MANOMETRO
4 pág.

MANOMETRO


DisciplinaEstática dos Sólidos49 materiais836 seguidores
Pré-visualização1 página
Manômetros 
 
Os manômetros mecânicos são produzidos com tubo bourdon, diafragma ou cápsula. Os elementos sensores são produzidos em liga de cobre, aço inoxidável ou materiais especiais para aplicações específicas.
Pressões sempre são medidas em relação a uma pressão de referência, como por exemplo, a pressão atmosférica. Os manômetros de pressão relativa indicam o quanto uma pressão medida é maior ou menor que a pressão atmosférica. A pressão é indicada no mostrador por meio do ponteiro e escala.
Manômetros com enchimento de líquido oferecem maior proteção contra danos, causados por cargas altamente dinâmicas e/ou amortecimento resultante de vibração.
 	Operações de controle podem ser efetuadas quando manômetros são combinados com contatos e/ou sinais de saída (ex.: 4 ... 20 mA). Esta combinação pode ser encontrada na linha mecatrônica.
 
A WIKA diferencia cinco famílias de manômetros mecânicos:
Manômetros com tubo bourdon
 
A pressão do meio atua no interior do tubo bourdon, que possui secção oval. A alteração da pressão do processo gera uma expansão do tubo e assim um movimento no final livre. Esse fenómeno pode ser demonstrado através do apito ''língua de sogra''. A extremidade móvel é interligada com o movimento que transforma o movimento linear em uma rotação do ponteiro.
O tubo bourdon tipo "C" possui curvatura próxima de 250 ° e mede pressões até 60 bar. Para pressões maiores, são utilizados tubos com desenho helicoidal ou espiral. Os tubos bourdon possuem uma proteção contra sobrepressão limitada. Para aplicações em meios adversos, o manômetro pode ser fornecido com um selo diafragma como sistema separador ou protetor. 
Os manômetros podem ser fabricados com faixas de pressão de 0 ... 0,6 até 0 .... 7.000 bar, com exatidão até 0,1% F.E.
 
1 Tubo bourdon
2 Ponteiro
3 End piece
4 Link
5 Ajuste
6 Movimento
7 Mostrador
8 Soquete, com conexão ao processo
9 Entrada da pressão
 
Manômetros com diafragma
 
O manômetro de transmissão mecânica possui um diafragma corrugado com forma circular. Ele é prensado ou soldado entre duas flanges e sujeito à pressão do meio, que atua em um dos lados. A deflexão causada é utilizada para a medição da pressão. Através do link e o movimento, esta deflexão gera uma rotação do ponteiro e assim indica a pressão medida na escala.
 	Devido à fixação do elemento sensor, os manômetros de transmissão mecânica ficam insensíveis à vibração. 
 	O elemento diafragma pode estar sujeito a valores mais altos de sobrepressão (o diafragma se moverá até se posicionar junto à flange superior de fixação do mesmo). Opcionalmente, o manômetro com diafragma pode também estar protegido contra meios extremamente corrosivos, através de revestimento com materiais especiais.
 	Várias conexões estão disponíveis: rosqueadas, flangeada e também plugs de limpeza podem ser integrados para aplicações em meios altamente viscosos, impuros ou cristalinos.
Faixa de pressão entre 0 ... 16 mbar e 0 ... 40 bar, com exatidão entre 0,6 e 2,5% F.E.
 
1 Link
2 Flange superior
3 Parafuso
4 Diafragma
5 Câmara de medição
6 Flange inferior
7 Porca
8 Entrada da pressão
 
Manômetros capsulares
 
O manômetro com elemento sensor capsular é apropriado especialmente para baixíssimas pressões. O elemento capsular consiste em duas membranas corrugadas com forma circular, soldadas em suas extremidades. A pressão atua no interior desta cápsula e gera uma expansão. O movimento transforma esta expansão em um movimento circular, que é indicada através do ponteiro e a escala.
 	O manômetro com elemento sensor capsular é apropriado especialmente para meios gasosos com baixíssimas pressões. Proteção contra sobrepressão é possível dentro de certos limites.
 	A força de ação pode ser aumentada caso haja um número de cápsulas associadas mecanicamente em série.
Pressões entre 0 ... 2,5 mbar e 0 ... 0,6 bar, com exatidão até 0,1% F.E.
 
