A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
293 pág.
Nocoes de Informatica

Pré-visualização | Página 7 de 50

em um tipo de memória auxiliar, que diminui o tempo de transmissão entre 
o processador e os outros componentes do computador. Como a evolução das memórias RAM não 
acompanham a dos processadores em termos de velocidade, e a solução principal para este problema 
seria utilizar um tipo de memória mais potente, como a SRAM (Static RAM), de custo muito elevado e 
sem o mesmo nível de miniaturização, acabou se criando a memória cache, que consiste em uma 
pequena quantidade de SRAM embutida no processador. 
1298056 E-book gerado especialmente para MARIA LICIA RODRIGUES
 
. 15 
Quando o processador precisa se comunicar com a memória RAM, o circuito chamado de controlador 
de cache, transfere blocos de dados utilizado pela RAM para a memória cache. Desta forma, o 
processador faz o acesso da memória cache diretamente, agilizando o processo de dados. Se o 
processador tiver que buscar os dados na memória RAM, a memória cache atuará como um intermediário, 
sem que seja necessário o contato direto com a memória RAM. 
O cache pode ser de dois tipos, o Cache L1 e o Cache L2. O cache começou a ser utilizado na época 
do 386 (1985), quando era opcional e era integrado à placa mãe. Junto ao 486, a Intel lançou um cache 
integrado diretamente ao processador, que foi batizado de cache L1 e o integrado à placa mãe passou a 
ser chamado de Cache L2 (ou secundário). 
 
 
 
 
 
Ao ser acionado, o processador busca os dados disponíveis na seguinte ordem: Cache L1, Cache L2 
e, por último, a memória. Com o passar do tempo, o cache L2 encontrado na placa mãe foi se tornando 
cada vez mais ineficiente, pois operava na frequência da placa mãe, enquanto o L1 operava na frequência 
do processador. Após o soquete 7, lançamento do Pentium Pro e com a introdução das memórias SDRAM 
e posteriormente as DDR, a diferença para o cache passou a ser pequena em relação as memórias, 
forçando a Intel a incorporar o cache L2 diretamente no processador, abandonando o L2 das placas mãe. 
Com o surgimento dos processadores quad-core, a divisão entre cache L1 e L2 ganhou um terceiro 
nível de cache, com 4 pequenos blocos de cache L1 e L2 (um para cada núcleo) e um grande cache L3 
compartilhado entre todos. 
 
 
 
- Barramentos (bus): Consiste em um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação 
entre dispositivos. São os barramentos que transmitem informações entre processador, memória, 
1298056 E-book gerado especialmente para MARIA LICIA RODRIGUES
 
. 16 
periféricos, etc. Por exemplo, permite a um processador de computador se comunicar com a memória ou 
uma placa de vídeo se comunicar com a memória 
 
 
 
Estas linhas de sinal contém informações de endereçamento que descrevem a posição de memória 
de onde os dados estão sendo enviados ou onde estão sendo recuperados. Cada linha carrega um único 
bit de informação, o que significa que, quanto mais linhas (fios) o barramento contém, mais informação 
pode endereçar. 
Existem diversos tipos de barramento, como USB, Firewire, Thunderbolt, Serial, etc. 
Além do clock interno (Frequência), os processadores também possuem o clock externo ou 
Barramento Frontal (Front Side Bus), que consiste em uma conexão elétrica específica que conecta o 
processador à um chip conhecido como ponte norte ou northbridge (um dos chips que constituem o 
chipset da placa mãe, além da southbridge). Para o correto funcionamento de um computador, o 
processador deve enviar ordens e submeter partes de informação para a memória do computador. 
 
