A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
117 pág.
Apostila Direito das Obrigações - UGF[1]

Pré-visualização | Página 16 de 22

de Montréal, 1970. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
76 
BETTI, Emilio. Teoria generale delle obbligazioni. Milano: Giuffrè, 1953. 
BEVILÁQUA, Clóvis. Código Civil comentado. Rio: Editora Rio, 1976. 
BONAZZOLA, Júlio Cesar. Fuentes de las obligaciones, el empobrecimiento sin 
causa, la voluntad jurigena. Buenos Aires: Editorial Perrot, 1955. 
BORDA, Guillermo A. Manual de obligaciones. Buenos Aires: Editorial Perrot, 
s/d. 
CARBONNIER, Jean. Droit civil – Les obligations. Paris: Presses Universitaires 
de France, 1979. 
CHAVES, Antônio. Lições de direito civil: direito das obrigações. São Paulo: 
José Bushatsky/EDUSP, 1973. 
–———. Tratado de direito civil: obrigações. São Paulo: RT, 1984, v. 2, t. 1. 
COMPARATO, Fábio Konder. Obrigações de meios, de resultado e de garantia. 
Verbete in Enciclopédia Saraiva do Direito. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 55. 
CORDOBA, Alberto Brenes. Tratado de las obligaciones. San José, Costa Rica: 
Editorial Juricentro, 1977. 
COSTA, Mario Julio de Almeida. Direito das Obrigações. Coimbra: Atlântica, 
1968. 
DEMOGUE, René. Traité des obligations en général. Paris: Arthur Rousseau, 
1925. 
DIAS, José de Aguiar. Cláusula de não-indenizar. Rio de Janeiro: Forense, 
1980. 
ENNECCERUS, Ludwig, KIPP, Theodor, WOLFF, Martin. Derecho de 
obligaciones. In Tratado de Derecho Civil. Barcelona: Bosch Casa Editorial, 
1947, v. 1, t. 2. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
77 
FARIA, Werter R. Mora do devedor. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 
1981. 
FERRARA, Luigi Cariota. Il negozio giuridico. Napoli: Morano, s.d. 
FERREIRA, José G. do Valle. Enriquecimento sem causa. Belo Horizonte: 
Editora Bernardo Álvares, 1950. 
FOIGNET, M. René. Le droit romain des obligations. Paris: Librairie Arthur 
Rousseau, 1934. 
FRANÇA, Rubens Limongi. Manual de Direito Civil. São Paulo: RT, 1975, v. 4, I, 
―Doutrina geral das obrigações‖. 
GAUDEMET, Eugène e outros. Théorie générale des obligations. Paris: Sirey, 
1965. 
GHESTIN, Jacques. Traité de Droit Civil – Les obligations. Paris: Librairie 
Générale, 1980. 
GIFFARD, A. E., VILLERS, Robert. Droit romain et ancien droit français, les 
obligaations. Paris: Dalloz, 1976. 
GIL, Antonio Hernandez. Derecho de obligaciones. Madrid: Rivadeneyra, 1960. 
GIORGI, Giorgio. Teoria delle obbligazioni nel diritto moderno italiano. Firenze: 
Fratelli Commelli, 1892. 
GOMES, Orlando. Obrigações. Rio de Janeiro: Forense, 1976. 
–———. Transformações gerais do Direito das Obrigações. São Paulo: RT, 
1968. 
LARENZ, Karl. Derecho de obligaciones. Trad., Madrid: Rev. de Derecho 
Privado, 1959. 
LONGO, G. Diritto delle obbligazioni. Torino: Torinese, 1950. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
78 
LOPES, Miguel Maria de Serpa. Curso de Direito Civil. Rio de Janeiro: Freitas 
Bastos, 1966, v. II, ―Obrigações em geral‖. 
MAIA, Paulo Carneiro. Obrigação propter rem. Verbete in Enciclopédia Saraiva 
do Direito. São Paulo: Saraiva, 1980, v. 55. 
MALUF, Carlos Alberto Dabus. A transação no direito civil. São Paulo: Saraiva, 
1985. 
MARTY, Gabriel e RAYNAULD, Pierre. Les obligations. Paris: Sirey, 1962. 
MAZEAUD, Henri e LEON, Jean. Leçons de Droit Civil. Paris: Montchrestien, 
1978, ―Obligations‖. 
MESSINEO, Francesco. Il contratto in genere. Milano: Giuffrè, 1972. 
MIRANDA, F.C. Pontes de. Tratado de Direito Privado. Rio: Borsoi, 1972, v. 22 
e segs., ―Direito das Obrigações‖. 
MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil. São Paulo: Saraiva, 
1977, v. 4, ―Direito das Obrigações‖. 
MOZOS, D. José Luis de los. Obligación real. Verbete in Nueva Enciclopedia 
Jurídica. Barcelona: Editorial Francisco Seix S.A., 1982, v. 17. 
NOGUEIRA, Rodrigo. Estudio de las obligaciones naturales. Bogotá: Editorial 
Temis Libreria, 1980. 
NONATO, Orozimbo. Curso de obrigações. Rio de Janeiro: Forense, 1959. 
PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de Direito Civil. Rio de Janeiro: 
Forense, 1981, ―Teoria Geral de Obrigações‖. 
PONT, Manuel Broseta. La empresa, la unificación de obligaciones y el Derecho 
mercantil. Madrid: Tecnos, 1965. 
RIPERT, Louis Marie Georges. La règle morale dans les obligations. Paris: 
Librairie Générale, 1949. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
79 
RODRIGUES, Sílvio. Curso de Direito Civil. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 2, 
―Parte Geral das Obrigações‖. 
RUGGIERO, Roberto de. Instituições de Direito Civil. Trad., São Paulo: Saraiva, 
1971, ―Direito das Obrigações‖. 
SALVAT, Raymundo M. Tratado de Derecho Civil argentino. Buenos Aires: 
Tipográfica Argentina, 1958, ―Direito das Obrigações‖. 
STARCK, Boris. Droit Civil – Obligations. Paris: Librairies Techniques, 1972. 
TANDOGAN, Haluk. Théorie générale des obligations. Genève: Librairie de 
l’Université, 1972. 
TELES, Inocêncio Galvão. Direito das obrigações. Coimbra: Coimbra Editora, 
1982. 
THUR, A. Von. Tratado de las obligaciones. Madrid: Editorial Reus S.A., 1934. 
TOBEÑAS, José Castan. Derecho Civil español – Derecho de obligaciones. 
Madrid: Reus, 1974. 
VARELA, Antunes. Direito das obrigações. Rio de Janeiro: Forense, 1977. 
VARELLA, João de Matos Antunes. Das obrigações em geral. Coimbra: 
Almedina, 1974. 
WALD, Arnoldo. Obrigações e contratos. São Paulo: RT, 1979. 
WEILL, Alex e TERRÉ, François. Les obligations. Paris: Dalloz, 1975. 
WESTERMANN, Harm Peter. Código civil alemão: direito das obrigações parte 
geral. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1983. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
80 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ANEXOS 
 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
81 
P A R T E E S P E C I A L 
LIVRO I 
DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 
TÍTULO I 
DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES 
CAPÍTULO I 
DAS OBRIGAÇÕES DE DAR 
Seção I 
Das Obrigações de Dar Coisa Certa 
 
