Apostila Portugues Instrumental
45 pág.

Apostila Portugues Instrumental


DisciplinaPortuguês Instrumental I560 materiais2.586 seguidores
Pré-visualização12 páginas
autor/a da resenha, objetivo do trabalho, local e data. 
3.2. Texto dissertativo contendo: introdução, corpo principal do texto e conclusão com apreciação crítica. 
3.3. Bibliografia.
4. DICAS IMPORTANTES
	A recensão deve cumprir um objetivo claro: comunicar ao leitor os aspectos essenciais da obra em questão e situá-lo no assunto da melhor maneira possível. 
	Lembremo-nos de que, no método Descartes, a 1ª regra é a evidência, i.e., o dado inicial, que tem de ser claro, ordenado e distinto, ou seja, o critério cartesiano da verdade é a clareza e a distinção. Em concreto, Descartes parte de uma dúvida universal (metódica), para, entretanto, superá-la criticamente na conquista da verdade.
	A forma da resenha, isto é, o texto deve ser claro, inteligível e dinâmico. O/A leitor/a deve ter prazer nesta leitura e deve sentir-se convidado/a à leitura do texto resenhado. Para isso, é imprescindível o uso das normas padrão da língua portuguesa.
	Caso haja necessidade de citação do próprio texto resenhado, isso deve ser feito entre aspas e/ou em destaque. Sempre deve haver referência bibliográfica.
	Por vezes, é interessante fazer uma pesquisa mais abrangentes sobre o/a autor/a do texto resenhado, além do assunto em questão e a situação atual da pesquisa científica. Esses esclarecimentos, quando convenientes, devem abrir a resenha e preparar o comentário sobre o texto em pauta.
5. APRESENTAÇÃO GRÁFICA
Papel A4 (210x297)
Corpo do texto: 
margens: superior e inferior: 2,5cm; margem direita: 2cm e margem esquerda: 3cm;
caracteres (fontes): \u201cTimes New Roman\u201d, tamanho 12;
títulos e subtítulos: no mesmo tamanho, em negrito e/ou sublinhado;
espaçamento: no texto: 2 (duplo); na bibliografia: simples.
Bibliografia
Observa-se o seguinte critério de citação, de acordo com os padrões de Normas Técnicas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas):
SOBRENOME, Nome do autor. Título da obra. Subtítulo. Edição. Cidade (local da publicação; quando houver duas cidades, separa-se com barra: /): Editora (quando houver mais de uma editora, separa-se por barra: /), ano da publicação e páginas citadas.
Exemplo: BEAINI, Thais Curi. Heidegger: arte como cultivo do inaparente. SP: EDUSP/Nova Stella, 1986.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
Campus Florestal
DISCIPLINA: Português Instrumental
Turma: 1 Período - Engenharia de Alimentos
PROFESSORA: Luciana Brandão Leal
ALUNA: Mariana Andrade Guimarães
Data: 31/05/2011
SÜSKIND, Patrick. O perfume: história de um assassino. Trad. Fálvio R. Kothe. 25ª ed. Rio de Janeiro. Record, 2007. 
Patrick Süskind, um alemão da Baviera, escreveu O Perfume em 1985. Em 2006 foi adaptado para o cinema. Depois de lançar esse livro, considerado por muitos críticos e leitores um dos mais significativos da década de 80, Süskind saiu do anonimato para o estrelato e marcou a literatura européia com sua habilidade em descrever a sociedade do período retratado e manter o suspense e a imprevisibilidade sem se tornar pedante.
A estória se passa na França do século XVIII, onde os odores (principalmente os desagradáveis) estavam em evidência. É nesse meio que nasce Jean-Baptiste Grenouille, um homem que desde a sua infância apresentou uma enorme facilidade em sentir aromas e separá-los de forma sistemática em sua memória. Apesar disso, Grenouille não possui odor próprio e isso o mantém em uma constante frustração. Órfão desde o início da vida e sempre rejeitado e maltratado, ele acaba se transformando em um misantropo e fica cada vez mais absorto na sua incomum habilidade olfativa, saindo do fanatismo para a insanidade.
