264961532 As Inteligencias Multiplas E Seus Estimulos Celso Antunes 2
102 pág.

264961532 As Inteligencias Multiplas E Seus Estimulos Celso Antunes 2

Disciplina:Pedagogia24.604 materiais252.994 seguidores
Pré-visualização31 páginas
Celso Avelino Antunes nasceu em São Paulo, em 1937. É formado em Geografia pela
Universidade de São Paulo. Antes de concluir o curso já lecionava, e um ano após a
conclusão, publicou seu primeiro livro didático. Estimulado por um amigo editor, começou
a colecionar estratégias e jogos para dar mais vida a suas aulas. A publicação de livros
pedagógicos aconteceria tempos depois, e com eles, e sua tradução para outras línguas, o
autor ampliou a bagagem de meios estimuladores do processo de construção de
conhecimentos. Mais tarde, ao estudar Gardner e a teoria das Inteligências Múltiplas,
percebeu que muitos de "seus" jogos simbolizavam ferramentas propostas e experimentadas
para essa finalidade.
 Lecionou em várias escolas públicas, foi professor e diretor dos colégios Sion e Pueri
Domus. Escreveu mais de 200 artigos, crônicas e ensaios sobre geografia, ensino e
educação e publicou cerca de 170 livros.
 Atualmente é diretor do Colégio SanfAnna Global, coordenador geral de ensino de
graduação da Faculdade SanfAnna, professor da Universidade Sénior de SanfAnna, da
PUC-SP e da Universidade São Judas. Também ministrou cursos e palestras para
profissionais da área de Recursos Humanos e, principalmente, para professores em todos os
estados do Brasil e no exterior.

 AS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E SEUS ESTÍMULOS

 CELSO ANTUNES
 PAPIRUS EDITORA

Capa Fernando Cornacchia
Foto Rennato Testa
Copidesque Môntca Saddy Martins
Revisão Mana Lúcia A Maier
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,
Brasil)
Antunes, Celso, 1937-
As inteligências múltiplas e seus estímulos / Celso Antunes -Campinas, SP Papirus, 1998 -
(Coleção Papirus Educação)
Bibliografia
ISBN 85-308-0512-7
1 Inteligência l Título II Serie
98-1968
CDD-370152
índices para catálogo sistemático:
1 Inteligências múltiplas Psicologia educacional 370 152
8a Edição
2002

Proibida a reprodução total ou parcial da obra de acordo com a lei 9 610/98 Editora afiliada
a Associação Brasileira dos Direitos Reprograficos (ABDR)

DIREITOS RESERVADOS PARA A LÍNGUA PORTUGUESA © M R Cornacchia
Livraria e Editora Ltda - Papirus Editora Fone/fax (19) 3272-4500-Campinas - São Paulo -
Brasil E-mail editora ©papirus com br — www papirus com br <p>

 O cérebro de uma pessoa, de qualquer pessoa, contém todo potencial de percepções,
belezas e arranjos lingüísticos, simbólicos, cinestésicos, pictóricos e lógicos que abrigam
todo saber humano possível. Todo ser humano é saber em semente, pronto para brotar e
florescer tão logo aprenda a construir-se em comunhão com o objeto imprescindível de
todas as fantasias previsíveis - o mundo em que vivemos. <p>

SUMARIO

INTRODUÇÃO 9

1. O QUE É INTELIGÊNCIA? 11

2. A INTELIGÊNCIA PODE AUMENTAR? 15

3. A INTELIGÊNCIA ENVELHECE? 17

4. O QUE SIGNIFICA "JANELA DAS OPORTUNIDADES"? 21

5. O QUE SÃO INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS? 25

6. CÇMO SE MANIFESTA A INTELIGÊNCIA LÓGICO-MATEMÁTICA? 29

7. AONDE NOS LEVA A INTELIGÊNCIA ESPACIAL? 35

8. A INTELIGÊNCIA VERBAL AUMENTA COM O AUMENTO DO
VOCABULÁRIO?

43

9. QUAL A INTELIGÊNCIA DOS GRANDES ESPORTISTAS? 49 <p>

10. EXISTE MESMO UMA INTELIGÊNCIA MUSICAL? 55

11. O QUE SE SABE SÓ BRE A INTELIGÊNCIA NATURALISTA? 61

12. PODEMOS FALAR EM UMA INTELIGÊNCIA PICTÓRICA? 67

13. PODEMOS ADMITIR A EXISTÊNCIA DE UMA INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL?
73

14. QUAL A DIFERENÇA ÍNTRE AS INTELIGÊNCIAS PESSOAIS E A
INTELIGÊNCIA EMOCIONAL? 75

1 5 . C O M O P O D E M O S I D E N T I F I C A R E E S T I M U L A R N O S S A
INTELIGÊNCIAINTRAPESSOAL? 79

16. É POSSÍVEL AMPLIAR NOSSA INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL? 87

