A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Avaliação Traumato-ortopédica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Avaliação Traumato-ortopédica
Avaliação Musculoesquelética:
Princípios de Conceitos
David J. Magee
Capitulo 1
Avaliação Musculoesquelética:
 Princípios de Conceitos:
- Anamnese;
- Observação;
- Exames dos movimentos;
- Testes especiais;
- Reflexos e distribuição cutânea;
- Movimentos do jogo articular;
- Palpação;
- Diagnóstico por imagem.
“Anamnese é o relato do paciente a respeito de sua própria condição”
Anamnese
 Queixas do paciente, situação atual da
doença, prognóstico e tratamento
adequado.
 Determinar a personalidade do paciente,
sua linguagem e capacidade cognitiva.
 Analisar antecedentes anteriores
(doenças, cirurgia, alergias)
 Hábitos de vida (sono, estresse, carga de
trabalho, lazer)
Anamnese
 Questões a serem a abordadas:
- Idade, sexo;
- Ocupação do paciente;
- Por que o paciente procurou ajuda?
- Trauma desencadeante (macrotrauma) ou 
atividade repetitiva (microtrauma). Qual 
mecanismos da lesão?
Anamnese
 Questões a serem a abordadas:
- Localização dos sintomas que incomodam;
- Localização da dor;
Pontos gatilhos: “áreas delimitadas de hiperirritabilidade no 
interior dos tecidos, sensíveis à compressão”
- Movimentos que causam dor;
- Duração e freqüência da dor;
Classificação da dor
- Aguda: 7 a 10 dias após a lesão;
- Subaguda: de 10 a 7 semanas;
- Crônica: de 3 a 6 meses.
Localização de pontos 
dolorosos
 TENDER POINT: Dor localizada (pontos
localizados onde se tem um aumento de
tensão, uma disfunção miofascial)
 TRIGGER POINT: Dor irradiada ou
referida (ponto de gatilho onde se tem
uma disfunção miofascial, porém, quando
faz a palpação à dor se espalha)
Anamnese
 Intensidade da dor (escala de graduação 
da dor);
 Característica da dor (constante, 
periódica, episódicas; Associada ao 
repouso? Associada à determinadas 
posturas? A um determinado momento do 
dia?);
 Qualidade da dor (nervosa, óssea, 
vascular, muscular;)
Anamnese
Passivo/
ativo
Verificar
bilateralmente
Bloqueio, frouxidão, 
instabilidade, ruídos
 Articulação apresenta
bloqueio, frouxidão,
pontadas, instabilidade ou
falseio?
Anamnese
 Apresenta sintoma medular, desmaio ou 
mal súbito?
 Estresse?
 Doença sistêmica crônica ou tumores?
 Uso de medicações;
 Antecedentes cirúrgicos;
Fase de Observação da avaliação
 Inspeção (só olhar):
- Observar: posturas, gestos, atitudes, 
marcha;
- Alinhamento corporal;
- Deformidade (estrutural, funcional, 
dinâmica);
Coletar informações sobre defeitos visíveis, déficits 
funcionais e anormalidades de alinhamento
Observação
- Contornos ósseos e dos tecidos moles;
- Tamanho, forma e posição dos membros e 
qualquer atrofia;
- Cor e textura da pele;
- Sinais indicativos de inflamação;
Sinais vitais: 
- PA; FC; FR, temperatura.
Exame do Movimento
 Princípios:
- Iniciar o exame primeiro pelo lado normal;
- Realizar movimentos ativos antes que os 
passivos;
- Movimentos dolorosos devem ser 
realizados por último;
“Realizado para confirmar ou refutar a hipótese diagnóstica, 
que é baseada na anamnese e na observação”.
Exame Articular
 Deve ser mais o minucioso na articulação 
identificada na anamnese com maior variação 
da normalidade.
 Ao realizar o teste de movimentos, deve-se 
observar o que predomina: a dor ou a 
restrição.
 Durante o exame, deve-se garantir que o 
movimento seja realizado em uma velocidade 
lenta, suave e constante na direção desejada.
