A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
7 - ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS (8.112)

Pré-visualização | Página 7 de 11

nacional ou para o exterior.
Esta licença também pode ser concedida quando o cônjuge é afastado para exercício de mandato eletivo nos Poderes Legislativo ou Executivo.
Essa licença será por prazo indeterminado e sem remuneração.
Seção III
Da Licença por Motivo de Afastamento do Cônjuge
        Art. 84.  Poderá ser concedida licença ao servidor para acompanhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro ponto do território nacional, para o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. 
        § 1o  A licença será por prazo indeterminado e sem remuneração. 
       § 2o  No deslocamento de servidor cujo cônjuge ou companheiro também seja servidor público, civil ou militar, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, poderá haver exercício provisório em órgão ou entidade da Administração Federal direta, autárquica ou fundacional, desde que para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Caso de o cônjuge ou companheiro do servidor que se afasta também ser servidor público. Possibilidade de pedir exercício provisório em cargo compatível com seu cargo de origem.
LICENÇA PARA PRESTAR SERVIÇO MILITAR:
Peculiaridade: concluído o serviço militar, o servidor terá o prazo de 30 dias, sem remuneração, para reassumir o cargo.
Essa licença será considerada como efetivo exercício, nos termos do artigo 102, VIII, “f”, Lei 8112/90.
Seção IV
Da Licença para o Serviço Militar
        Art. 85.  Ao servidor convocado para o serviço militar será concedida licença, na forma e condições previstas na      legislação específica. 
        Parágrafo único.  Concluído o serviço militar, o servidor terá até 30 (trinta) dias sem remuneração para reassumir o exercício do cargo. 
LICENÇA PARA DESEMPENHO DE ATIVIDADE POLÍTICA:
Desde a convenção partidária até a véspera do registro da candidatura esta licença não possui remuneração.
Entretanto, no período compreendido entre o registro da candidatura e o décimo dia seguinte à eleição esta licença será com remuneração. A lei fixa prazo máximo de 3 meses de remuneração.
Seção V
Da Licença para Atividade Política
Art. 86.  O servidor terá direito a licença, sem remuneração, durante o período que mediar entre a sua escolha em convenção partidária, como candidato a cargo eletivo, e a véspera do registro de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral.
§ 1o  O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde desempenha suas funções e que exerça cargo de direção, chefia, assessoramento, arrecadação ou fiscalização, dele será afastado, a partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral, até o décimo dia seguinte ao do pleito. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
§ 2o  A partir do registro da candidatura e até o décimo dia seguinte ao da eleição, o servidor fará jus à licença, assegurados os vencimentos do cargo efetivo, somente pelo período de três meses. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Período com remuneração, no limite de 3 meses
Período sem remuneração
LICENÇA CAPACITAÇÃO:
Da Licença para Capacitação
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Art. 87.  Após cada qüinqüênio de efetivo exercício, o servidor poderá, no interesse da Administração, afastar-se do exercício do cargo efetivo, com a respectiva remuneração, por até três meses, para participar de curso de capacitação profissional. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Parágrafo único.  Os períodos de licença de que trata o caput não são acumuláveis.(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
Deferida ao servidor a cada 5 anos de efetivo exercício, no interesse da Administração, envolvendo o afastamento por até 3 meses para participar de curso de capacitação profissional.
Trata-se de licença com remuneração.
Não é possível a acumulação de períodos para gozar essa licença.
O período da licença capacitação é considerado como de efetivo exercício (artigo 102, VIII, “e”, Lei 8112/90).
Não pode ser confundida com o afastamento para cursar mestrado, doutorado ou pós-doutorado no país ou no exterior (artigo 96-A, Lei 8112/90).
Seção IV
(Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
Do Afastamento para Participação em Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu no País
Art. 96-A.  O servidor poderá, no interesse da Administração, e desde que a participação não possa ocorrer simultaneamente com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário, afastar-se do exercício do cargo efetivo, com a respectiva remuneração, para participar em programa de pós-graduação stricto sensu em instituição de ensino superior no País. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 1o  Ato do dirigente máximo do órgão ou entidade definirá, em conformidade com a legislação vigente, os programas de capacitação e os critérios para participação em programas de pós-graduação no País, com ou sem afastamento do servidor, que serão avaliados por um comitê constituído para este fim. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 2o  Os afastamentos para realização de programas de mestrado e doutorado somente serão concedidos aos servidores titulares de cargos efetivos no respectivo órgão ou entidade há pelo menos 3 (três) anos para mestrado e 4 (quatro) anos para doutorado, incluído o período de estágio probatório, que não tenham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença capacitação ou com fundamento neste artigo nos 2 (dois) anos anteriores à data da solicitação de afastamento. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 3o  Os afastamentos para realização de programas de pós-doutorado somente serão concedidos aos servidores titulares de cargos efetivo no respectivo órgão ou entidade há pelo menos quatro anos, incluído o período de estágio probatório, e que não tenham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares ou com fundamento neste artigo, nos quatro anos anteriores à data da solicitação de afastamento. (Redação dada pela Lei nº 12.269, de 2010)
§ 4o  Os servidores beneficiados pelos afastamentos previstos nos §§ 1o, 2o e 3o deste artigo terão que permanecer no exercício de suas funções após o seu retorno por um período igual ao do afastamento concedido. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 5o  Caso o servidor venha a solicitar exoneração do cargo ou aposentadoria, antes de cumprido o período de permanência previsto no § 4o deste artigo, deverá ressarcir o órgão ou entidade, na forma do art. 47 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990, dos gastos com seu aperfeiçoamento. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 6o  Caso o servidor não obtenha o título ou grau que justificou seu afastamento no período previsto, aplica-se o disposto no § 5o deste artigo, salvo na hipótese comprovada de força maior ou de caso fortuito, a critério do dirigente máximo do órgão ou entidade. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
§ 7o  Aplica-se à participação em programa de pós-graduação no Exterior, autorizado nos termos do art. 95 desta Lei, o disposto nos §§ 1o a 6o deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.907, de 2009)
Ato discricionário (“no interesse da Administração”).
Requisitos: 
participação não possa ocorrer concomitantemente com o exercício do cargo; 
impossibilidade de compensação.
Não há prejuízo da remuneração.
Parágrafo 2: Mestrado e Doutorado 
Tempo de trabalho: Servidores titulares de cargo efetivo no órgão ou entidade há pelo menos 3 anos (mestrado) ou 4 anos (doutorado). Dentro deste prazo está incluído o período do estágio probatório. Demais disso, o servidor não pode ter se afastado por licença para tratar de assuntos particulares ou licença capacitação ou afastamento para pós stricto sensu nos últimos dois anos.
Parágrafo 3: Pós-doutorado
Titular de cargo efetivo há pelo menos 4 anos, incluído o período do estágio probatório. Demais disso, o servidor não pode ter se afastado por licença para tratar de assuntos particulares