A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Apostila FDDJ - DS9 - 1 semestre 2013

Pré-visualização | Página 8 de 12

atualizado com referência aos agentes 
nocivos existentes no ambiente de trabalho de seus trabalhadores ou que emitir 
documento de comprovação de efetiva exposição em desacordo com o respectivo 
laudo estará sujeita à aplicação de auto de infração. O perfil profissiográfico 
previdenciário, abrangendo as atividades desenvolvidas pelo trabalhador, será 
fornecido a este, quando da rescisão do contrato de trabalho ou do desligamento do 
cooperado, em cópia autêntica, sob pena de multa.
A data do início do benefício será:
- para segurado empregado: a contar da data do desligamento do emprego, se 
requerida em 90 dias; a contar da data de entrada do requerimento, se requerido após 
90 dias do desligamento ou quando não houver desligamento;
- para os demais segurados: a contar da data de entrada do requerimento.
O segurado que retornar ao exercício de atividade ou operações que o sujeitem aos 
agentes nocivos, ou nele permanecer, na mesma ou em outra empresa, qualquer que 
25
seja a forma de prestação do serviço, ou categoria de segurado, terá seu benefício 
cessado a partir da data do retorno à atividade.
7. Salário Família – artigos 65 ao 70 da Lei 8.213/91 e artigos 51 a 55 do Decreto 
3.048/99 - Será devido, mensalmente, apenas ao segurado empregado e ao 
trabalhador avulso, na proporção do respectivo número de filhos ou equiparados de 
qualquer condição, até quatorze anos de idade ou inválido, tenham salário de 
contribuição inferior ou igual a R$ 971,33 (novecentos e setenta e um reais e trinta e 
três centavos).
Quando o pai e a mãe são segurados empregados ou trabalhadores avulsos, ambos 
têm direito ao salário-família.
Valor da cota, por dependente, partir de 1º de janeiro de 2012, é de:
• R$ 33,14 (trinta e três reais e quatorze centavos) para o segurado com 
remuneração mensal não superior a R$ 646,24 (seiscentos e quarenta e seis 
reais e vinte e quatro centavos);
• R$ 23,35 (vinte e três reais e trinta e cinco centavos) para o segurado com 
remuneração mensal superior a R$ 646,24 (seiscentos e quarenta e seis reais 
e vinte e quatro centavos) e igual ou inferior a R$ 971,33 (novecentos e setenta 
e um reais e trinta e três centavos).
O salário família será pago:
1. pela empresa - ao empregado, com o respectivo salário, devendo deduzir as 
cotas quando do recolhimento das contribuições sobre a folha de salário.
2. pelo sindicato ou órgão gestor de mão-de-obra, mediante convênio – ao 
trabalhador avulso.
3. pelo INSS - ao empregado e trabalhador avulso aposentados por idade, por 
invalidez ou em gozo de auxílio doença, juntamente com o benefício.
As cotas do salário família, pagas pela empresa, deverão ser deduzidas quando do 
recolhimento das contribuições sobre a folha de salário. A empresa deverá conservar, 
durante dez anos, os comprovantes dos pagamentos e as cópias das certidões 
correspondentes, para exame pela fiscalização do Instituto Nacional do Seguro Social.
O pagamento do salário família será devido a partir da data da apresentação da 
certidão de nascimento do filho ou da documentação relativa ao equiparado, estando 
condicionado à apresentação anual de atestado de vacinação obrigatória, até seis 
anos de idade, e de comprovação semestral de freqüência à escola do filho ou 
26
equiparado, a partir dos sete anos de idade, sob pena de suspensão do benefício. Não 
é devido salário-família no período entre a suspensão do benefício motivada pela falta 
de comprovação da frequência escolar e o seu reativamento, salvo se provada a 
frequência escolar regular no período.
Tendo havido divórcio, separação judicial ou de fato dos pais, ou em caso de 
abandono legalmente caracterizado ou perda do poder familiar, o salário família 
passará a ser pago diretamente àquele a cujo cargo ficar o sustento do menor, ou a 
outra pessoa, se houver determinação judicial nesse sentido.
O salário-família cessa automaticamente por morte do filho ou equiparado, a contar do 
mês seguinte ao do óbito; quando o filho ou equiparado completar quatorze anos de 
idade, salvo se inválido, a contar do mês seguinte ao da data do aniversário; pela 
recuperação da capacidade do filho ou equiparado inválido, a contar do mês seguinte 
ao da cessação da incapacidade; ou pelo desemprego do segurado.
As cotas do salário família não serão incorporadas, para qualquer efeito, ao salário ou 
ao benefício.
8. Salário Maternidade - artigos 71 ao 73 da Lei 8.213/91 e artigos 51 a 55 do 
Decreto 3.048/99 - É devido à segurada da previdência social, durante cento e vinte 
dias, com início vinte e oito dias antes e término noventa e um dias depois do parto, 
podendo ser prorrogado, em casos excepcionais, de mais duas semanas, mediante 
atestado médico específico.
 
Em caso de parto antecipado ou não, a segurada tem direito aos cento e vinte dias e 
em caso de aborto não criminoso, comprovado mediante atestado médico, a segurada 
terá direito ao salário-maternidade correspondente a duas semanas.
É devido à segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para 
fins de adoção de criança, independentemente de a mãe biológica ter recebido o 
mesmo benefício quando do nascimento da criança, cujo prazo varia de acordo com a 
idade da criança: até um ano completo, por cento e vinte dias; a partir de um ano até 
quatro anos completos, por sessenta dias; ou a partir de quatro anos até completar 
oito anos, por trinta dias.
Renda Mensal:
27
- para a segurada empregada consiste numa renda mensal igual à sua 
remuneração integral e será pago pela empresa;
- para a segurada empregada doméstica será o valor correspondente ao do seu 
último salário de contribuição; 
- para a trabalhadora avulsa consiste numa renda mensal igual à sua 
remuneração integral equivalente a um mês de trabalho;
- para a segurada especial será um salário mínimo.
- para as seguradas contribuinte individual, facultativa e a desempregada que 
mantém a qualidade de segurada, em um doze avos da soma dos doze últimos 
salários de contribuição, apurados em período não superior a quinze meses.
Nos meses de início e término do salário maternidade da segurada empregada, o 
salário maternidade será proporcional aos dias de afastamento do trabalho.
No caso de empregos concomitantes, a segurada fará jus ao salário maternidade 
relativo a cada emprego.
O salário maternidade não pode ser acumulado com benefício por incapacidade. 
Quando ocorrer incapacidade em concomitância com o período de pagamento do 
salário maternidade, o benefício por incapacidade, conforme o caso, deverá ser 
suspenso enquanto perdurar o referido pagamento, ou terá sua data de início adiada 
para o primeiro dia seguinte ao término do período de cento e vinte dias.
A segurada aposentada que retornar à atividade fará jus ao pagamento do salário-
maternidade.
9. Pensão por Morte – artigos 74 ao 79 da Lei 8.213/91 e artigos 51 a 55 do Decreto 
3.048/99 - Será devida ao conjunto dos dependentes do segurado que falecer, 
aposentado ou não, a contar da data:
- do óbito, quando o dependente requerer até trinta dias depois deste; 
- da data do requerimento, quando requerida após esse prazo;
- da decisão judicial, no caso de morte presumida.
Cessa o benefício:
- pela morte do pensionista;
- para o pensionista menor de idade, ao completar vinte e um anos, salvo se for 
inválido, ou pela emancipação, ainda que inválido, exceto, neste caso, se a 
emancipação for decorrente de colação de grau científico em curso de ensino