aula civil - responsabilidade civil
5 pág.

aula civil - responsabilidade civil


DisciplinaResponsabilidade Civil5.006 materiais23.510 seguidores
Pré-visualização2 páginas
NOÇÕES HISTÓRICAS DE RESPONSABILIDADE CIVIL CONSTITUCIONAL
Harmonizar regras do direito civil com as regras gerais da Constituição:
A constituição determina a interpretação de todas as normas infraconstitucionais 
A responsabilidade civil de ser interpretada a luz dos seguintes princípios:
PRINCIPIO DA DIGNIDADE HUMANA \u2013 art.1º, III, CF.
Referido princípio tem como objetivo buscar a valoração do ser humano em detrimento ao patrimônio. 
Não produzem efeitos legais e contratuais preceitos contrários a esse princípio. Ex: Resp. 524.889 \u2013 PR e Resp. 1.131476 \u2013 CE - Ação de indenização \u2013 tortura \u2013 ditadura militar. 
	Segurança jurídica
	Imprescritibilidade
	Art.206, §3º, V, CC.
	Princípio da dignidade humana.
PRINCIPIO DA SOLIDARIEDADE SOCIAL \u2013 art.3º, I, CF. 
Tal princípio tem por finalidade pregar uma sociedade justa, humana e solidária. 
Ex: resp.1.159242 \u2013 SP responsabilidade civil por abandono paterno-filiar para genitor que não dá afeto as filhas. 
Decisão reconhece: 
	Responsabilidade civil no direito de família
	Que \u201ccuidado\u201d é valor jurídico e que dano moral é presumido
	Que afeto gera obrigação
	Que amar é faculdade e cuidado dever
PRINCIPIO DA ISONOMIA \u2013 art.5º, caput, CF.
Rui Barbosa \u2013 \u201ctratar iguais com igualdade e desiguais com desigualdade no limite da diferença\u201d.
Fábrica de indenização \u2013 momento do judiciário brasileiro, onde pessoas buscavam motivos para ser indenizados visto que o valor da indenização era muito alto. Para a responsabilidade ter efeito em uma empresa o valor deve ser alto, porém não é justo uma pessoa receber muito. Surge então a ideia de indenizar alto e repassar menos para o autor, destinando a quantia restante a entidades como APAE/ criança esperança.
RESPONSABILIDADE CIVIL
É a obrigação imposta a uma pessoa de ressarcir os danos materiais e morais causados a outrem por fato próprio ou por fato de pessoa ou coisa que lhe dependam. Regra: recolocar o lesado na condição anterior, como nem sempre isso é possível, compensa-se com indenização fixada na proporção do dano.
Indenização é gênero que abrange duas espécies: 
Ressarcimento \u2013 dano material e econômico
Reparação \u2013 dano moral e estético
RESPONSABILIDADE CIVIL X RESPONSABILIDADE PENAL \u2013 ilicitude poderá ser civil, penal ou ambas. 
A colisão de um veículo, por exemplo, poderá acarretar responsabilidade civil do culpado, mas também, responsabilidades penais descritas na lei.
	RESPONSABILIDADE CIVIL
	RESPONSABILIDADE PENAL
	O interesse do lesado é privado.
	O agente infringe norma de direito público o lesado é a sociedade.
	A responsabilidade é patrimonial, é o patrimônio do devedor que responde pela obrigação.
	A responsabilidade é pessoal, responde o réu a privação de sua liberdade.
	Há várias hipóteses de responsabilidades de terceiros.
	Responsabilidade é intransferível.
	Qualquer ação ou omissão pode gerar responsabilidade.
	A tipicidade é um dos requisitos do crime.
	A culpa, ainda que levíssima, obriga a indenizar.
	A culpabilidade é restrita, nem toda culpa acarreta condenação.
	O art.928, autoriza a cobrança de menores de 18 anos.
	Os menores de 18 anos respondem apenas a medida de proteção socioeducativas.
ATO ILÍCITO 
Art.186 \u2013 \u201cAquele que por ação ou omissão voluntária, negligência, imprudência... violar direitos... causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito \u201d
Violação de direito + lesão do bem jurídico tutelado 
Dano é indispensável (moral ou material).
Conduta precisa ser previsível de culpa.
A responsabilidade no Brasil, em regra, se baseia na ideia de culpa (teoria da culpa). Mas, art.927, §ú \u201chaverá obrigação de indenizar, independente de culpa: \u201d (teoria do risco).
Casos estabelecidos em lei. Ex: CDC
Atividade desenvolvida gerar risco.