17. COMO FUNCIONAM A MEMÓRIA E A CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO?
91

18. QUAL A RELAÇÃO ENTRE A INTELIGÊNCIA E A APRENDIZAGEM? 97

19. O QUE SIGNIFICA “CONISTRUTIVISMO"?

20. A EDUCAÇÃO DAS INTELIGÊNCIAS 105

21. OUSO DAS INTELIGÊNCIAS 133

CONCLUSÃO 137

BIBLIOGRAFIA 139 <P>

 INTRODUÇÃO

 Ao publicar este livro, aos 60 anos, percebo que passei apenas 10% de toda minha vida
fora da escola. Fora da escola, é importante que se ressalte, mas não fora das aulas. Isso
porque minha mãe sempre foi, sem saber, uma excelente educadora, e cresci em uma
chácara no bairro do Brooklin dos anos 30. Essa chácara, naqueles tempos num pedaço
periférico de São Paulo, constituía excelente ambiente estimulador e mergulhei em desafios
e devaneios que devem ter mexido bastante com meu cérebro em formação.
 Quando cheguei ao grupo escolar do Ibirapuera, pela primeira vez, era proprietário de
muitos saberes e de esfuziante criatividade, que, como de praxe na época, foi literalmente
desprezada pela escola. Da escola, então, jamais saí. Depois do grupo, freqüentei o ginásio
e o colégio Ipiranga, de onde segui direto rumo à Universidade de São Paulo. Casei com

uma professora, minha melhor companheira até hoje e, nessa jornada, cumpri todos os
papéis, de aluno de graduação a aluno de mestrado, de professor de geografia a diretor
pedagógico. Como desafio merente a essa vida, há cerca de 35 anos entrei no universo do
livro e, também aí, fui ficando. Foram cerca de 200 livros - didáticos, paradidáticos,~,
<9>

pedagógicos, sobre metáforas e sobre ensaios. Alguns até foram traduzidos. Quem diria?
Há cerca de dez anos, descobri a obra de Gardner (seu livro Estruturas da mente foi
publicado em 1983) e, sem intenção de trocadilho, entrei de cabeça no assunto. Percebi, aos
poucos, que os jogos pedagógicos que colecionei ao longo da vida e pratiquei ao longo de
milhares de aulas não apenas empolgavam os alunos e os faziam cativos de enternecido
interesse, mas simbolizam experimentos que o próprio Gardner admitia constituírem
estímulos às diferentes formas de inteligência.
 A presente publicação sintetiza parte dessas leituras e um pouco desses experimentos e só
foi possível graças à incomparável ajuda e compreensão de amigos imprescindíveis, entre
os quais incluo Wanda, minha mulher, filhos e noras (filhas, portanto), Luli e Ceri, Anna
Lúcia e Andréa, o insubstituível capitão Leonardo Placucci, Wanda, Betânia, Ana Paula,
Marco António e Léo, e meus grandes companheiros do SanfAnna Global, das Faculdades
SanfAnna, meus alunos da terceira idade e ainda outros colaboradores das editoras Vozes e
Scipione.
Celso Antunes <10>

 Capitulo 1 O QUE É INTELIGÊNCIA?

 A palavra "inteligência" tem sua origem na junção de duas palavras latinas: inter = entre e
digere = escolher. Em seu sentido mais amplo, significa a capacidade cerebral pela qual
conseguimos penetrar na compreensão das coisas escolhendo o melhor caminho. A
formação de idéias, o juízo e o raciocínio são freqüentemente apontados como atos
essenciais à inteligência. A inteligência é resumida pelo Pequeno dicionário ilustrado
brasileiro da língua portuguesa como "a faculdade de compreender".
 Analisando de maneira sucinta as raízes biológicas da inteligência, descobre-se que ela é
produto de uma operação cerebral e permite ao sujeito resolver problemas e, até mesmo,
criar produtos que tenham valor específico dentro de uma cultura. Dessa maneira, a
inteligência serve Para nos tirar de alguns "apertos" sugerindo opções que, em última
análise, levam-nos a escolher a melhor solução para um problema qualquer.
 Assim, se estamos perdidos em um lugar e precisamos achar a saida salvadora, usamos a
inteligência, que apontará a melhor opção: consultar um guia, perguntar a alguém ou buscar
na memória referência~,
<11>

sobre o local procurado. Da mesma maneira, quando precisamos abrandar um problema
gerado pela má interpretação de uma intervenção qualquer, é a inteligência que seleciona
qual deverá ser a tentativa mais