A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Inclusão Social bioquímica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fundação Educacional de Duque de Caxias
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FEUDUC)
O Ensino Molecular voltado para crianças Portadoras de Necessidades Especiais do Ensino Fundamental
Trabalho apresentado à Professora
 Tilda Freires na Disciplina de Bioquimica
 Para obtenção de nota.
Duque de Caxias,
2017
Tema: O ensino molecular voltado para crianças portadoras de necessidades especiais no 9º ano do Ensino Fundamental.
Palavras-Chave: Química, Inclusão social, crianças portadoras de necessidades especiais. 
Resumo:
 A palavra “deficiente” possui valores morais de significado muito forte se contrapondo a eficiente o que acaba fazendo as pessoas supor que o deficiente não é capaz é um sem inteligência, incompetente ou até mesmo preguiçoso. Gerando sentimentos vindo do pré-conceito, como desprezo e pena. No entanto quando passamos a conviver com uma pessoa com deficiência vemos que ela tem sim dificuldades de realizar algumas tarefas determinadas, mas isso não às fazem incapazes de executar essas tarefas.
 Se torna fácil afirmar que ainda continuam existindo muitos obstáculos e o maior deles, sem dúvidas é a não informação da sociedade, que por sua vez ocasiona o afastamento dos deficientes do convívio pleno da cidadania. O individuo com deficiência visual, por exemplo, pode deve participar de forma ativa emespaços da vida social e inclusive na vida escolar, porém algumas barreiras ainda são encontradas para concluir essa inclusão.
 Toda criança posui necessidade de aprendizagem que são únicas e aquelas com necessidades especiais também deve ter acesso a escola regular. Os educadores precisam se preparar e se adaptar pra buscar novas formas de ensino e situações diversificadas, tornando mais concreto o que se é dado em sala de aula.
Objetivo e Justificativa:
 Analisando as concepções dos artigos e sites estudados a inclusão e integração no ambiente escolar, o desempenho e desenvolvimento de alunos portadores de deficiência no ensino de química, os materiais disponíveis para alunos e professores. E métodos utilizados em sala de aula.
Metodologia:
 Quando nos referimos às disciplinas como Química (ou ciências em determinadas séries), tem um estimulo visual muito grande, pois tem muita representação de gráficos, desenhos, estruturas fundamentais.
 Fora essas questões a aprendizagem como estrutura molecular são relevantes e precisam ser trabalhados de modo diferenciado com esses alunos.
 Assim, para representação das moléculas seria criado, através de massa de modelar, bem coloridas (para alunos com baixa visão) e permitir percepções táteis, por apresentar diferentes texturas (para alunos que não enxergam nada). 
 Foi contatado que, grande partes dessas atividades utilizadas para o ensino molecular tem alto grau de abstração e complexidade, já que para os que não enxergam apresentam modelos imaginários.
Conclusão:
 Partindo desses conceitos, foi observado que no ensino regular, o numero de alunos com deficiência visual é muito baixo, e baseado nesse fato, a presente pesquisa visou analisar que tipos de dificuldades entre alunos e professores existem, que com novos métodos (como as formas moleculares apresentadas com massa de modelagem) de certa forma ajudam a inclusão desses alunos.
Referência Bibliográfica:
Para guia ortográfico um Mini Dicionário Escolar de Língua Portuguesa.
BERTALLI, Jucilene G. Ensino de Química para Deficientes Visuais. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química. Curitiba-PR, 2008.
BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitative em educação: uma introdução à teoriae aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994-2006. 336p. (ciências da educação; 12).
HTTP://www.cedipod.org.br
BROWN, T.L, LEMAYER, H. E., BURSTEN, B. E. JR., BURDGE, J. A química, a ciência central, Tradução da 9ª Edição americana, Printice Hall, 2005.
CARVALHO, K, M., GASPARETO, M.E., VENTURINI, N. B., JOSÉ, N. K. Visão Subnormal: orientações ao professor do ensino regular – 3ª Ed. Revista – Campinas, SP: Editora Unicamp, 2002.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.