MODALIDADES DE RISCO: 
Risco proveito: responsabilidade daquele que tira proveito da atividade danosa. Ex: responsabilidade da fábrica de refrigerante que injeta gás no refrigerante.
Risco profissional: onde o dever de indenizar decorre da atividade profissional do lesado. Ex: acidente de trabalho. 
Risco excepcional: reparação devida, sempre que o risco escape a atividade comum. Ex: exploração de energia nuclear transporte de explosivos. 
Risco integral: dever de indenizar surge tão somente em face do ato. Ex: dano ambiental.
Art.187 \u2013 
Titular do direito
Ato legitimo
Excesso: 
Econômico ou Social
Boa-fé ou bons costumes
Ex: furar balões de passeio que passam por sua propriedade
IMPUTABILIDADE
O art.186, pressupõe a existência, no agente, de livre determinação de vontade.
Para que alguém pratique ato ilícito e seja obrigado a reparar o dano causado, é necessária capacidade de discernimento. 
Para a teoria clássica, o incapaz, sendo um inimputável, não é responsável civilmente. 
Teoria da irresponsabilidade absoluta do incapaz
Entretanto, o CC/2002 substituiu a teoria da irresponsabilidade absoluta do incapaz pela teoria da responsabilidade mitigada ou subsidiaria \u2013 art.928.
Se a vítima não conseguir receber a indenização dos responsáveis civilmente, poderá o juiz condenar o incapaz:
Somente em caso de incapaz abastado (rico).
Condenação equitativa
RESPONSABILIDADE CONTRATUAL X RESPONSABILIDADE EXTRACONTRATUAL 
Ambos os tipos de responsabilidade estão consubstanciados pela violação de um dever jurídico. Na responsabilidade extracontratual existe violação de um dever jurídico genérico, já na responsabilidade contratual existe a violação de um dever jurídico especifico. 
Responsabilidade Contratual: 
Há infringência de um dever especifico previsto em clausula contratual, ocorre violação de um direito relativo, que é aquele estabelecido entre sujeitos determinados que se vinculam por uma prestação (contrato).
A responsabilidade nasce de um contrato e é baseada no incumprimento de um dever obrigacional. Pressupõe o inadimplemento de uma obrigação assumida. 
O inadimplemento de uma obrigação pode ser por:
Inadimplemento absoluto.
Mora (forma, lugar ou tempo)
Violação positiva do contrato.
Ex: agricultor que contrata uma empresa para o fornecimento de sementes e elas não são entregues. 
Responsabilidade Extracontratual: 
Existe violação de um dever genérico.
A responsabilidade provém de uma infração a lei ou a princípio geral do direito. 
Não há vinculo preexiste entre as partes
Ex: Acidente de transito. 
	CONTRATUAL
	EXTRACONTRATUAL
	Violação de um dever jurídico especifico
	Violação de um dever genérico
	Vinculo jurídico preexistente
	Inexistência de vinculo jurídico entre as partes
	Infração ou não cumprimento de prestação assumida
	Infração a alei ou a Princípios Gerais do direito
	Inadimplemento contratual \u2013 imputação obrigacional
	Ato ilícito- imputação delictual
	Culpa presumida \u2013 inversão de ônus da prova
	A culpa do devedor tem que ser provada pelo credor
RESPONSABILIDADE SUBJETIVA E RESPONSABILIDADE OBJETIVA
Responsabilidade Subjetiva: 
A culpa é fundamento da responsabilidade (teoria da culpa).
Não havendo culpa, não há responsabilidade.
A prova da culpa do agente é pressuposto para responsabilidade.
Responsabilidade Objetiva:
Independe de culpa, se satisfaz apenas com o dano e o nexo causal.
Todo dano é reparável e deve ser reparado por quem a ele seja ligado por nexo de causalidade.
Responsabilidade objetiva precisa estar:
Prescrita em lei
Resultar da própria atividade
Art.936 \u2013 responsabilidade dano animal
Art.937 \u2013 responsabilidade dono de prédio em ruinas
Art.938 \u2013 responsabilidade habitante da casa que caírem coisas
Art.939/940 \u2013 responsabilidade do credor que demanda contra o devedor de dívida vincenda ou já paga. 
Lei dos acidentes de trabalho e CDC.
PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE EXTRACONTRATUAL
Conduta/culpa/nexo causal/dano
CONDUTA ato ou fato involuntário decorrente de comportamento humano capaz de gerar o dever de indenizar.
A conduta pode ser por ação (comportamento ativo) ou omissão (comportamento passivo).