LIVRO ENGENHARIA DE  PRODUÇÃO   TÓPICOS E APLICAÇÕES
239 pág.

LIVRO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO TÓPICOS E APLICAÇÕES


DisciplinaEngenharia7.108 materiais17.954 seguidores
Pré-visualização46 páginas
v. 108, p.161-175, 1978. 
PINHEIRO, F .A.; TRÓCCOLI, B. T. e PAZ, M. G. T. Aspetos 
Psicossociais dos Distúrbios osteomusculares (DORT/LER) 
Relacionados ao Trabalho. In: MENDES, A. M.; BORGES, L. O.; 
FERREIRA. M.C. (Org.), Trabalho em Transição Saúde em Risco, 
Brasília: UnB/FINATEC, p.65- 85, 2002. 
RODRIGUES, M. V. C. Qualidade de vida no trabalho: evolução e 
análise no nível gerencial. Petrópolis: Vozes, 1995. 
SALLES-COSTA, R.; HEILBORN, M. L.; WERNECK, G. L.; FAERSTEIN, 
E.; LOPES, C. S. Gênero e prática de atividade física de lazer. 
Cadernos de Saúde Pública, v. 19, sup. 2, p. 325-333, 2003. 
SANDERS, M. S.; MCCORMICK, E. J. Human factors engineering and 
design. McGraw-Hill: New York, 1993. 
SANTANA, V. S.; ARAUJO-FILHO, J. B.; ALBUQUERQUE-OLIVEIRA, P. 
R.; BARBOSA-BRANCO, A. Acidentes de trabalho: custos 
previdenciários e dias de trabalho perdidos. Revista de Saúde 
Pública, v. 40, n. 6, p. 1004-1012, 2006. 
SILVA, M. A. D. S.; MARCHI, R. Saúde e qualidade de vida no 
trabalho. Círculo do Livro: São Paulo, 1997. 
TEIXEIRA, C. S.; PEREIRA, É. F.; ROCHA, L. S.; SOUZA, A.; MERINO, 
E.A. D. Qualidade de vida e saúde do trabalhador: discussão 
conceitual. Lecturas Educación Física y Deportes, v. 14, n. 136, 
2009. Disponível em: 
<http://www.efdeportes.com/efd136/qualidade-de-vida-do-
trabalhador.htm>. Acesso em: 23 fev. 2010. 
TIMOSSI, L. S.; PEDROSO, B.; PILATTI, L. A. FRANCISCO, A. C. 
Adaptação do modelo de Walton para avaliação da qualidade 
96| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s 
 
de vida no trabalho. Revista da Educação Física, v. 20, n. 3, p. 
395-405, 2009. 
TROIANO, R. P.; MACERA, C. A.; BALLARD-BARBASH, R. Be 
physically active each day. How can we know? Journal of 
Nutrition, v. 131, p. 451S-460S, 2001. 
TUOMI, K.; ILMARINEN, J.; JAHKOLA, A.; KATAJARINNE, L.; TULKKI, 
A. Índice de capacidade para o trabalho. São Carlos: EDUFSCAR; 
2005. 59p. 
WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Slow 
Management Review, v. 15, n. 1, p. 11-21, 1973. 
WATERS, T. R., PUTZ-ANDERSON, V., GARG, A., FINE, L. J. Revised 
NIOSH equation for design and evaluation of manual lifting 
tasks. Ergonomics, v. 36, n. 7, p. 749-776, 1993. 
WERTHER, W. B.; DAVIS, K. Administração de pessoal e recursos 
humanos. Tradução de Auriphebo Berrance Simões. São Paulo: 
McGraw-Hill, 1983. 
WESTLEY, W. A. Problems and solutions in the quality of working 
life. Human Relations, v. 32, n. 2, p. 113-123, 1979. 
 
 
 
 
E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 97 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Logística 
 
Segundo a Associação Brasileira de Engenharia de Produção define-
se a Logística como a área que desenvolve e aplica técnicas para o 
tratamento das principais questões envolvendo o transporte, a 
movimentação, o estoque e o armazenamento de insumos e 
produtos, visando a redução de custos, a garantia da disponibilidade 
do produto, bem como o atendimento dos níveis de exigências dos 
clientes. 
 
Nesta seção apresenta-se um texto que traz conceitos atualizados 
da logística empresarial e que também discute estudos de casos 
relacionados à uma análise logística de dois importantes setores 
produtivos. 
 
98| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s 
 
 
ANÁLISE DE CADEIAS PRODUTIVAS: UMA 
ABORDAGEM ORIENTADA PELA ANÁLISE DE 
COMPONENTES DE DESEMPENHO LOGÍSTICO 
 
Sumário do Capítulo 
 
1 Introdução 
 
2 Importância da Logística Empresarial nas Cadeias Produtivas 
 
 
3 Componentes de Desempenho Logístico 
 
 
4 Análise Logística da Cadeia Produtiva do Setor de Energia 
Elétrica no Brasil 
 
 
5 Análise Logística da Cadeia Produtiva do Setor de Higiene 
Pessoal, Perfumaria e Cosméticos na Região Amazônica 
 
5.1 Transporte. 
5.2 Informação: sistemas e tecnologias. 
5.3 Instalações. 
5.4 Estoques. 
 
6 Considerações Finais 
 
E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 99 
 
 
 
ANÁLISE DE CADEIAS PRODUTIVAS: UMA 
ABORDAGEM ORIENTADA PELA ANÁLISE DE 
COMPONENTES DE DESEMPENHO LOGÍSTICO 
André Cristiano Silva Melo 
Evander Dayan de Mattos Alencar 
Resumo 
A importância estratégica da logística empresarial torna-se clara 
quando se pensa em potenciais ganhos em competitividade, por 
meio de redução de custos e riscos assumidos ou pelo aumento de 
níveis de serviço gerados nestas operações. Muitos times de 
trabalho responsáveis pelo gerenciamento de fluxos logísticos 
assumem a existência de ineficiências associadas a lacunas de 
conhecimento nessas operações. Nesse contexto, a análise logística 
de cadeias produtivas é considerada uma das atividades cruciais, já 
que, por meio de informações sobre os componentes de 
desempenho logístico é possível identificar relações e impactos de 
decisões envolvidas nas operações e, assim, buscar um arranjo entre 
recursos mais adequado ao alcance dos objetivos de um 
empreendimento. Neste Texto, primeiramente, são revisados na 
literatura especializada os principais avanços relacionados a tópicos 
como logística empresarial nas cadeias produtivas e componentes 
de desempenho logístico. A seguir, sob aspectos diferentes, é feita a 
análise logística da cadeia produtiva do setor de energia elétrica no 
Brasil e da cadeia produtiva do setor de higiene pessoal, perfumaria 
e cosméticos na região Amazônica, a partir dos quais são descritos 
os componentes de desempenho logístico que caracterizam 
subsistemas e fluxos logísticos relacionados. Finalmente, destacam-
se potenciais contribuições da abordagem de análise apresentada 
para melhorias no desempenho logístico dos setores destacados. 
Palavras-chave: Logística Empresarial; Componentes de desem-
penho logístico; Cadeias produtivas 
100| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s 
 
1. Introdução 
De uma forma geral, o mercado mundial atual tem sido 
marcado por intensa competitividade. A demanda por serviços tem 
representado significativas parcelas da economia de países 
industrializados, a escassez de recursos tem tornado mais 
complexos os processos de suprimento, a globalização, a mudança 
no comportamento dos consumidores, o surgimento de novos 
segmentos de mercado (solteiros, idosos ativos, internautas etc.), a 
redução do ciclo de vida dos produtos, o enfraquecimento das 
marcas e, finalmente, questões relacionadas à responsabilidade 
social (meio-ambiente, segurança e saúde) vem, progressivamente, 
exigindo que as organizações adquiram e desenvolvam novas 
competências para conquistar e manter clientes (BALLOU, 2001; 
FERRAES NETO, 2001). Ampliam-se, assim, as dimensões da 
competitividade, a qual deixa de ser regional para ser global. A 
concorrência passa, então, a acontecer entre cadeias produtivas e 
não mais entre empresas isoladas. 
Neste contexto, as vantagens e diferenciais competitivos são 
cada vez mais efêmeros. Aliado a isso, as mudanças ocorridas no 
ambiente de negócios brasileiros na década de 90, impuseram 
novos paradigmas para o gerenciamento empresarial. A abertura da 
economia, a sua estabilização e a presença cada vez mais marcante 
de negócios com abrangência global exigiram a substituição do 
antigo modelo de gerenciamento empresarial, baseado em 
produtividade, por um novo modelo, baseado em competitividade 
(RODRIGUEZ, 2002). 
Assim, por uma simples questão de sobrevivência, cada vez 
mais as organizações vem buscando a diferenciação e o 
estabelecimento de vantagens competitivas em relação à 
concorrência. Para isso, cada empreendimento tem procurado 
encontrar o seu próprio caminho. Porém, entre muitos casos, um 
ponto comum tem sido observado: a opção pela Logística 
Empresarial como área de conhecimento capaz de gerar diferenciais 
competitivos e sustentabilidade empresarial (FERRAES NETO, 2001). 
O grande desafio tem sido propor estratégias logísticas capazes