atrite psoriase e sindrome de reiter SLIDES
25 pág.

atrite psoriase e sindrome de reiter SLIDES


DisciplinaFisioterapia na Saúde do Idoso985 materiais3.162 seguidores
Pré-visualização1 página
ARTRITE PSORÍASE
ESPONDILOARTROPATIAS SORONEGATIVAS
Predisposição genética comum
Alelo HLA B27 e outros genes como o da interleucina 1
Fator Reumatóide Negativo
ESPONDILOARTROPATIAS SORONEGATIVAS
\u201cA artrite psoríase pode ser definida como uma doença articular inflamatória em pacientes com psoríase e teste negativo para o fator reumatóide. É uma artrite soronegativa que acompanha a psoríase cutânea\u201d
DEFINIÇÃO
FISIOTERAPIA REUMATOLÓGICA :CHIARELLO, Berenice,DRIUSSO, Patricia
A PSORÍASE NÃO TEM PREDOMINIO POR SEXO
ACOMETE 1 A 3% DA POPULAÇÃO ADULTA E , EM MÉDIA, 5 A 10% DESSES DESENVOLVEM A AP.
IDADE MAIS FREQUENTE É ENTRE 30 A 45 ANOS PARA O APARECIMENTO DOS SINTOMAS
A INFLAMAÇÃO NA PELE É INDEPENDENTE DA ARTRITE, SENDO 90% DOS PACIENTES PSORÍASICOS NUNCA A DESENVOLVERÃO
EM 75% DOS CASOS, A PSORÍASE PRECEDE A ARTRITE, EM 15% TEM INICIO SINCRONIZADO E, EM 10%, A ARTRITE PRECEDE A PSORÍASE.
EPIDEMIOLOGIA
AINDA É INCERTA. 
ENVOLVE FATORES GENÉTICOS, IMUNOLÓGICOS E AMBIENTAIS
PREDISPOSIÇÃO DA PELE + ALGUM FATOR QUE ORIGINE O PROCESSO COMO AMBIENTAL OU TRAUMA PSÍQUICO.
O ESTRESSE E ALGUMAS CONDIÇÕES PSIQUIÁTRICAS PODEM SER RESPONSÁVEIS PELA SUPRESSÃO IMUNOLÓGICA, RESULTANDO EM MANIFESTAÇÕES SOMÁTICAS COMO A AP.
ETIOPATOGENIA
OS SINTOMAS PODEM SE INICIAR EM UMA OU MAIS ARTICULAÇÕES.
PODE OCORRER INFLAMAÇÃO NAS UNHAS, NA PELE, NAS ARTICULAÇÕES, NO APARELHO GENITAL, NO SISTEMA LINFÁTICO E NAS ÊNTESES. 
A ALTERAÇÃO NAS UNHAS É VISTA EM 60 A 90% DOS CASOS.
ALTERAÇÕES DE FUNDO EMOCIONAL QUASE SEMPRE PIORAM AS LESÕES DE PELE E PODEM PRECEDER A ARTRITE.
QUADRO CLÍNICO
ARTRITE OLIGOARTICULAR
POLIARTRITE SIMÉTRICA
ARTRITE PSORIÁSICA CLÁSSICA
ARTRITE MUTILANTE
FORMA ESPONDILÍTICA
TIPOS DE ARTRITE PSORÍASE
ACOMETE AS ARTICULAÇÕES INTERFALÂNGICAS PROXIMAL E DISTAL, METACARPOFALÂNGICAS E METATARSOFALÂNGICAS. É ASSOCIADA A TENOSSINOVITES E FLEXORES, FORMANDO OS \u2018\u2018DEDOS EM SALSICHA\u2019\u2019.
15% DOS CASOS.
ARTRITE OLIGOARTICULAR
SEMELHANTE A ARTRITE REUMATÓIDE, COM TENDÊNCIA ANQUILOSANTE EM INTERFALÂNGICA PROXIMAL, PORÉM, APRESENTA FATOR REUMATÓIDE NEGATIVO.
5% DOS CASOS.
POLIARTRITE SIMÉTRICA
ARTICULAÇÕES INTERFALÂNGICAS SEM ACOMETIMENTO DE OUTRA ARTICULAÇÃO, COM LESÕES UNGUEAIS FREQUENTEMENTE ASSOCIADAS.
70% DOS CASOS.
ARTRITE PSORIÁSICA CLÁSSICA
É A FORMA MAIS GRAVE, COM LESÕES OSTEOLÍTICAS SÉRIAS DAS FALAGENS E DAS ARTICULAÇÕES METACARPOFALANGIANAS QUE LEVAM A REABSORÇÃO. 
5% DOS CASOS.
ARTRITE MUTILANTE
ENVOLVIMENTO AXIAL, COM COMPROMETIMENTO DE ARTICULAÇÕES SACROILÍACAS E COLUNA, COM SACROILEÍTE ASSIMÉTRICA E SINDESMÓFITOOS ATÍPICOS.
5% DOS CASOS
FORMA ESPONDILÍTICA
ALTERAÇÕES RADIOLÓGICAS: NÃO HÁ ALTERAÇÕES ESPECÍFICAS PORÉM ALGUMAS SÃO BEM SUGESTIVAS COMO: PREDILEÇÃO PELAS ARTICULAÇÕES INTERFALANGICAS DISTAIS, O AFINAMENTO DE FALANGES TERMINAIS ( DEDOS EM PONTA DE LÁPIS) E ETC.
EXAMES LABORÁTORIAIS: NÃO HÁ ALTERAÇÕES ESPECÍFICAS, OBSERVA-SE RESULTADOS TÍPICOS DE DOENÇA INFLAMATÓRIA CRÔNICA. EX: O HEMOGRAMA MOSTRA ANEMIA.
DIAGNÓSTICO
O DIAGNÓSTICO CONSISTE NO ENVOLVIMENTO OBRIGATÓRIO DE PELE E UNHAS SOMADO A UM DOS SEGUINTE ITENS:
DOR E INCHAÇO DAS ARTICULAÇÕES INTERFALÂNGICAS DSITAIS POR MAIS DE 4 SEMANAS.
DOR E INCHAÇO DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS POR MAIS DE 4 SEMANAS.
DOR NA COLUNA E RIGIDEZ COM RESTRIÇÃO A MOVIMENTOS POR MAIS DE 4 SEMANAS. 
DIAGNÓSTICO
TRATAMENTO MEDICAMENTOSO: ATÉ O MOMENTO NÃO EXISTE MEDICAMENTO ESPECÍFICO PARA CURA DESSA DOENÇA, PÓREM, OS RECURSOS TERAPÊUTICOS DISPONÍVEIS POSSIBILITAM O CONTROLE DA DOENÇA.
TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO: O OBJETIVO DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO É MANTER A HABILIDADE FUNCIONAL. 
CINESIOTERAPIA : MOBILIDADE ARTICULAR, FORÇA MUSCULAR E RESISTÊNCIA. 
CRIOTERAPIA : ANALGESIA
TERMOTERAPIA : RELAXAMENTO MUSCULAR
HIDROTERAPIA : NÃO É CONTRA-INDICADA DESDE QUE A PELE NÃO ESTEJA DESCAMANDO, POIS O CLORO PODE CAUSAR IRRITAÇÃO.
TRATAMENTO
ORIENTAÇÕES AO PACIENTE
SÍNDROME DE REITER
ESPONDILOARTROPATIAS SORONEGATIVAS
 
