A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
ANATO PATOLOGICA GERAL - RESUMO

Pré-visualização | Página 1 de 7

RESUMO DE ANATOMIA PATOLÓGICA 
INTRODUÇÃO
Diagnostico diferencial: método para identificar doenças através do processo de eliminação 
Prognostico: capacidade de dizer o curso clinico de uma doença
Aspectos que constituem a base da doença:
Etiologia (causa): determinada por fatores adquiridos, aqueles presentes no meio ambiente, como infecciosos, nutricionais, físicos, químicos; ou fatores intrínsecos que são os genéticos 
Patogênese: sequencia de eventos que ocorrem como resposta das células ao a gente etiológico desde o estimulo inicial até a ultima alteração 
Alterações Morfológicas: alterações estruturais nas células ou tecidos, características da doença ou diagnosticas do processo etiológico 
Alterações Funcionais e significado clinico: sinais e sintomas da doença 
Definições:
Homeostasia: manutenção das condições fisiológicas normais
Adaptação celular: resposta dor organismo para preservar a função celular
Injuria ou Lesão celular: alteração reversível que ocorre quando a adaptação não é possível
Morte celular (necrose): irreversível, ultimo estagio da les~]ao celular 
Causas da lesão celular:
Hipoxia: baixa concentração de oxigênio 
Agentes físicos, químicos ou infecciosos 
Reação imunológica
Alterações genéticas
Desbalanço nutricional 
Exames anatomopatológicos:
Necropsia: exame post-mortem sistêmica dos órgãos 
Objetivo: determinar causa da morte, conhecer lesões e doenças existentes no paciente, correlação dos achado morfológicos com os dado clínicos , saúde publica 
Exames realizados a partir da necropsia: microbiológicos, biologia molecular, provas biológicas, toxicológico, citologia 
Em animais que possuíam sinais neurológicos é obrigatória a coleta do SNC, realizar histopatologia e prova biológica para descartar raiva e em bovinos descartar encefalopartia espongiforme (vaca louca)
Histopatologia – Biopsia de pele: acrescenta informação, diagnostico realizado pelo clinico, correlacionando todos os achados
Realizar em casos de lesões neoplásicas ou ulceras persistentes
Citologia: menor custo, resultado mais rápido, desconforto menor ao animal, limita o a diagnostico diferencial, deve ter confirmação histopatológica 
Utilizado para verificar microrganismo e sua morfologia, identificar inflamações e neoplasias e pesquisa de células acantoliticas 
Utilidade desses exames: conhecer a natureza da doença, direcionar a conduta clinica e planejar a cirurgia, permitir tratamento especifico com maiores chances de sucesso 
TANATOLOGIA
Estudo da morte, para saber o diagnostico, causa, fenômenos subsequentes e condições que levaram a perda da higidez (saúde) 
A morte é quebra do equilíbrio biológico e físico-químico, cessação das funções vitais (cerebral, circulatória e cardiorrespiratória).
O animal vivo possui auto-regulação, percepção e reação de homeostasia, a falha desse mecanismo de auto-regulação leva ao sofrimento orgânico e a morte
Os tecidos mais diferenciados (SNC) morrem primeiro e TC morre por ultimo
Limites Práticos: - Morte clinica: parada cardiorrespiratória 
- Descorticação: morte cerebral (fronteira critica entre a vida e a morte) 
- Morte real: 8h após a morte cerebral
As funções vitais não cessam ao mesmo tempo, sendo difícil determinar o momento exato da morte 
Fatores que influenciam na velocidade de alterações cadavéricas:
Temperatura ambiente = interfere na velocidade de putrefação por aumento da proliferação de bactérias 
Tamanho do animal = quanto maior animal, maior o tempo que ele permanece quente, aumentando a proliferação bacteriana 
Estado nutricional = maior quantidade de tecido adiposo, maior retenção de calor, mais tempo o animal permanece quente, maior a proliferação bacteriana
Causa mortis = se o animal morreu por doença infecciosa mais rápido será sua putrefação por causa da grande quantidade de microrganismos 
Cobertura tegumentar = ovelha lanada, permanecerá mais tempo quente, aumentando a proliferação bacteriana 
