
elementos sensores e receptores optoeletrônicos.
Assento instrucional: assento de máquina autopropelida projetado para fins exclusivamente instrucionais.
Autoteste: teste funcional executado automaticamente pelo próprio dispositivo, na inicialização do sistema e durante 
determinados períodos, para verificação de falhas e defeitos, levando o dispositivo para uma condição segura.
Baixa velocidade ou velocidade reduzida: velocidade inferior à de operação, compatível com o trabalho seguro.
Balancim de braço móvel manual - balancim jacaré: máquina destinada ao corte de couro e materiais similares, 
operada por um trabalhador, dotada de uma superfície de corte não móvel correspondente à área útil total disponível e de 
um braço que contém a superfície de impacto móvel, ou seja, base prensora, que é capaz de se deslocar em um 
movimento de arco horizontal sobre a superfície de corte.
Balancim tipo ponte manual - balancim ponte: máquina destinada ao corte de couro e materiais similares, operada por 
um trabalhador, na qual a superfície de impacto fica conectada ou presa à ponte que se desloca horizontal