 
MEMÓRIA RAM 
 
A memória RAM ou RANDON ACCESS MEMORY (memória de acesso randômico), é um o dispositivo 
responsável por armazenar informações temporárias que são geradas quando o computador está em 
funcionamento (com os programas funcionando). Toda informação residente na memória RAM se perde 
quando o computador é desligado. 
As memórias RAM3 (Random-Access Memory - Memória de Acesso Aleatório) constituem uma das 
partes mais importantes dos computadores, pois são nelas que o processador armazena os dados com 
os quais está lidando. Esse tipo de memória tem um processo de gravação de dados extremamente 
rápido, se comparado aos vários tipos de memória ROM. No entanto, as informações gravadas se perdem 
quando não há mais energia elétrica, isto é ,quando o computador é desligado, sendo, portanto, um tipo 
de memória volátil. 
Há dois tipos de tecnologia de memória RAM que são muitos utilizados: estático e dinâmico, isto é, 
SRAM e DRAM, respectivamente. Há também um tipo mais recente chamado de MRAM. Eis uma breve 
explicação de cada tipo: 
- SRAM (Static Random-Access Memory - RAM Estática): esse tipo é muito mais rápido que as 
memórias DRAM, porém armazena menos dados e possui preço elevado se considerarmos o custo por 
megabyte. Memórias SRAM costumam ser utilizadas como cache; 
- DRAM (Dynamic Random-Access Memory - RAM Dinâmica): memórias desse tipo possuem 
capacidade alta, isto é ,podem comportar grandes quantidades de dados. No entanto, o acesso a essas 
informações costuma ser mais lento que o acesso às memórias estáticas. Esse tipo também costuma ter 
preço bem menor quando comparado ao tipo estático; 
- MRAM (Magnetoresistive Random-Access Memory - RAM Magneto-resistiva): a memória MRAM vem 
sendo estudada há tempos, mas somente nos últimos anos é que as primeiras unidades surgiram. Trata-
se de um tipo de memória até certo ponto semelhante à DRAM, mas que utiliza células magnéticas. 
Graças a isso, essas memórias consomem menor quantidade de energia, são mais rápidas e armazenam 
 
3 Fonte: http://www.infowester.com/memoria.php 
 
1298056 E-book gerado especialmente para MARIA LICIA RODRIGUES
 
. 17 
dados por um longo tempo, mesmo na ausência de energia elétrica. O problema das memórias MRAM 
é que elas armazenam pouca quantidade de dados e são muito caras, portanto, pouco provavelmente 
serão adotadas em larga escala. 
 
Aspectos do funcionamento das memórias RAM 
As memórias DRAM são formadas por chips que contém uma quantidade elevadíssima de capacitores 
e transistores. Basicamente, um capacitor e um transistor, juntos, formam uma célula de memória. O 
primeiro tem a função de armazenar corrente elétrica por um certo tempo, enquanto que o segundo 
controla a passagem dessa corrente. 
Se o capacitor estiver armazenamento corrente, tem-se um bit 1. Se não estiver, tem-se um bit 0. O 
problema é que a informação é mantida por um curto de período de tempo e, para que não haja perda de 
dados da memória, um componente do controlador de memória é responsável pela função de refresh ( ou 
refrescamento), que consiste em regravar o conteúdo da célula de tempos em tempos. Note que esse 
processo é realizado milhares de vezes por segundo. 
O refresh é uma solução, porém acompanhada de “feitos colaterais”: esse processo aumenta o 
consumo de energia e, por consequência, aumenta o calor gerado. Além disso, a velocidade de acesso 
à memória acaba sendo reduzida. 
A memória SRAM, por sua vez, é bastante diferente da DRAM e o principal motivo para isso é o fato 
de que utiliza seis transistores (ou quatro transistores e dois resistores) para formar uma célula de 
memória. Na verdade, dois transistores ficam responsáveis pela tarefa de controle, enquanto que os 
demais ficam responsáveis pelo armazenamento elétrico, isto é, pela formação do bit. 
A vantagem desse esquema é que o refresh acaba não sendo necessário, fazendo com que a memória 
SRAM seja mais rápida e consuma menos energia. Por outro lado, como sua fabricação é mais complexa 
e requer mais componentes, o seu custo acaba sendo extremamente elevado, encarecendo por demais 
a construção de um computador baseado somente nesse tipo. É por isso que sua utilização mais comum 
é como cache, pois para isso são necessárias pequenas quantidades