A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
3 - INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

Pré-visualização | Página 9 de 9

Programa de Reforma Agrária do Governo Federal quem, já estando beneficiado com lote em Projeto de Assentamento, ou sendo pretendente desse benefício na condição de inscrito em processo de cadastramento e seleção de candidatos ao acesso à terra, for efetivamente identificado como participante direto ou indireto em conflito fundiário que se caracterize por invasão ou esbulho de imóvel rural de domínio público ou privado em fase de processo administrativo de vistoria ou avaliação para fins de reforma agrária, ou que esteja sendo objeto de processo judicial de desapropriação em vias de imissão de posse ao ente expropriante; e bem assim quem for efetivamente identificado como participante de invasão de prédio público, de atos de ameaça, seqüestro ou manutenção de servidores públicos e outros cidadãos em cárcere privado, ou de quaisquer outros atos de violência real ou pessoal praticados em tais situações. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001)
§ 8º  A entidade, a organização, a pessoa jurídica, o movimento ou a sociedade de fato que, de qualquer forma, direta ou indiretamente, auxiliar, colaborar, incentivar, incitar, induzir ou participar de invasão de imóveis rurais ou de bens públicos, ou em conflito agrário ou fundiário de caráter coletivo, não receberá, a qualquer título, recursos públicos. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001)
	Há um tempo atrás foi noticiado que uma área de FHC teria sido invadida pelo MST. Logo depois foi editada uma MP que deu nova redação ao art. 2º e parágrafos.
	Em bom Português: não pode haver invasão. Se houver invasão, estaria automaticamente suspensa a vistoria. Houve a invasão, isso implicaria na imediata suspensão por dois anos da reforma agrária, a exclusão de quem invadiu a proibição do repasse de verbas orçamentárias para o movimento. Nesse sentido, Súmula 354, do STJ:
STJ Súmula nº 354 - DJe 08/09/2008 – A invasão do imóvel é causa de suspensão do processo expropriatório para fins de reforma agrária.
	O que diz a regra legal comentada? Invadiu o imóvel, automaticamente, suspende a vistoria, avaliação, por dois anos. Se houver reincidência, a suspensão se dará por quatro anos. O STJ, até porque é um tribunal de interpretação infraconstitucional editou essa súmula sobre o texto da lei. 
A despeito do entendimento do STJ, há milhares de acórdãos do STF refletindo a sua posição de antipatia à norma. O STF sempre antipatizou com essa regra, embora não tenha dito isso em decisão. Em obiter dictum chegou até a dizer que é inconstitucional porque não se pode punir movimento social. Assim, o STF tem dito o seguinte: não é qualquer invasão que propicia a suspensão. A invasão só causará a suspensão da vistoria, avaliação e desapropriação, quando a invasão for apta a refletir negativamente na aferição de produtividade. A invasão só vai ser causa suspensiva da reforma agrária quando for apta a refletir na aferição da produtividade. A lógica do STF é que não é constitucional punir movimento social, mas também não é constitucional fazer com que aquela pessoa que tenha produtividade, mas perdeu a produtividade temporariamente por conta da invasão perca a propriedade. A lógica é mais ou menos essa. Se a invasão foi depois da vistoria: isso é muito comum. Faz a vistoria, descobre que é improdutiva, o MST invade, que é para forçar a desapropriação. Nesse caso, o processo não deverá ser suspenso porque a invasão foi depois da vistoria.