A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Apostila FDDJ - DS9 - 1 semestre 2013

Pré-visualização | Página 10 de 12

própria, sem 
relação de trabalho com empresa ou equiparado; 
• do segurado facultativo; e
• especificamente quanto às contribuições relativas à sua participação na 
sociedade, do sócio de sociedade empresária que tenha tido receita bruta 
anual, no ano calendário anterior, de até R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais).
Salário de contribuição do segurado facultativo é o valor por ele declarado e do 
contribuinte individual é a remuneração auferida em uma ou mais empresas ou pelo 
exercício de sua atividade por conta própria, durante o mês.
III – Empregador Doméstico:
é de doze por cento do salário de contribuição do empregado doméstico a seu serviço.
IV – Empresa – sobre a folha de salários:
Empresa urbana:
- vinte por cento sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas, a 
qualquer título, no decorrer do mês, aos segurados empregado e trabalhador 
avulso;
- vinte por cento sobre o total das remunerações ou retribuições pagas ou 
creditadas no decorrer do mês ao segurado contribuinte individual;
33
- quinze por cento sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de 
serviços, relativamente a serviços que lhes são prestados por cooperados por 
intermédio de cooperativas de trabalho;
- um por cento para a empresa em cuja atividade preponderante o risco de 
acidente do trabalho seja considerado leve; dois por cento para a empresa em 
cuja atividade preponderante o risco de acidente do trabalho seja considerado 
médio; ou três por cento para a empresa em cuja atividade preponderante o 
risco de acidente do trabalho seja considerado grave, incidentes sobre o total 
da remuneração paga, devida ou creditada a qualquer título, no decorrer do 
mês, ao segurado empregado e trabalhador avulso.
- se a atividade exercida pelo segurado a serviço da empresa ensejar a 
concessão de aposentadoria especial após quinze, vinte ou vinte e cinco anos 
de contribuição, a s alíquotas serão acrescidas de doze, nove ou seis pontos 
percentuais, respectivamente, incidente exclusivamente sobre a remuneração 
do segurado sujeito às condições especiais que prejudiquem a saúde ou a 
integridade física.
Empresa rural:
- dois vírgula cinco por cento sobre o total da receita bruta proveniente da 
comercialização da produção rural, quando se tratar de pessoa jurídica que 
tenha como fim apenas a atividade de produção rural.
- zero vírgula um por cento incidente sobre a receita bruta proveniente da 
comercialização de sua produção, quando se tratar de produtor rural pessoa 
jurídica.
V – Produtor rural pessoa física e segurado especial:
- dois por cento para a seguridade social; e
- zero vírgula um por cento para o financiamento dos benefícios concedidos em 
razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos 
ambientais do trabalho.
34
VI – Associação desportiva que mantém equipe de futebol profissional:
é de cinco por cento da receita bruta decorrente dos espetáculos desportivos de que 
participe em todo território nacional, em qualquer modalidade desportiva, inclusive 
jogos internacionais, e de qualquer forma de patrocínio, licenciamento de uso de 
marcas e símbolos, publicidade, propaganda e transmissão de espetáculos 
desportivos.
Isenção de Contribuições artigos 206 ao 210 do Decreto 3.048/99 – a pessoa 
jurídica de direito privado beneficente de assistência social fica isenta das 
contribuições referentes ao aporte patronal desde que atenda, cumulativamente, aos 
seguintes requisitos:
- seja reconhecida como de utilidade pública federal;
- seja reconhecida como de utilidade pública pelo respectivo Estado, Distrito Federal 
ou Município onde se encontre a sua sede;
- seja portadora do Registro e do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência 
Social fornecidos pelo Conselho Nacional de Assistência Social, renovado a cada três 
anos; 
- promova, gratuitamente e em caráter exclusivo, a assistência social beneficente a 
pessoas carentes, em especial a crianças, adolescentes, idosos e portadores de 
deficiência; 
- aplique integralmente o eventual resultado operacional na manutenção e 
desenvolvimento de seus objetivos institucionais, apresentando, anualmente, relatório 
circunstanciado de suas atividades ao Instituto Nacional do Seguro Social (atualmente 
SRFB); e
- não percebam seus diretores, conselheiros, sócios, instituidores, benfeitores, ou 
equivalentes, remuneração, vantagens ou benefícios, por qualquer forma ou título, em 
razão das competências, funções ou atividades que lhes são atribuídas pelo 
respectivo estatuto social.
- esteja em situação regular em relação às contribuições sociais.
Entende-se por assistência social beneficente a prestação gratuita de benefícios e 
serviços a quem destes necessitar. Considera-se pessoa carente a que comprove não 
possuir meios de prover a própria manutenção, nem tê-la provida por sua família, bem 
como ser destinatária da Política Nacional de Assistência Social, aprovada pelo 
Conselho Nacional de Assistência Social.
35
A isenção das contribuições é extensiva a todas as entidades mantidas, suas 
dependências, estabelecimentos e obras de construção civil da pessoa jurídica de 
direito privado beneficente, quando por ela executadas e destinadas a uso próprio. A 
isenção concedida a uma pessoa jurídica não é extensiva e nem abrange outra 
pessoa jurídica, ainda que esta seja mantida por aquela, ou por ela controlada.
Será cancelada a isenção da pessoa jurídica de direito privado beneficente que não 
atender aos requisitos, a partir da data em que se a fiscalização verificar que a pessoa 
jurídica deixou de cumprir os requisitos previstos na legislação, emitindo Informação 
Fiscal na qual relatará os fatos que determinaram a perda da isenção. A pessoa 
jurídica de direito privado beneficente será cientificada do inteiro teor da Informação 
Fiscal, sugestões e conclusões emitidas pelo Instituto Nacional do Seguro Social e 
terá o prazo de quinze dias para apresentação de defesa e produção de provas. 
Apresentada a defesa ou decorrido o prazo sem manifestação da parte interessada, a 
autoridade competente decidirá acerca do cancelamento da isenção, emitindo Ato 
Cancelatório, se for o caso. Cancelada a isenção, a pessoa jurídica de direito privado 
beneficente terá o prazo de trinta dias contados da ciência da decisão, para interpor 
recurso com efeito suspensivo ao Conselho de Contribuintes.
A pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, que exerce atividade 
educacional ou que atenda ao Sistema Único de Saúde, mas não pratique de forma 
exclusiva e gratuita atendimento a pessoas carentes, gozará da isenção das 
contribuições, na proporção do valor das vagas cedidas, integral e gratuitamente, a 
carentes ou do valor do atendimento à saúde de caráter assistencial, desde que 
satisfaçam os requisitos constantes dos incisos I, II, III, V e VI do caput do art. 206 do 
RPS.
A pessoa jurídica de direito privado beneficiada com a isenção é obrigada a 
apresentar, anualmente, até 30 de abril, relatório circunstanciado de suas atividades 
no exercício anterior.
Prazo de Vencimento – artigos 216, 239 do Decreto 3.048/99 - o prazo para 
cumprimento da obrigação principal é:
- até dois dias úteis: associação desportiva que mantém equipe de futebol 
profissional quando da realização dos espetáculos desportivos.
36
- Até o dia 15 do mês seguinte:
o Contribuinte individual
o Segurado