A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
O JOGO DE AREIA UM ESTUDO SOBRE INDICADORES DE

Pré-visualização | Página 3 de 4

que a sessão duraria 50 minutos e 
considerou-se que tempos de realização abaixo de 17 minutos – 
média dos tempos – como tempo total reduzido. 
Os indicadores expressos na cena foram: criação de barreiras, 
preocupação estética, invasão de conteúdos e desorganização. A 
criação de barreira foi verificada na forma de miniaturas formando 
um cercado em volta de outras miniaturas, situação na qual os 
pesquisadores ficaram impossibilitados de observar a confecção da 
cena em sua totalidade. As barreiras abriam-se em direção aos 
colaboradores fechando-se em direção aos pesquisadores. Pode-se 
levantar a hipótese que criação de barreiras entre o pesquisador e o 
colaborador seja uma expressão da necessidade inconsciente de 
proteção dos conteúdos projetados. Simbolicamente, a barreia 
apresenta-se como uma reserva sagrada, local intransponível 
proibido a todos, exceto ao iniciado (Chevalier, 1999). 
O jogo de areia: um estudo sobre indicadores de resistência ao instrumento 
 
Boletim de Iniciação Científica em Psicologia – 2001, 2(1): 92-104 100 
A preocupação estética foi configurada pela tentativa do 
colaborador em expressar suas fantasias por meio de um padrão 
estético muito evidenciado. Ao organizar a cena para que ela fique 
“apresentável” ou “bonita” para o outro ver, ocorre um controle da 
expressão. Fierz (1988) afirma que a dificuldade do paciente em 
relatar seus sonhos ou fantasias de maneira natural, prendendo-se 
ao aspecto estético da imagem, pode dificultar a intervenção do 
psicoterapeuta. 
A invasão de conteúdos na cena pode ser comparada ao 
excesso de verbalização durante uma sessão. Ao preencher a caixa 
de miniaturas como se fosse necessário preencher todos os espaços 
livres, o colaborador sobrecarrega a percepção do terapeuta que pode 
ficar paralisado frente ao excesso de informações. 
Em decorrência da invasão de conteúdo, a constituição da cena 
também parece ser dificultada prevalecendo a desorganização da 
mesma. Considerou-se cenas com pouca organização as que foram 
construídas com muitas miniaturas sem a presença de uma estrutura 
e integração entre as mesmas que permitisse a configuração de uma 
história. 
Observou-se que tanto nos colaboradores do sexo feminino 
como do masculino os indicadores comportamentais foram mais 
freqüentes do que os expressos na representação na cena. 
 
 
 
 
 
 
 
 
TABELA DE FREQÜÊNCIA DOS INDICADORES 
Melissa Migliori Machado; Rodrigo Manoel Giovanetti; Simone Correa Silva; Paulo Afranio 
Sant’anna 
Boletim de Iniciação Científica em Psicologia – 2001, 2(1): 92-104 101 
Psicologi
a 
Engenha
ria 
Direito 
Total 
indic. 
Indicadores 
Fem
. 
Mas
c. 
Fem
. 
Mas
c. 
Fem
. 
Mas
c. 
Fem
. 
Mas
c. 
Descrição da cena 2 2 2 3 1 3 5 8 
Não tocar na areia 1 1 2 3 3 0 6 4 
Excesso de 
verbalização 
2 0 1 3 1 1 4 4 
Tempo total 
reduzido 
0 1 0 2 2 1 2 4 
Criação de barreira 2 2 1 3 1 0 4 5 
Invasão de 
conteúdos 
2 0 0 1 0 0 2 1 
Preocupação 
estética 
0 0 2 1 0 0 2 1 
Desorganização 1 0 0 0 0 0 1 0 
Total 10 6 8 16 8 5 26 27 
 
 Indicadores expressos no comportamento 
 Indicadores expressos na representação da cena 
 
Considerações finais: 
Apesar da ocorrência de indicadores de resistência nenhum 
colaborador deixou de fazer a cena como solicitada, oferecendo 
material para que o pesquisador verificasse dados sobre a dinâmica 
psíquica dos mesmos. Esse resultado sugere que tanto as resistências 
como as características do instrumento não constituíram fatores 
impeditivos para a aplicação do jogo de areia, o que contribui com a 
hipótese de que este pode ser utilizado com êxito nos procedimentos 
da clínica escola. 
Em função desse resultado levanta-se outra hipótese: que a 
resistência observada esteja mais relacionada à situação de avaliação 
O jogo de areia: um estudo sobre indicadores de resistência ao instrumento 
 
