A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Aula 02  Da produção artesanal à produção industrial

Pré-visualização | Página 1 de 4

Da produção artesanal à 
produção industrial
Ao fi nal desta aula, você deverá ser capaz de:
diferenciar produtos artesanais de industriais em
relação ao modo de produção;
em um estudo de caso, classifi car o modo de produção
de uma empresa.
2
ob
jet
ivo
s
A
U
L
A
Meta da aulaMeta da aula 
Analisar a passagem da produção artesanal à produção
industrial e seus refl exos nos estudos dos processos
111
222
30 C E D E R J
História do Pensamento Administrativo | Da produção artesanal à produção industrial
Nesta aula de História do Pensamento Administrativo, você irá observar alguns
aspectos históricos – de forma breve – em relação à evolução da mão-de-obra
e sua representação como categoria social, aplicando-os às práticas de trabalho
artesanal e industrial. 
Para tal, você está convidado a relembrar resumidamente alguns movimentos
sócio-históricos que permitiram o surgimento do trabalhador, sua inserção
na atividade trabalhista e na sociedade. Em seguida, você verá as principais
características das práticas administrativas de manufatura e indústria.
DOS ESCRAVOS AOS BURGUESES
Você já sabe que o Império Romano, marco da História Ocidental,
tinha como objetivo conquistar e ocupar novos territórios, colonizando-os.
Entretanto, essa colonização era nitidamente marcada por uma relação
servil – ou de subordinação direta, posto que os altos cargos públicos
eram ocupados, quase que exclusivamente, por romanos. Além disso,
era evidente o descontentamento dos povos colonizados, pois, além
de perderem sua liberdade, pagavam altos impostos para sustentar a
ascensão do Império e os grandes gastos do imperador.
Com a decadência e a destruição do Império Romano do Ocidente,
por volta do século V d.C., conseqüência das inúmeras invasões dos
povos bárbaros e das más políticas econômicas dos imperadores, várias
regiões da Europa passaram a apresentar baixa densidade populacional e
baixo desenvolvimento urbano. Isso ocorria devido às mortes provocadas
pelas guerras, às doenças e à insegurança existentes logo após o fi m do
Império.
INTRODUÇÃO
A partir do século V 
d.C., temos o início da chamada 
Idade Média. Em decorrência da queda 
do Império e das invasões, os nobres romanos
começaram a se afastar das cidades. Nessa
nova jornada, os nobres levavam consigo 
camponeses das cidades colonizadas 
(com medo de serem saqueados 
ou escravizados).
!!!!
C E D E R J 31
A
U
LA
 
