Trabalho de Infraestruturas
20 pág.

Trabalho de Infraestruturas

Pré-visualização3 páginas
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI
CAMPUS ALTO PARAOPEBA
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
	
	
	Projeto Geométrico Rodoviário
Ortofotocarta 40-3
	
	
Gabíria Rafaela Rodrigues Ferreira \u2013 174150056
Guilherme Gregório Arêdes Vieira \u2013 174100053
Jaqueline de Carvalho Caires \u2013 114150026
Jéssica Cristina Chaves Ramalho \u2013 164150058
Joseane Silva de Souza \u2013 134150042
Larissa Regina Costa Silveira \u2013 174100034
Rhully Cristian Vidal Rocha \u2013 164150070
Ouro Branco - MG
Dezembro de 2017
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI
CAMPUS ALTO PARAOPEBA
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
Projeto Geométrico Rodoviário
Ortofotocarta 40-3
Trabalho apresentado à disciplina de Infraestrutura de Vias Terrestres do curso de Engenharia Civil da UFSJ como parte da avaliação. 
Professor: Paulo Roberto Borges
Ouro Branco - MG
Dezembro de 2017
Lista de Figuras
Figura 1 - Localização da Rodovia no Brasil	7
Figura 2 - Localização da Rodovia no Distrito Federal	7
Figura 3 - Ortofotocarta 40-3. (Fonte: Terracap Map (DF))	8
Figura 4 - Latossolo do Cerrado brasileiro. (Fonte: Código Florestal)	9
Figura 5 - Traçado (AutoCad Civil 3D)	12
Figura 6 - A x L	18
Lista de Tabelas
Tabela 1 - Volume de Tráfegos / Critério de Classificação de Rodovias. (Fonte: Manual de Implementações Básicas de Rodovias, DNIT,2010).	13
Tabela 2 \u2013 Largura do Acostamento Externo (m)	14
Tabela 3 \u2013 Síntese das Características dos Sistemas Funcionais das Rodovias. (Fonte: Departamento de Estradas de Rodagem).	15
Tabela 4 - Valores Máximos Admissíveis para os Coeficientes de Atrito Transversal f. (Fonte: FONTES, 1995).	16
Tabela 5 \u2013 Valores dos Raios Acima dos quais é Dispensável a Superlargura.	17
INTRODUÇÃO
	O planejamento de uma via surge a partir da necessidade de interligar dois ou mais locais. A construção de uma nova via trás influências políticas, ecológicas, sociais e econômicas sobre a região em que será implantada, sendo assim, faz-se necessário maximizar os benefícios e minimizar os impactos e os custos, buscando melhor atender aos interesses da população na escolha do traçado.
	A infraestrutura de vias terrestres inclui o projeto geométrico de rodovias, e este relatório têm como objetivo expor um traçado do modal rodoviário a fim de solucionar uma necessidade exposta pela Ortofotocarta 40-3.
	O traçado final proposto por este projeto foi elaborado tendo em vista a relação de custo-benefício da infraestrutura da via rodoviária, assim como, aspectos sociais e ambientais.
	Este relatório apresentará o traçado desenvolvido, além de justificar a decisão de utilizar o mesmo para a elaboração do projeto. A partir dessa escolha, será desenvolvida uma solução para a construção da rodovia.
	O projeto necessitará de cortes e aterros que também serão expostos e detalhados neste trabalho.
MAPA DE SITUAÇÃO 
	Os pontos a serem ligados pela rodovia localizam-se no Distrito Federal. 
	Os mapas de localização, representados pelas Figuras 1 e 2 mostram o detalhamento da área onde será executada a rodovia.
Figura 1 - Localização da Rodovia no Brasil
Figura 2 - Localização da Rodovia no Distrito Federal
FASES INICIAIS 
	Realizou-se um estudo da região para a implantação da Rodovia, levando em consideração a topografia do local e a demanda de projeto, visando ter um aproveitamento adequado do terreno e o máximo desempenho da rodovia. Alguns fatores foram levados em consideração, tais como, estudos aerofotogramétricos, estudos geotécnicos, estudos topográficos, estudo da fauna e flora. 
	Mediante a realização do estudo, obtiveram-se duas alternativas de traçado do trecho.
Estudos Aerofotogramétricos 
	Toda base cartográfica e estudos realizados são oriundos da ortofotocarta 40-3 obtida através da Terracap Map (DF). 