Boletim de Iniciação Científica em Psicologia – 2001, 2(1): 92-104 102 
e a falta de vínculo entre o pesquisador e colaboradores do que ao 
instrumento em si. Em relação à situação de avaliação, o fato dos 
estudantes de psicologia terem familiaridade com instrumentos de 
avaliação psicológia, pode ter contribuído para a elevada frequência 
de indicadores nesse grupo. A falta de vínculo terapêutico também 
deve ser considerada com uma possível variável presente em todos 
os grupos. 
O grupo que apresentou maior índice de resistência foi o de 
estudantes de engenharia, o que sugere que o perfil racional e prático 
do engenheiro seja um fator de interferência no uso de técnicas 
clínicas, cuja modalidade de expressão e reflexão ocorre 
predominantemente no plano não-verbal e emocional. 
Em termos de frequência não foi observada uma diferença 
significativa entre homens e mulheres, quando considerados os dados 
na totalidade da amostra. Porém se comparados entre si, destaca-se 
a ocorrência de maior resistência entre mulheres no grupo de 
psicólogos, o que difere dos outros grupos. Levanta-se a hipótese que 
por ser seu campo de estudo, os estudantes homens tenham mantido 
um distanciamento técnico em relação ao exercício proposto o que 
favoreceu uma aproximação menos ansiosa do jogo. 
Jung (apud Withmont, 1969) afirma que a psique do homem 
está mais orientada para a objetividade dos fatos e para a razão em 
detrimento do envolvimento afetivo emocional, mais característico da 
orientação psíquica das mulheres. Nesse caso o fato das mulheres se 
envolverem mais afetivamente com suas atividades, aumentaria a 
tendência da constelação de conteúdos emocionais no jogo de areia, 
o que parcialmente poderia justificar a maior frequência de 
indicadores de resistência. Já os homens, por terem uma orientação 
mais racional e objetiva, tenderiam a permanecer distanciados 
emocionalmente realizando a atividade solicitada com uma visão mais 
técnica. Porém essa diferença não pode ser generalizada para toda 
amostra estudada. 
Melissa Migliori Machado; Rodrigo Manoel Giovanetti; Simone Correa Silva; Paulo Afranio 
Sant’anna 
Boletim de Iniciação Científica em Psicologia – 2001, 2(1): 92-104 103 
Dos indicadores observados os mais freqüentes foram 
descrever a cena, não tocar a areia e a construção de barreiras, 
respectivamente. A atitude descritiva sugere o predomínio de uma 
reflexão racional sem a expressão direta do afeto e da fantasia. Esse 
tipo de pensamento é altamente estimulado no meio acadêmico, o 
que portanto pode ser um outro fator de interferência nessa amostra. 
 
Referências Bibliográficas 
 
AMMANN, R. (1991). Healing and transformation in sandplay. 
Chicago & La Salle, Illinois: Open Court.BRADWAY, K. et al. (1981). 
Sandplay studies. San Francisco, CA: C. G. Jung Institute. 
CABRAL, A. & NICK, E. (1989). Dicionário técnico de psicologia. São 
Paulo, Brasil: Cultrix. 
CAREY, L. J. (1999). Sandplay therapy with children and family. 
Northvale: Jason Aronson. 
CHEVALIER, J. & GHEERBRANT, A. (1999). Dicionário de símbolos. 
Rio de Janeiro, Brasil: José Olympio. 
FIERZ, H. K. (1988). Psiquiatria junguiana. São Paulo, Brasil: Paulus. 
FREUD, S. (1980). Resistência e anticatexia. [CD–ROM]. In: Edição 
eletrônica brasileira das obras psicológicas completas. (v. 20). Rio de 
Janeiro, Brasil: Imago. 
JACOBY, M. (1984). O encontro analítico. São Paulo, Brasil: Cultrix. 
JUNG, C. G. (1998A). A vida simbólica. Petrópolis, Brasil: Vozes. 
JUNG, C. G. (1998B). A natureza da psique. Petrópolis, Brasil: Vozes. 
KALFF, D. M. (1980). Sandplay. Massachusetts: Sigo Press.OCAMPO, 
M. L. S.; et al. (1981).