A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
42 pág.
Anotações de STN  - Secretaria do Tesouro Nacional - Direito UFRJ

Pré-visualização | Página 1 de 8

MÓDULO III - SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO
�
MINISTRO DA FAZENDA
PEDRO SAMPAIO MALAN
SECRETÁRIO-EXECUTIVO
AMAURY BIER
SECRETÁRIO-ADJUNTO
LUIZ TACCA JÚNIOR
DIRETORA-GERAL DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA-ESAF
MARIA DE FÁTIMA PESSOA DE MELLO CARTAXO
SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO FISCAL – GEF
JOÃO GOMES GONÇALVES
INTERNET:	educfisc@fazenda.gov.br
		http://www.esaf.fazenda.gov.br
ENDEREÇO:	Escola de Administração Fazendária
	Secretaria Executiva do GEF
	Estrada para Unaí km 4 – BR 251
		 71.686-900 – Brasília - DF�
Prezado leitor (a):
Este módulo foi elaborado com três finalidades básicas: 
oferecer subsídios para a reflexão e o debate acerca das questões tributárias e o Estado brasileiro, pela sociedade;
dar suporte aos cursos de formação de capacitadores do Programa Nacional de Educação Fiscal;
servir como material de referência para educadores em todo o País.
No contexto dos direitos e deveres de cidadania, são apresentadas informações acerca da origem e da evolução dos tributos, da sua sistemática de instituição e cobrança nos três níveis de governo, assim como sobre a distribuição dos recursos arrecadados. 
Esperamos que, com auxílio do conteúdo aqui tratado, você possa contribuir para a disseminação do Programa Nacional de Educação Fiscal no Brasil.
Bom trabalho!
�
SUMÁRIO
CAPÍTULO 1 – ORIGEM DOS TRIBUTOS
CAPÍTULO 2 – SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL
2.1 – Competência Tributária
2.2 – Obrigação Tributária
2.3 – Fato Gerador da Obrigação Tributária
2.4 – Sujeitos da Obrigação Tributária
2.5 – Base de Cálculo, Alíquota e Lançamento Tributário
CAPÍTULO 3 – LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA
3.1 – Vigência da Norma Tributária
3.2 – Aplicação da Legislação Tributária
3.3 – Princípios Gerais de Direito Tributário
CAPÍTULO 4 – ESPÉCIES DE TRIBUTOS 
4.1 – Imposto
4.2 – Taxa
4.3 – Contribuição de Melhoria
4.4 – Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos
CAPÍTULO 5 – TRIBUTOS DA UNIÃO, DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS
5.1 – Impostos
5.1.1 – Impostos da União 
5.1.1.1 – Imposto sobre Importação de Produtos Estrangeiros - II
5.1.1.2 – Imposto sobre Exportação, para o Exterior, de Produtos Nacionais ou Nacionalizados – IE
5.1.1.3 – Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza – IR
5.1.1.4 – Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI
5.1.1.5 – Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários - IOF
5.1.1.6 – Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural – ITR
5.1.1.7 – Imposto sobre Grandes Fortunas – IGF
5.1.1.8 – Outros Impostos
5.1.2 – Impostos dos Estados
5.1.2.1 – Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos – ITDMC
5.1.2.2 – Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviço de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS
5.1.2.3 – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA
5.1.3 – Impostos dos Municípios
5.1.3.1 – Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana – IPTU
5.1.3.2 – Imposto sobre Transmissão Inter Vivos, a Qualquer Título, por Ato Oneroso de Bens Imóveis, por Natureza ou por Acessão Física, e de Direitos Reais sobre Imóveis, exceto os de Garantia, bem como Cessão de Direitos a sua Aquisição – ITBI 
5.1.3.3 – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (não compreendidos na área de incidência do ICMS) – ISS
5.2 – Taxas
5.3 – Contribuição de Melhoria
5.4 – Outras Espécies Tributárias
5.4.1 – Empréstimo Compulsório
5.4.2 – Outras Contribuições
5.4.2.1 – Contribuições Sociais
5.4.2.2 – Contribuição de Interesse de Categorias Profissionais 
5.4.2.3 – Contribuições de Interesse de Categorias Econômicas
CAPÍTULO 6 – IMPORTÂNCIA DOS DOCUMENTOS FISCAIS
CAPÍTULO 7 – DESONERAÇÃO TRIBUTÁRIA
CAPÍTULO 8 – REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS
8.1 – Repartição Indireta
8.2 – Repartição Direta
CAPÍTULO 9 – O FUNDEF
CAPÍTULO 10 – VINCULAÇÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS
CAPÍTULO 11 – CONCLUSÃO�
�
�
�
 
�
�
�
�
�
�
�
�
BIBILIOGRAFIA
DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. A questão fiscal e os trabalhadores. 1993.
FONTANELLA, Francisco Ricieri. Finanças Públicas: Lições introdutórias destinadas aos docentes do Programa de Educação Fiscal. Estado de Santa Catarina. Versão 6.9. junho de 2000.
GAMA, Heleny Uccello e Cássio R. Junqueira de Souza. Cidadania, Educação e Finanças Públicas. Folha do Fazendário – Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo. janeiro de 2000. 
SANTOS, Márcia Cristina Vaz e Antônio Luiz Pinto de Toledo. Código Tributário Nacional – 28° ed. São Paulo. Editora Saraiva. 1999.
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E FAZENDA. Vitória – ES. A História dos Tributos: Uma Conquista do Homem. 1993.
SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE SERGIPE. Trabalhando a Educação Fiscal como Tema Transversal – A Função Social dos Tributos. 2000.
SENADO FEDERAL, Subsecretaria de Edições Técnicas. Constituição da República Federativa do Brasil. 2000.
�
COORDENAÇÃO GERAL
SECRETARIA EXECUTIVA DO GEF
CONCEPÇÃO E REDAÇÃO 
HELENY UCCELLO GAMA – Escola Fazendária do Estado de São Paulo
MÁRCIA TEREZINHA JERÔNIMO OLIVEIRA – Secretaria de Estado da Fazenda de Sergipe
ODENOR AQUINO DA SILVA – Secretaria de Fazenda do Estado de Mato Grosso
WANDERLEY PERES DE LIMA – Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina
Exemplo de vigência extraterritorial da legislação tributária são as normas aplicáveis, no caso do ICMS, aos substitutos tributários (fabricantes, industriais, distribuidores, atacadistas) de produtos como cigarros, cerveja, chope, veículos, cimento, pneus, medicamentos, combustíveis e outros, por força de convênios firmados entre os Estados.
Empresas de outros Estados recolhem o imposto incidente nas operações praticadas com o Estado em cujo território a mercadoria é consumida.