2
 Os povos bárbaros dominaram a Europa Medieval, e isso levou
a uma conseqüência: tornou-se praticamente impossível a união dos
descendentes de nobres romanos para organizar novas cidades ou para
reunir as famílias de nobres e se reorganizarem. Entetanto, como eles
eram donos de pequenas áreas de terra, passaram a estabelecer uma nova
forma de sociedade: o feudalismo.
Os senhores feudais tinham como principal função guerrear e
defender seu feudo, além de exercer considerável poder político sobre
as demais classes. Os servos, constituídos pela maior parte da população
camponesa, presos à terra e sofrendo intensa exploração, eram obrigados
a prestar serviços ao senhor e a pagar-lhe diversos tributos em troca da
permissão de uso da terra e de proteção militar. 
Entretanto, paralelamente à expansão de alguns feudos, muitas
terras européias da Idade Média tornaram-se livres das relações servis
e do predomínio dos senhores feudais, por falência dos nobres ou por
incapacidade de gerir suas posses. Logo, tais terras transformaram-se
em cidades.
Essas cidades chamavam-se burgos, e os habitantes, burgueses.
Os cidadãos dessa nova categoria social tinham liberdade para
organizarem-se, e os papéis sociais na comunidade tornaram-se mais
diversos (ao contrário da simples relação servo/senhor), propiciando uma
atividade econômica vigorosa e o surgimento de profi ssionais autônomos
(como os mestres de carpintaria, por exemplo) para atender à demanda
de uma cidade.
DO SERVO AO ARTESÃO
Diferentemente dos feudos, nos quais o trabalho tinha por
fi nalidade a subsistência da comunidade, nos burgos existiam profi ssionais
(oriundos da classe dos camponeses, em sua maior parte) cujas habilidades
propiciavam um comércio de produtos necessários à vida social – como
roupas e ferramentas agrícolas, por exemplo –, e isso lhes assegurava um
certo status na comunidade.
Com a emergência das corporações de ofício (associações de
profi ssionais que trabalhavam em regime de cooperativas) na alta Idade
Média (séculos XIV e XV), surgiu a divisão do trabalho sob forma de
especialização na produção de determinadas categorias de bens. 
32 C E D E R J
História do Pensamento Administrativo | Da produção artesanal à produção industrial
O trabalho realizado, em oposição à produção de subsistência do
sistema feudal, tinha não só o objetivo de suprir necessidades da família,
mas, sobretudo, da sociedade como um todo. O excedente de produção
era oferecido no mercado regional e utilizado como objeto de troca e
venda. Tal sistema denominava-se economia de troca.
Corporações de ofício
As corporações agregavam membros
da sociedade que exerciam o mesmo ofício. 
Para fazer parte da corporação, era preciso 
inicialmente ser aceito como aprendiz por um mestre, 
ois este detinha o conhecimento do ofício, as ferramentas 
necessárias e a matéria-prima para a produção.
Os aprendizes viviam com os mestres em troca de comida e 
roupa, especialmente pela possibilidade de aprender um 
ofício, pois trabalhavam na ofi cina. O aprendizado das
tarefas era transmitido aos novos profi ssionais de maneira
predominantemente prática, no próprio local de trabalho. 
Mas o que o mestre ganhava em troca? Na verdade,
era bem simples. Em contrapartida ao ensino do
ofício, o mestre-artesão obtinha mão-de-
obra gratuita e fi el advinda de seus 
“pupilos”. 
??po?
A produção dessa época era em pequena escala, pois, como o
artesão produzia uma unidade de cada vez, só tinha condições de fazer
pequenas quantidades. Agrupados em ofi cinas, os artesãos tinham o
completo domínio sobre o seu trabalho e eram senhores da produção.
Além disso, o próprio método de produção artesanal fazia com que o
profi ssional fosse parte fundamental de todo o processo produtivo, desde
a seleção da matéria-prima até o acabamento fi nal. 
M
ar
ce
lo
 M
o
u
ra
Figura 2.1: Produ-
to manufaturado.
C E D E R J 33
A
U
LA
 
2
 
O Aprendiz
A palavra "aprendiz" nunca esteve tão em alta como atualmente, e isso se deve a uma série de
programas televisivos cujo título é justamente "O Aprendiz". Nestes, jovens (em sua maioria
universitários) são desafi ados a conquistar uma vaga cobiçadíssima ao lado do “mestre”.
No canal de TV a cabo People & Arts há dois: um comandado pelo super-empresário e
magnata Donald Trump e outro por Martha Stewart, idealizadora e apresentadora de um dos
programas de maior audiência nos EUA. 
O sucesso desse tipo de entretenimento se deve, entre 
outras razões, ao simples fato de que nele vão sendo 
revelados os elementos que permitiram aos “mestres” 
colecionar uma grande fortuna e ser extremamente 
bem-sucedidos nos negócios que comandam.
Para quem não tem TV a cabo, há uma versão brasileira 
comandada pelo empresário Roberto Justus e exibido 
pela Rede Record. A título de curiosidade, Justus é 
formado em Administração.
M
ar
io
 T
re
jo
Figura 2.2: O mapa da mina.
E a Administração, já existia? Sim, naquela época ela tinha como
base a adoção de controles contábeis-fi nanceiros com vistas ao registro
da movimentação de mercadorias entre regiões. Sua maior importância
centrava-se na organização da demanda da produção artesanal realizada
pelas corporações e nos ganhos e garantias obtidos pela comercialização