Art. 233. A obrigação de dar coisa certa abrange os acessórios dela embora não 
mencionados, salvo se o contrário resultar do título ou das circunstâncias do caso. 
 
Art. 234. Se, no caso do artigo antecedente, a coisa se perder, sem culpa do 
devedor, antes da tradição, ou pendente a condição suspensiva, fica resolvida a 
obrigação para ambas as partes; se a perda resultar de culpa do devedor, 
responderá este pelo equivalente e mais perdas e danos. 
 
Art. 235. Deteriorada a coisa, não sendo o devedor culpado, poderá o credor 
resolver a obrigação, ou aceitar a coisa, abatido de seu preço o valor que perdeu. 
 
Art. 236. Sendo culpado o devedor, poderá o credor exigir o equivalente, ou 
aceitar a coisa no estado em que se acha, com direito a reclamar, em um ou em 
outro caso, indenização das perdas e danos. 
 
Professor Marcio Rodrigues Oliveira – Disciplina: Direito das Obrigações 
 
82 
Art. 237. Até a tradição pertence ao devedor a coisa, com os seus melhoramentos 
e acrescidos, pelos quais poderá exigir aumento no preço; se o credor não anuir, 
poderá o devedor resolver a obrigação. 
Parágrafo único. Os frutos percebidos são do devedor, cabendo ao credor os 
pendentes. 
 
Art. 238. Se a obrigação for de restituir coisa certa, e esta, sem culpa do devedor, 
se perder antes da tradição, sofrerá o credor a perda, e a obrigação se resolverá, 
ressalvados os seus direitos até o dia da perda. 
 
Art. 239. Se a coisa se perder por culpa do devedor, responderá este pelo 
equivalente, mais perdas e danos. 
 
Art. 240. Se a coisa restituível se deteriorar