Movimentos ativos 
 São realizados pelos músculos voluntários 
do paciente, e têm seu próprio valor 
particular, pois combinam amplitude 
articular, controle e potência muscular. 
Esses movimentos são chamados de 
“movimentos fisiológicos”.
Amplitude de movimento 
Movimentos Passivos
- A articulação é mobilizada em toda sua 
amplitude de movimento pelo examinador 
enquanto paciente esta relaxado, 
chamados de “movimentos anatômicos”;
- Determinar qualquer limitação dos 
movimentos: hipomobilidade ou 
hipermobilidade;
Diagnóstico Diferencial 
 Distensão: laceração de fibras 
musculares;
 Tenossinovite: inflamação da membrana 
sinovial que recobre o tendão;
 Tendinose: degeneração intratendínea por 
microtraumas repetidos;
 Entorse: laceração das fibras do 
ligamento.
Exame do Movimento 
End feel: sobrepressão no final da amplitude de 
movimento.
- Determinar o end fell articular (sensação 
final do movimento) só quando a ADM 
ativa for total e livre de dor;
- Repetir os movimentos quando houver 
indicação.
Movimentos Passivos
- Identificar aderências que restringem o 
movimento (END FELL ).
 Apreciação de end-fell:
- Dura (osso com osso)
- Mole (sensação suave);
- Estiramento tissular (cede 
discretamente, mais comum).
Mole
Estiramento tissular
@ lateral ombro/
extensão do joelho: 
Força muscular
 5- normal;
 4 – bom;
 3 – regular;
 2 – ruim;
 1 – vestígio/contração;
 0 – zero.
Reflexos e Distribuição Cutânea 
 Classificação das lesões nervosas segundo 
Seddon:
- Neuropraxia;
- Axonotmese;
- Neurotmese.
Sinais a observar: atrofia, alterações circulatórias,
alterações cutâneas.
“Mapear a área da perda sensitiva e teste dos músculos acometidos pela 
perda motora”
Testes Especiais ou 
Específicos
 Confirmação de 
hipótese diagnóstica;
 Esclarecer sinais e 
sintomas;
 Para cada exame 
articular existe um 
teste.
Teste de Apley 
(menisco)
Palpação 
 Deve esta relaxada ao máximo para ser capaz 
de discriminar:
- derrames;
- espasmo,;
- tônus muscular;
- espessura (edema) e textura dos tecidos;
- Temperatura;
“Utilizada para identificação exata da lesão em um 
determinado tecido”
Exames complementares
 Artrografia;
 TC;
 RM;
 US.
•Radiografia
•Cintilografia;
Edema
Derrame 
articular
Bloqueio 
articular
Aderências
Dor
Atrofia 
muscular
Sintomatologia
Patologias 
Esquema de Tratamento 
Fisioterapêutico
 Tratar a dor;
 Mobilizar;
 Aumentar a ADM;
 Fortalecer;
 Propriocepção.
Massoterapia 
Pompagem 
Tratamento
postural
Hidroterapia
Alongamento 
Crioterapia
Fortalecimento
muscular
FNP
Eletrotermo-
terapia 
Cinesioterapia
Técnicas 
Fisiotera-
pêuticas
Planejamento do Tratamento 
Eficaz
 Inflamação aguda
- repouso;
- crioterapia;
- mobilização passiva;
- antiinflamatórios;
Caso Clínico 
 Paciente 53 anos, apresentando
traumatismo por acidente de moto.
Apresenta sequela de fratura de fêmur.
Tem cicatriz cirúrgica e fixadores internos.
Como seria a avaliação fisioterapêutica?
Indique que parâmetros devem ser
pesquisados?
Caso clínico 
 Menina de 14 anos, encaminhada ao
ambulatório de fisioterapia 6 meses após
fratura de ulna e rádio causada por queda de
bicicleta. O gesso foi retirado a uma semana
e a fratura esta consolidada. Apresenta
cotovelo rígido e fraqueza muscular. Como
avaliar a rigidez encontrada? Determine a
forma de mensuração da força e atrofia
muscular. Indique a sensação terminal (end
fell) dessa paciente.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.