1 Visor
2 Mostrador
3 Movimento
4 Câmara de medição
5 Ponteiro
6 Elemento capsular
7 Soquete com conexão ao processo
8 Entrada da pressão
 
Manômetros absolutos
 
Estes instrumentos são utilizados onde a pressão a ser medida seja independente das variações naturais em pressão atmosférica. Como regra geral, todos os tipos de elementos sensor podem ser aplicados.
 	A pressão do meio a ser medida é comparada a uma pressão de referência que é o zero absoluto. Para esta finalidade, um vácuo absoluto é dado como pressão de referência, em uma câmara ao lado do elemento sensor, não sujeita à pressão a ser medida.
 	Esta operação é executada selando-se a câmara de medição. A transmissão do movimento da medição e a indicação as pressão, seguem as mesmas regras já descritas a cima, dependendo do modelo.
 	As faixas de pressão são de 0 ... 16 mbar até 0 ... 25 bar absoluto, com exatidão de entre 2,5 e 0,6% F.E.
 
1 Link
2 Câmara de referência (Despressurizada)
3 Diafragma
4 Fole de vedação
5 Câmara de medição
6 Entrada da pressão
 
Manômetros diferenciais
 
A diferença entre duas pressões é determinada diretamente e indicada no manômetro diferencial.
 	Novamente, todos os elementos sensor conhecidos dos manômetros de pressão relativa e os princípios de medição, podem ser aplicados.
 	Duas câmaras de medição, seladas e independentes, são separadas pelo elemento sensor. Se ambas as pressões de operação são iguais, nenhuma pressão será indicada. 
 	A indicação da pressão diferencial só será dada quando uma das pressões for maior ou menor que a outra. Baixas pressões diferenciais podem ser medidas diretamente, mesmo que as pressões estáticas sejam altas.
 	Altíssima proteção contra sobrepressão podem ser atingidas com o uso de elementos diafragma. Devem ser observadas as pressões máximas admissíveis em cada lado, em relação à estática e sobrepressão.
 	A transmissão do movimento do elemento sensor e a indicação da pressão são igual às descrita para manômetros de pressão relativa, na maioria dos casos.
 	Faixas de pressão diferencial  entre 0 ... 2,5 mbar e 0 ... 40 bar são possíveis, exatidão até 0,6% F.E.
1 Link
2 Câmara da baixa pressão
3 Diafragma
4 Fole de vedação
5 Câmara da alta pressão
6 Entrada da baixa pressão
7 Entrada da alta pressão
Escalas de Pressão: Absoluta e Relativa
 
 
 	A atmosfera que rodeia o nosso planeta, porque tem massa e está sujeita à aceleração da gravidade, exerce sobre a superfície da Terra uma força. Esta, dividida por uma unidade de superfície, resulta numa pressão \u2013 a Pressão Atmosférica. O valor da Pressão Atmosférica corresponde a 1 bar (unidade já abordada anteriormente).
Pelo fato de tudo na Terra estar sujeito à Pressão Atmosférica, ao referir-se um valor de Pressão, é necessário esclarecer se esse valor está referido à pressão zero (ausência de pressão atmosférica \u2013 vácuo) ou se está referido a 1 bar (valor da pressão atmosférica).
 
Existem, por isso, duas escalas de pressão a considerar:
 
PRESSÃO ABSOLUTA, que tem como zero a ausência absoluta de pressão;
 
PRESSÃO RELATIVA, que tem como zero o valor da pressão atmosférica: 1 bar.