	Inicialmente, definiu-se uma área que levasse em consideração as características geológicas e geomorfológicas do terreno onde se situavam os cinco pontos pré-determinados para a passagem da rodovia. Na Figura 3, pode-se observar a ortofotocarta em questão, sendo que os círculos em vermelho representam os pontos de passagem da rodovia.
Figura 3 - Ortofotocarta 40-3. (Fonte: Terracap Map (DF))
Estudos Geotécnicos e Topográficos 
	A rodovia a ser construída será instalada em uma área localizada no Planalto Central brasileiro, que se situa na região Centro-Oeste do país. Esta região possui o clima tropical semiúmido, vegetação de cerrado e Mata Atlântica. Com relação ao relevo, este é composto de rochas cristalinas e sedimentares, além das grandes extensões de latossolos. Por ser um planalto, o relevo dessa região é plano e alto, com altitudes que variam de 300 a 1650 metros. 
	Os estudos topográficos desenvolveram-se entre as estacas 00+00.00 e 109+00.00 das obras de execução do Projeto rodoviário, através de levantamento planialtimétrico cadastral referenciado ao sistema de coordenadas existente na obra, atendendo às normas da ABNT e especificações do DNIT. 
	Em relação aos solos abrangentes nessa região, a maioria deles é classificada como latossolos, eles estão presentes em 46% da área. Esse tipo de solo é predominante nas áreas de cerrado e sua coloração varia entre o vermelho e o amarelo, são bem drenados em grande parte do ano, apresentam acidez e toxidez de alumínio. São pobres em nutrientes para as plantas. Mas outros tipos solos também se destacam, como os pedregosos e rasos, geralmente de encostas, os arenosos e os orgânicos, Figura 4.
Figura 4 - Latossolo do Cerrado brasileiro. (Fonte: Código Florestal)
	O estudo geotécnico realizado no local da obra foi o de sondagem a percussão, este ensaio que tem como finalidade:
Determinar o perfil geológico;
Analisar a capacidade de suporte de carga das diferentes camadas de subsolo;
Determinar o nível do lençol freático;
Apontar eventuais zonas de ruptura que possam ocorrer na superfície em questão. 
	A execução do ensaio respeitou as determinações da ABNT. Com os resultados obtidos: foi constado que o solo em questão, pertence ao grupo dos Latossolos, onde este possui uma boa resistência apresentando uma excelente capacidade a processos de compressão, proporcionando uma grande facilidade de suporte de cargas sem comprometer a fundação com fissuras ou cisalhamento em seu termo. Levando isso em consideração, chegou-se à conclusão de que não seria necessário a realização de estudos geológicos mais profundos no terreno.
Estudo da Fauna e Flora 
	O planalto central possui uma flora bem diversificada, com mais de 3 mil espécies de vegetais, das quais podemos citar o ipê, a aroeira, o pequi, a copaíba e as orquídeas. 
	As características dessas espécies são seus galhos tortuosos e de pequeno porte, as raízes destes arbustos são profundas, as cascas destas árvores são duras e grossas e as folhas são cobertas de pelos. 
	Além da flora, a fauna é muito rica com mais de 1500 espécies de animais desde aves, mamíferos, répteis, anfíbios e insetos. As principais espécies de animais encontradas no Cerrado são: anta, cervo, onça-pintada, suçuarana, tatu-canastra, lobo-guará, lontra, tamanduá-bandeira, gambá, ariranha, gato-palheiro, veado-mateiro, cachorro-do-mato vinagre, macaco-prego, quati, queixada, porco-espinho, capivara, tapiti e preá. 
	Infelizmente, em função do avanço dos agronegócios, principalmente de soja, o cerrado vem diminuindo a cada dia. A pecuária de corte também tem colaborado para a diminuição deste tipo de vegetação. Segundo ambientalistas, nas últimas 5 décadas, a vegetação do cerrado diminuiu 50% de seu tamanho inicial. Dos 2.038.953 km² da área original do cerrado, apenas 1.038.605 km² (50,9%) encontra-se preservada.
DESCRIÇÃO GERAL DA RODOVIA
Descrição Técnica 
Com relação à rodovia, esta deve passar por cinco pontos (1, 2, 3, 4 e 5), suas respectivas cotas são 1.050 m, 1.045 m e 1.055