DEFINIÇÃO
É uma doença reumática em resposta a uma infecção em outra parte do corpo.
É uma doença com tendência a ser crônica.
Foi descrita em 1916, a partir de prisioneiros de guerra, da primeira grande guerra.
Afetando pacientes após uma infecção bacteriana aguda intestinal ou urogenital.
Acomete geralmente indivíduos jovens entre 20 e 40 anos. Na proporção de até dez homens para uma mulher.
EPIDEMIOLOGIA
Sua Etiologia não é totalmente conhecida.
80% dos pacientes possuem fatores predisponentes a síndrome devido a presença do gen HLA-B27
ETIOLOGIA E PATOGENIA
O quadro clínico se inicia geralmente duas a quatro semanas após uma infecção do trato gastrointestinal ou geniturinário.
Essa início ocorre após uma diarréia ou exposição sexual.
Quando problemas entéricos e urogenitais já se resolveram, e o agente causador não pode ser mais cultivado das fezes ou da secreção uretral.
QUADRO CLÍNICO
Não existe cura apenas tratamento para melhoria de vida. 
É fundamental a orientação do paciente e dos familiares sobre os riscos de evolução da doença e vinculo com relação sexual.
TRATAMENTO CLÍNICO
Manter a habilidade funcional
O programa deve fazer com que o paciente também possa realizar em sua casa.
Cinesioterapia
Crioterapia
Hidroterapia
FISIOTERAPIA
CHIARELLO,Berenice. Fisioterapia Reumatológica. SP, Manole 2005.
https://www.reumatologia.org.br/doencas/principais-doencas/espondiloartropatias-soronegativas/
https://pt.slideshare.net/drmartindemera/espondiloartropatia-seronegativa
http://reumatologiapr.com.br/artrite-psoriasica/ 
http://rsaude.com.br/umuarama/materia/o-que-e-psoriase-e-artrite-psoriasica/14287 
http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=2149
https://g.co/kgs/PNQ9Df
http://artritereumatoide.blog.br/artrite-reativa-sindrome-de-reiter/
REFERÊNCIAS