A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
Pim VIII   RH

Pré-visualização | Página 8 de 8

Os contratos não-exclusivos com as Consultoras Natura, que são 
revendedoras autônomas sem relação de emprego. As Consultoras Natura adquirem 
os produtos com prazo de pagamento de 21 dias ou de 42 dias em algumas datas 
especiais do ano, para posterior revenda a seus respectivos clientes a preços, 
termos e condições livremente pactuados entre eles. 
 A empresa pode cancelar os contratos com as Consultoras que deixarem de 
pagar pelos produtos, que utilizam a marca de maneira não apropriada ou que 
deixarem de realizar pedidos regularmente. 
Não possível inicialmente perceber se há vantagem ou desvantagem para o 
empregador neste tipo de contrato, visto que “quanto a questão de quais "as 
vantagens para a empresa em contratar seus funcionários, ao invés de terceirizar os 
serviços.",[...] não se trata de vantagem ou desvantagem, e sim, o que é ou não 
permitido por lei, e, conforme mencionado acima, sobre a terceirização vantagens e 
desvantagens, fica a cargo do empresário a tomada de decisão quanto a 
contratação de funcionário e/ou terceirização”. (SEBRAE, 2004). 
 
 
 
 
 
 
 
 
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
Nesse artigo foi possível conhecer as técnicas de negociação e sua 
aplicabilidade, a Natura é uma empresa de extrema organização, fazendo com que 
seja possível aprimorar práticas e desmistificar o assunto como facilitador, conclui se 
que o maior desafio então é saber escolher a melhor estratégia de resolução para 
cada caso, e sim levando em conta todo aprendizado, escutando os envolvidos e 
buscando aumentar os efeitos construtivos e minimizar os destrutivos, promovendo 
o bem estar entre as pessoas e o desenvolvimento da organização em busca de 
melhoria continua. 
A Natura Cosméticos deixou claro que a estratégia pode ser muito bem-
sucedida, sendo capaz de criar vantagem competitiva através da diferenciação do 
produto, com a utilização de embalagens recicláveis e refis e programas de 
compensação das emissões de gases de efeito estufa, por exemplo, aliada à clara 
sinalização dessa diferenciação. Além disso, a empresa conseguiu reduzir seus 
custos através da constante inovação tecnológica, um fator chave desta estratégia, e 
assim obteve significativa diminuição de desperdício de recursos, por meio da 
melhor utilização destes ou da “menor” utilização destes. 
De modo geral, aventa-se a possibilidade de a empresa estar de certo modo 
inserida em um contexto aceitável para uma empresa de seu porte e características, 
visto que a empresa aqui estudada apresenta bons conceitos quanto às 
negociações realizadas, se mantendo em um cronograma que é cumprido quanto ao 
planejamento da instituição, encerrando com um departamento de recursos 
humanos que apesar de ser na realidade um departamento pessoal, consegue 
cumprir o papel ao qual se propõe. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
Técnicas de negociação. / Lérida Gherardini Malagueta Marcondes de Mello. – São 
Paulo: Editora Sol, 2014. 164 p., il. 1. Técnicas de negociação. 2. Administração de 
conflitos. 3. Negociação nas organizações. I.Título. 
BERG, Ernesto Artur. Administração de conflitos: abordagens práticas para o dia a 
dia. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2012. 
 
BURBRIDGE, R. Marc; BURBRIDGE, Anna. Gestão de conflitos: desafios do mundo 
corporativo. São Paulo: Saraiva, 2012. 
 
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos 
na organização. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 415-427. 
 
AMATO, H.S. Como Negociar: técnicas, estratégias e táticas para negociar melhor e 
obter vantagens. São Paulo: STS, 2002. 
 
FISHER, R.; ERTEL, D. Estratégias de Negociação: um guia passo a passo para 
chegar ao sucesso em qualquer situação. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997. FREITAS, 
M.E. de. Organização: um espaço de negociação. RAE . 
 
http://www.relatoweb.com.br/natura/13/sites/default/files/ranatura_2008_port.pdf 
 
ANDRADE, R. O. B. Princípios de Negociação: Ferramentas e Gestão. São Paulo: 
Atlas, 2004. p. 55. 
 
COHEN, H. Você pode negociar qualquer coisa. Rio de Janeiro: Record, 1980. p. 13. 
 
KOTLER, P. Administração de Marketing, análise, planejamento, implementação e 
controle. São Paulo: Atlas, 1975. 
MORAES, Renato Bulcão de. Planejamento estratégico. São Paulo: Editora Sol, 
2012. 
ZAGO, Marilise Bassani Marcon. Implantação de planejamento estratégico e 
conseqüente sistema de medicação em empresa têxtil: estudo de caso. 
http://www.valor.com.br/empresas/4935736/natura-perde-mercado-e-coty-cresce 
https://www.natura.com.br/sites/default/files/static/relatorioanual_en/pdf/relatorioanua
l2014_versaoresumida.pdf 
http://www.natura.com.br/sites/default/files/ra_natura_2016_1_.pdf 
http://www2.natura.net/Web/Br/Inst/HResources/rh_gestao_pdrh.asp 
http://www2.natura.net/Web/Br/relatorios_anuais/src/desempenho_social_colaborad
ores.asp 
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos 
nas organizações. 3ª Edição, Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2008. 
MARIANO, Kelly S. Oliveira. Sistema para operações de recursos humanos. São 
Paulo: Editora Sol, 2011. 
GRUBER, Alessandro. O que o RH faz? Artigo disponível em: 
<http://w.alessandrogruber.com.br/2010/07/o-que-o-rh-faz/>. 
KNAPIK, J. Gestão de pessoas e talentos. Curitiba: IBPEX, 2006. 
MACEDO, Manoel Carlos dos Santos. ROCHA, Renato Mendonça da. Rotinas 
aplicadas ao departamento de pessoal das empresas. Porto Alegre: CRC/RS, 2005. 
MARRAS, J. P. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 
5. ed. São Paulo: Futura, 2002. 
ALVAREZ, M. G. C. Departamento de recursos humanos - DRH. 
RAMOS, João Florêncio Vieira. Contrato individual de trabalho. 
SEBRAE – Serviço de Apoio a Pequena e Micro Empresa – Unidade 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ANEXOS