A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Exercicios

Pré-visualização | Página 1 de 2

EXERCÍCIOS DE GENÉTICA
Qual a probabilidade de um casal ter dois filhos do sexo masculino?
½ menino X ½ menino = ¼ 
Um casal quer ter dois filhos. Qual é a probabilidade de um ser menina e o outro menino?
½ menina X ½ menino = ¼
É ½, pois só existe duas possibilidades de filho, ou menino ou menina. (e = multiplicação)
3) O albinismo tipo I na espécie humana é condicionado por um alelo recessivo. Pedro (P) apresenta pigmentação normal na pele, e seus pais também são normais. Sua avó materna e seu avô paterno, porém, são albinos. Maria (M) também apresenta pigmentação normal na pele; na parte de mãe nunca houve, nem na mais ancestralidade, qualquer caso de albinismo. O pai de Maria também é normal, mas seu avô paterno é albino. Pedro e Maria procuram um geneticista para pedir esclarecimento e aconselhamento genético. O casal tinha as seguintes perguntas:
a) Há alguma chance de termos um filho albino?
b) Se tivermos um filho albino, qual é a probabilidade de outro também ser albino?
A família de Maria é expressa no heredrograma como AA, pois no enunciado diz: ‘’Maria (M) também apresenta pigmentação normal na pele; na parte de mãe nunca houve, nem na mais ancestralidade qualquer caso de albinismo’’.
Pedro pode ser AA ou Aa o mesmo ocorre com Maria
Primeiro cruza-se os genótipos dos pais de Pedro e de Maria para saber a probabilidade deles serem heterozigotos. 
 
Pedro tem 2/3 de chance de ser heterozigoto.
 Maria tem 2/4 = 1/ 2 de chance de ser heterozigota. 
Considerando que Pedro e Maria sejam heterozigotos, e cruzando AaxAa a probabilidade deles terem um filho albino é de ¼ , pois os genótipos resultantes serão: AA; Aa; Aa; aa. 
Para obter o resultado multiplicam-se as três probabilidades: de Pedro ser heterozigoto, de Maria ser heterozigota e se ambos forem heterozigotos a probabilidade de se obter filhos albinos, ou seja:
2/3 x ½ x ¼ = 2/ 24 = 1/12 
A probabilidade de se ter outro filho albino será a mesma. 
4) A família genealógica a seguir representa uma família estudada quanto aos grupos sanguíneos do sistema ABO e do sistema Rh. Na árvore, o símbolo que representa as pessoas – quadrado para o homem e círculo para mulher – é dividido por um traço vertical, com o lado esquerdo representando o fenótipo para o sistema ABO, e o lado direito representando o fenótipo para o sistema Rh.
 
Qual é a probabilidade de um filho do casal 5 x 6 ter sangue dos tipos O/Rh- ou A/Rh+?
A mulher 5 tem genótipo IA i , pois recebeu o alelo A do pai que é AB (IAIB) e como a mãe é do tipo sanguíneo O (ii) ela só poderá doar o alelo i , deste modo 5 tem fenótipo A (IAi) e Rh rr (negativo). O homem 6 tem fenótipo O portanto, genótipo ii e Rh Rr (positivo), pois um r recebeu da mãe (rr) que tem Rh – (negativo), mas apesar de não se saber o fator Rh do pai, pelo fato do 6 ter Rh + ele necessariamente apresenta pelo menos um alelo R. 
A probabilidade de um filho ser O/Rh – (negativo) é 50% O (ii) e 50% negativo (rr), portanto como o enunciado pede que seja O e Rh – multiplica-se as probabilidades, tendo como resposta ½ O x ½ Rh - = ¼ O – (negativo) ou sendo A seria 50% A ( IAi) e 50% positivo ( Rr), portanto seria ½ A x ½ Rh + = ¼ A+. Como o exercício pede O/Rh- ou A/Rh+, sempre que tiver ‘’ou’’ soma-se as probabilidades. 
Quando o homem 6 ainda era noivo da mulher 5, uma antiga namorada O/Rh+ o acusou de ser pai de seu filho, uma criança A/Rh-. Pelo que se conhece sobre herança dos grupos sanguíneos, essa acusação tem procedência?
Não, o homem 6 tem fenótipo O, seu genótipo é ii, a mulher em questão também é O, portanto, ambos só possuem o alelo i para doar para seu filho ou filha, neste caso, a criança para ser filho (a) do homem 6 não apresentaria fenótipo A, pois precisa receber de um dos dois um alelo IA que ambos não possuem. Logo, o homem 6 não é o pai desta criança. 
5) Periquitos australianos apresentam grandes diversidade de cores, determinadas por dezenas de genes. No entanto, na determinação das cores básicas da plumagem dessas aves – verde, azul, amarela e branca – estão envolvidos dois genes principais, cada um com dois alelos A/a e B/b, que se segregam independentemente. Periquitos homozigóticos recessivos (aabb) são brancos; periquitos com pelo menos 1 alelo dominante de cada gene (p.ex. AaBb) são verdes; periquitos que possuam dois alelos recessivos aa e um alelo dominante B são amarelos; periquitos que possuam dois alelos recessivos bb e um alelo dominante A são azuis. Determine a proporção de aves verdes, azuis, amarelas e brancas na descendência do cruzamento de dois periquitos AaBb.
Cruzamento de dois periquitos verdes AaBb X AaBb 
 