Fatores cadavéricos abióticos (não há envolvimento de microrganismos)
Imediatos: confundem-se com o momento do óbito, nenhum sinal isolado tem valor absoluto. Ex: perda de consciência, perda da sensibilidade, cessação cardiorrespiratória 
Consecutivos: devido a parada de atividade metabólica, prevalência de fenômenos físicos
Desidratação = evaporação, decréscimo do peso, modificação do globo ocular 
Resfriamento = equilíbrio da temperatura com o meio ambiente
Livores de Hipostase = manchas violáceas nos locais de declive 
Rigidez cadavérica = ocorre de maneira ordenada (cabeça-pescoço-membro anteriores- abdômen-membros posteriores-cauda)
Coagulação do sangue = diferenciar de trombos 
	COAGULO CRUÓRICO
	TROMBO (coágulo que ocorre durante a vida)
	Brilhante
	Desprovido de brilho
	Superfície regular
	Superfície irregular
	Destaca-se facilmente
	Aderido a superfície de inserção
	Após remoção local mostra superfície lisa
	Implantado sobre superfície irregular
Coagulo cruorioco: vermelho Coagulo lardáceo: amarelo
Fenômenos Transformativos 
Destrutivos: 
Autolise – acidificação do pH, liberação de enzimas proteolíticas que realizam a autodigestão tecidual 
Putrefação – ocorre após autólise, há envolvimento de microrganismo 
Marcha da putrefação (períodos) 
Coloração: embebição hemoglobinia, embebição biliar e manchas verdes (sulfametemoglobina = combinação de radicais sulfatados de microrganismos + hemoglobina)
Gasoso (enfisemato): a partir do intestino, timpanismo abdominal, prolapso e rupturas
Coliquativo: tecidos moles pastosos, estão se desfazendo 
Esqueletização: redução esquelática 
Maceração: tecidos moles destacam-se dos ossos através da rápida sucessão dos períodos da putrefação associada a umidade 
Fetos: infeção uterina 
Cadáveres em meio liquido
Conservadores:
Saponificação: consistência untuosa, mole, quebradiça, coloração amarelo-escuro, aparência de cera ou sabão
Ocorre em locais em que há dificuldade de acesso de ar atmosférico, agua estagnada e pouco corrente, solos argilosos ou com muitos cadáveres em valas de grandes dimensões 
Mumificação: natural ou artificial
Condições necessárias: rápida desidratação (impede a ação microbiana), climas quentes e secos – perda rápida de agua
Redução do peso, pele dura, seca e enrugada, coloração enegrecida, dentes e anexos cutâneos bem conservados
Mumificação fetal: morte intra-uterina sem envolvimento séptico ou expulsão
Calcificação: raro
Putrefação rápida + assimilação de sais calcários pelo esqueleto 
Locais ricos em calcário (cavernas)
DEGENEREÇÃO CELULAR 
Lesão celular reversível, originada de distúrbios metabólicos, que resulta em acumulo de substancias do interior da célula.
Alterações dependem: duração do efeito e concentração do agente causador, irrigação tecidual e fluxo sanguíneo para célula, características metabólicas e estruturais da célula 
Classificação (depende da natureza química da substancia acumulada)
Agua e eletrólitos – Hidrópica
Proteínas – Hialina, amiloide
Lipídios – Gordurosa
Carboidratos – Glicogênica 
Hidrópica (tumefação celular aguda, edema celular agudo)
Acumulo de agua e eletrólitos, principalmente nos rins, fígado e coração e o citoplasma é diluído 
Patogenia: agressão ao sistema de membranas, diminuição da produção de ATP e alteração na bomba de Na – K 
Aspecto Macroscópico: varia de acordo com o grau da lesão, aumenta o peso e o volume do órgão, apresenta coloração pálida 
Aspecto Microscópico: células aumentadas de tamanho (hipertrofia), citoplasma menos corado e com algo granuloso, em estagio avançado possui pequenos vacúolos de agua e podem formar grandes vacúolos com aspecto baloniforme
Pratica clinica: choque, destruição grave, infecções, intoxicações, isquemia 
Gordurosa:
Esqueatose ou Lipidose: acumulo anormal de gordura no citoplasma das células parenquimatosas 
Orgãos mais afetados: fígado, rins e coração
Etiopatogenia: Ocorre quando há o aumento da mobilização dos estoques de gordura, ou seja, quando

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.