A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
38 pág.
APRESENTACAO DA AULA 1

Pré-visualização | Página 1 de 2

HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA - SDE0028 
Aula 1: INTRODUÇÃO À EMBRIOLOGIA e HISTOLOGIA 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
O desenvolvimento humano se inicia quando um ovócito da mulher é fertilizado por um 
espermatozoide do homem. 
A partir desse acontecimento se inicia uma série eventos sucessivos que culminam com a formação 
do zigoto e finalmente um ser multicelular. 
Esses eventos são: 
 Divisão celular 
 Migração celular 
 Morte celular programada 
 Diferenciação celular 
 Crescimento e rearranjo celular 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Fases do desenvolvimento humano 
 Período pré-natal: antes do nascimento. 
 Período pós-natal: após o nascimento. 
Período pré-natal: 
 Período embrionário – terceira à oitava 
semana de desenvolvimento. 
 Período fetal – a partir da nona semana 
de desenvolvimento. 
Histologia e Embriologia 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
O período embrionário é o período em que 
ocorre a maioria das modificações visíveis. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Os nove meses da gestação podem ser divididos em 3 trimestres, sendo que o primeiro 
trimestre – período embrionário e início do fetal – abrange a fase mais crítica do 
desenvolvimento. 
• Grande parte dos abortos espontâneos. 
• Vulnerabilidade do embrião aos fatores do meio ambiente. 
• Malformações mais graves durante esse período. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
O conhecimento sobre o desenvolvimento normal e sobre as causas de defeitos congênitos é 
necessário para dar ao embrião e ao feto a maior chance possível de se desenvolver 
normalmente. 
Os defeitos congênitos são as causas mais comuns durante a infância. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
• A Embriologia é a ciência que estuda o desenvolvimento pré-natal de embriões e fetos – 
mudanças estruturais que ocorrem desde a fecundação até a formação do feto. 
 
• Teratologia – divisão da embriologia que estuda o desenvolvimento anormal – estudo dos 
defeitos do nascimento. 
 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Importância da embriologia: 
 Ponte entre o desenvolvimento pré-natal e a obstetrícia, medicina perinatal, pediatria, 
e anatomia clínica. 
 Desenvolve conhecimentos sobre o início da vida e as modificações que ocorrem 
durante o desenvolvimento pré-natal. 
 Auxilia a compreensão das causas de variações na estrutura humana. 
 Evidencia a anatomia e explica como as relações normais e anormais se desenvolve. 
 Apoia pesquisas e aplicação de células-tronco para tratamento de doenças crônicas. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
• Estudos sobre o embrião e feto remontam 
ao ano de 3000 antes de Cristo, no antigo 
Egito. 
 
• Hipócrates de Cós (460-377 a. C.), pai da 
medicina, registrou em livros os primeiros 
estudos sobre o embrião. 
 
• Leonardo da Vinci (1452-1519) fez 
desenhos de úteros contendo fetos (figura 
ao lado). 
 
• Em 1775, Lazaro Spallanzani mostrou que 
eram necessários ovócito e espermatozoide 
para gerar um novo ser ou indivíduo. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Teoria celular e embriologia (1839): 
1. O corpo é composto por células e produtos 
celulares. 
2. O embrião se desenvolve a partir de uma 
célula – o zigoto. 
3. O zigoto passa por várias divisões celulares, 
formando então o embrião. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Envolvimento da genética: 
• Os Seres humanos possuem 46 cromossomos 
dispostos em 23 pares. Destes, 22 pares são 
semelhantes morfologicamente e portanto são 
chamados de autossomos. 
• O último par possui diferenças morfológicas e 
forma o par de cromossomos sexuais. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Padrão do número de cromossomos: 
• As espécies mantêm sempre o mesmo número de cromossomos – esse número não 
sofre alterações ao longo da vida. 
• Nos seres humanos são 46 cromossomos – 2 conjuntos (2n) – um conjunto materno 
(n) e outro conjunto paterno (n). 
• As células de um indivíduo são chamadas de somáticas por possuírem 2 conjuntos de 
cromossomos – todas são 2n. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Padrão do número de cromossomos: 
 
• Para manter esse número constante, as células 
germinativas (ovócito e espermatozoide) somente 
possuem metade do número, isto é, um conjunto (n). 
• Durante sua formação, as células que dão origem às 
células germinativas passam por várias divisões 
celulares em que o número de cromossomos é 
reduzido a um conjunto. O nome dessa divisão é 
meiose. 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
• Quando o espermatozoide (n) 
fertiliza o ovócito (n) o padrão é 
reestabelecido – 2n. 
• A partir daí, outro tipo de divisão 
celular se inicia – a mitose – que será 
responsável pelo crescimento em 
número de células do embrião e do 
feto. 
 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
1. Cromossomos e malformações 
2. Alguns erros podem ocorrer durante a divisão meiótica (meiose) podendo gerar 
malformações – 25% das malformações são de origem genética. 
 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
1. Síndrome de Turner – ausência de um 
cromossomo sexual. 
2. Infantilismo sexual, em consequência da 
formação de ovários vestigiais, baixa estatura e 
pregas pterigonucais, que conferem às 
portadoras da doença o chamado pescoço de 
esfinge ou pescoço alado. A inteligência é, regra 
geral, normal. 
 
Histologia e Embriologia 
Desenvolvimento Humano 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Síndrome de Down – trissomia do par 21. 
Características físicas parecidas com outros portadores: dorso do nariz achatado, língua saliente, 
orelhas com pequenas dobras salientes, dedos curtos, com o quinto dedo curvado. 
Histologia e Embriologia 
Histologia 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
 Histologia – É o estudo dos tecidos do corpo e como se organizam para formar os órgãos. 
 Os tecidos são constituídos por células e matriz extracelular (MEC) que elas próprias 
produzem. 
 Há intensa interação entre as células e a MEC que, apesar de ser produzida pelas células, 
influenciam nestas direta e intensamente. 
 A MEC é constituída por fibras proteicas e polissacarídeos. 
 
Histologia e Embriologia 
Histologia 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
Histologia e Embriologia 
Histologia 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
• As moléculas da matriz se ligam a 
receptores específicos na membrana 
celular e se conectam a moléculas no 
citoplasma das células. 
 
• As células e a matriz extracelular (MEC) 
funcionam em conjunto e respondem às 
necessidades do organismo. 
 
Histologia e Embriologia 
Histologia 
AULA 1: Introdução à embriologia e histologia 
A MEC tem como funções: 
• Rodeia as células dando suporte às mesmas e 
preenchendo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.