 P (Aa) ¾ x P (Bb) ¾ = ¾ x ¾ = 9/ 16 ( AaBb) verdes 
P (Aa) ¾ x P (bb) ¼ = ¾ x ¼ = 3/16 (Aabb) azuis
P (aa) ¼ x P ( Bb) ¾ = ¼ x ¾ = 3/16 (aaBb) amarelos 9/16 + 3/16 + 3/16+ 1/16 = 16/16 = 1 
P (aa) ¼ X P (bb) ¼ = ¼ x ¼ = 1/ 16 ( aabb) branco 
Resposta: De 16 periquitos australianos, 9 terão plumagem verde, 3 terão plumagem azul, 3 terão plumagem amarela e 1 terá plumagem branca.
6) O daltonismo tem herança ligada ao cromossomo X. Analise o heredograma abaixo e responda:
a) Qual a probabilidade de uma criança filha do casal vir a ser não-daltônica?
b) Sabendo que o casal já tem um filho homem não-daltônico, qual a probabilidade de um próximo filho homem do casal ser daltônico?
 
 
Probabilidade de uma filha não daltônica 
 Explicação da questão: Só existe duas possibilidades de filhas com genótipos respectivamente, XDXd e XdXd, se o pai é daltônico e a doença está relacionada ao cromossomo sexual X que no pai está afetado, ele só poderá doar para a filha o alelo afetado Xd e a mãe neste caso por não estar marcada como daltônica (cor preta) no heredrograma, possui um alelo XD vindo da sua mãe (sua mãe pode apresentar o genótipo XDXD ou XDXd), mas do pai recebeu o alelo Xd afetado, portanto, a mãe é portadora do daltonismo, mas, não manifestou a doença, entretanto ela passará os genes para os seus filhos (sexo masculino), que serão daltônicos se receberem o alelo Xd já que o único X que receberão terá necessariamente que vir da mãe ou não daltônicos se receberem o alelo XD; e as suas filhas também entram na mesma situação, podendo ser portadoras XDXd já que receberão o Xd afetado do pai ou daltônicas XdXd se além do Xd do pai também receberem o Xd da mãe. 
Filhas genótipos possíveis XDXd ou XdXd 
XDXd – portadora, não – daltônica = ½ se só se considerar as filhas, ou ¼ se considerar a quantidade total de filhos sem no primeiro momento distinguir os sexos. 
Probabilidade de ser filho (homem) e daltônico (XdY) é ½ se só se considerar os filhos ou ¼ se considerar a quantidade total de filhos do casal sem no primeiro momento distinguir os sexos. 
7) Na genealogia a seguir, os indivíduos assinalados com preto apresentam uma anomalia determinada por um gene dominante:
 
Analisando essa genealogia, é correto afirmar:
a) Todos os indivíduos afetados são homozigotos. 
b) Todos os indivíduos não afetados são heterozigotos.
c) Apenas o indivíduo 1 é heterozigoto.
d) Apenas os indivíduos 1, 3 e 6 são heterozigotos.
e) Apenas os indivíduos 1 e 2 são homozigotos.
 
Explicação da questão: Se os indivíduos pretos apresentem uma anomalia determinada por um gene dominante, estes precisarão ter pelo menos um alelo A (dominante), em contrapartida, os indivíduos brancos por não estarem marcados na cor preta não apresentam a doença, então não apresentam alelos dominantes, tendo o genótipo recessivo e a recessividade é expressa em homozigose, sendo o genótipo destes aa, para determinar o outro alelo dos indivíduos afetados pela doença, basta observar o genótipo dos