A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Material distribuiçao fisica 20132

Pré-visualização | Página 1 de 2

Distribuição Física.
Professor Flávio Isidoro.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
1
fisidoro@ig.com.br
Conceito de Distribuição:
Distribuição é um dos processos da logística responsável pela administração dos materiais a partir da saída do produto da linha de produção até a entrega do produto no destino final (Kapoor et al., 2004, p. 2). Após o produto pronto ele tipicamente é encaminhado ao distribuidor. O distribuidor por sua vez vende o produto para um varejista e em seguida aos consumidores finais. Este é o processo mais comum de distribuição, porém dentro desse contexto existe uma série de variáveis e decisões de trade off a serem tomadas pelo profissional de logística.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
2
COMPONENTES DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
3
A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes,
físicos ou informacionais, a saber:
• instalações fixas (centros de distribuição, armazéns);
• estoque de produtos;
• veículos;
• informações diversas;
• hardware e software diversos;
• custos;
• pessoal.
Funções básicas para um canal de distribuição.
Indução da demanda.
Satisfação da demanda.
Serviços de pós venda.
Troca de informações.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
4
Objetivos e funções dos canais de distribuição.
Garantir a rápida disponibilidade do produto nos seguimentos do mercado identificados como prioritários.
Intensificar ao máximo o potencial de vendas do produto.
Gerar cooperação entre membros da cadeia de suprimentos. Trabalhar lote mínimo para pedido como exemplo. 
Garantir um nível de serviço preestabelecido pelos parceiros.
Garantir um fluxo de informações rápido e preciso.
Buscar a redução de custo.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
5
Ciclo básico da distribuição física.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
6
Esquema básico de um centro de distribuição.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
7
Interior de um CD.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
8
Canais verticais.
Visão tradicionalista com estruturas mercadológicas verticais.
Transferência de responsabilidade de seguimento a seguimento da cadeia de suprimentos.
	Manufatura	Atacadista	Varejo 		Consumidor
Os estoques nos diversos segmentos tem a função de pulmão.
O varejista que interpreta a vontade do consumidor.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
9
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
10
Evolução da distribuição.
Com o avanço dos sistemas de informação da década de 1990, a manufatura e distribuição de produtos sofreram grandes mudanças.
Pedidos menores com prazos de atendimento menor.
Produção em lotes menores sem onerar custos.
Relação direta entre fabricante e consumidor final.
A escolha do canal de distribuição é parte da estratégia de competição de uma organização. 
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
11
Canais Híbridos.
Formação de parcerias entre fabricantes e distribuidores. Como profundo conhecedor dos produtos o fabricante realiza as vendas destinadas aos grandes clientes e repassa o processamento das solicitações de entregas ao distribuidor escolhido pelo cliente.
O fabricante se encarrega do serviço pós venda.
O distribuidor recebe uma compensação financeira pela participação no processo.
Risco: o distribuidor poderá trabalhar para empresas distintas com interesse comum.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
12
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
13
Canais múltiplos.
Buscar melhor resultado para cadeia de suprimentos.
Trabalhar o consumidor de acordo com seu perfil.
Formação de área cinzenta do mercado consumidor.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
14
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
15
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
16
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
17
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
18
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
19
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
20
Propriedades dos canais de distribuição.
Extensão: está ligada ao numero de níveis intermediários na cadeia de suprimentos. Cada patamar de intermediação na cadeia forma um nível do canal.
O canal de nível zero não possui intermediários, o fabricante vende direto ao consumidor final.
Distribuição exclusiva: uma empresa atuando em cada região.
Distribuição seletiva : existe mais do que uma empresa.
Distribuição intensiva : Maior numero possível de revendedores. 
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
21
Encurtando os canais de distribuição.
A revolução da TI tornando possível o avanço do comercio eletrônico tornou viável a redução de níveis de canais de distribuição.
Fabricantes abrem mão de utilizar distribuidores e de atacadistas para atingir mercados geograficamente mais distantes.
Problemas na mudança de vários canais de distribuição para um numero menor.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
22
Tipos de intermediários de canal de distribuição
Comerciantes – Atacadistas e varejistas, são os que compram e vendem.
Representantes – Corretores e representantes comerciais, buscam clientes, mas não possuem posse do produto.
Facilitador – Transportadoras, armazéns, bancos e outros prestadores que não negociam, mas facilitam a distribuição.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
23
A distribuição é divida em outros sub-processos tais como:
Movimentação da linha de produção;
Expedição;
Gestão de estoques;
Gestão de transportes;
Logística reversa (reciclagem e devolução).
Logistica de transportes agrários
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
24
Canal direto
Canal direto – circuito em que não existem intermediários, isto é, o produto transita directamente do produtor para o consumidor final. Têm a vantagem de ser completamente controlados pelos produtores e de proporcionarem um melhor conhecimento do mercado; por outro lado, têm o inconveniente de não permitirem uma grande dispersão geográfica.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
25
Canal Curto
Canal Curto – Circuito em que não existem grossistas, isto é, o produto transita do produtor para um retalhista, ou número reduzido de retalhistas. Os circuitos curtos permitem uma melhor cobertura do mercado; contudo, requerem uma rede de intermediários que, embora pequena, faz com que a empresa possa ficar dependente destes e perder o controlo do Circuito
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
26
Canal Longo
Canal Longo – Circuito em que intervém o grossista e eventualmente outros intermediários tais como o importador ou o agente. Estes canais são utilizados preferencialmente para produtos de grande consumo e requerem reabastecimentos frequentes dos intermediários. Possibilitam um alcance geográfico amplo, mas a gestão das relações internas do Circuito é mais trabalhosa e complexa.
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
27
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
28
Como alcançar o mercado com e sem intermediários
Vendas Diretas
Produtores
Varejistas 
40 Linhas de Contato
Venda por meio de um atacadista
Atacadistas
28 Linhas de Contato
Produtores
Varejistas 
14 Linhas de Contato
Produtores
Varejistas 
Atacadistas
Venda por meio de dois atacadistas
Escolha de intermediários
Distribuição física: Professor Flávio Isidoro da Silva.
30
A escolha de intermediário é fundamental, caso a empresa opte por uma modalidade que os compreenda. Há diversos critérios pelos quais as empresas devem se orientar aquando a escolha de um intermediário, nomeadamente a imagem e posicionamento do intermediário