Essa loucura é concretizada quando Grenouille começa a matar belas jovens virgens para criar o \u201cPerfume perfeito\u201d, que supostamente iria compensar sua falta de odor próprio. Depois de vários assassinatos, ele consegue criar a fatídica fragrância. Esse perfume é tão bom que faz quem o sentir ter uma excitação incontrolável.
Süskind cria uma obra que apresenta, especialmente através dos odores, a sociedade francesa do século XVIII. O livro, apesar do tema difícil de descrever (cheiros), não se torna enfadonho, e isso se vale maiormente pela capacidade do autor em conduzir a narrativa e a tornar acessível e prazerosa de ler.
O Perfume é um livro louvável, onde a verossimilhança histórica e a crítica social também estão presentes, além de fazer os leitores lembrarem que a obsessão só leva ao delírio. Patrick Süskind criou uma obra digna de ser lida e relembrada, um marco na literatura que precisa ser reconhecido.
O ARTIGO CIENTÍFICO
Artigo, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (1994, p.1), é um \u201ctexto com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, processos, técnicas e resultados nas diversas áreas do conhecimento\u201d.
TIPOS DE ARTIGOS
A ABNT reconhece dois tipos de artigos:
Artigo original: quando apresenta temas ou abordagens próprias. Geralmente relata resultados de pesquisa e é chamado em alguns periódicos de artigo científico.
Artigo de revisão: quando resume, analisa e discute informações já publicadas. Geralmente é resultado de pesquisa bibliográfica.
Organização Geral
Um texto científico é dividido em seções. A organização do conteúdo das seções varia de artigo para artigo. Uma boa sugestão de organização é a seguinte. 
1. Título 
2. Autores e filiação 
3. Resumo 
4. Introdução 
5. Conceitos Básicos e Trabalhos Relacionados 
6. Idéia central 
7. Análise (se necessário) 
8. Estudo de Caso (se necessário) 
9. Experimentos (se necessário) 
10. Discussão (se necessário) 
11. Conclusão 
12. Referências 
Sugestões para cada seção
Título 
Primeira impressão é a que fica. O título é a referência principal ao seu trabalho. Um bom título contém poucas palavras, o necessário para descrever adequadamente o conteúdo do artigo. 
Autores e filiação 
Nome completo dos autores seguido da filiação (universidade, empresa) de cada um. Infelizmente, não há regra padrão para definir a ordem dos autores que seja globalmente aceita. A solução mais prática é colocar os nomes em ordem alfabética do primeiro nome ou do sobrenome. Outra idéia é ordenar de acordo com o tamanho do esforço de cada autor durante o trabalho. Mas e aí? Um autor implementou toda a ferramenta e realizou os experimentos sozinho, o outro autor escreveu 90% do artigo sozinho, quem aparece primeiro? Uma outra opção é colocar o nome do aluno cujo trabalho de conclusão/dissertação/tese é o assunto principal do artigo como primeiro autor, demais alunos que colaboraram no trabalho como autores intermediários, e o orientador como último autor. 
Resumo 
Um parágrafo, geralmente até 250 palavras. Pode ser considerado uma propaganda ou trailer do artigo: é o primeiro contato com o trabalho, é o que atrai a atenção e o interesse do leitor em ler mais. Apresenta de forma concisa (uma ou duas linhas para cada item): principais objetivos e escopo do trabalho, motivação e importância, principal resultado ou contribuição. O resumo nunca menciona informações ou conclusões que não estão presentes no texto. Referências bibliográficas não são citadas no resumo (exceto em ocasiões raras, como modificações a um método publicado previamente). 
Introdução 
Uma introdução bem escrita é fundamental. Um artigo científico não é um livro de suspense no qual o leitor só descobre o que está realmente acontecendo no capítulo final. Muito antes pelo contrário, em um artigo científico, o leitor deve estar ciente do que acontece desde o início, desde a introdução. Desse modo, as principais contribuições e conclusões devem ser mencionadas na introdução. Geralmente, a introdução é uma reafirmação mais extensa do conteúdo do Resumo. Como sugestão de organização, considere a apresentação de forma concisa (um ou dois parágrafos para cada item) das seguintes informações: 
Contexto, motivação, e principal contribuição. 
O problema: definição do problema por alto (sem