A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
87 pág.
Aula 03

Pré-visualização | Página 16 de 23

só 
podendo ser usado para obter dados pessoais quando a pessoa não 
conseguir obtê-los administrativamente, por negativa ou inércia da 
administração. 
Letra D – Errado. O efeito suspensivo ocorre quando algum recurso 
impede que os efeitos da decisão se operem, ou seja, suspende a 
eficácia da decisão, não permitindo que ela produza efeitos, 
perpetuem, restando-se suspensos. Se os efeitos que geram a coação 
estão suspensos, não haveria a necessidade de se impetrar um 
mandado de segurança. Assim, a lei 12.016/09. expressamente 
estabeleceu que não caberá mandado de segurança contra ato do 
qual caiba recurso administrativo com efeito suspensivo, 
independentemente de caução. 
Letra E – Errado. Mesmo que o candidato não tivesse conhecimento 
sobre direito processual, não é razoável imaginar que um habeas 
data, que é usado para obter dados pessoais que não conseguiu 
administrativamente tenha precedência sobre, por exemplo, um 
habeas corpus, que é usado para fazer cessar o constrangimento à 
liberdade de alguém. 
Gabarito: Letra C. 
 
Ação popular 
LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação 
popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público 
ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade 
administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico 
e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento 
de custas judiciais e do ônus da sucumbência; 
Organizando: 
• Quem pode propor: qualquer cidadão, ou seja, somente 
aquele nacional que estiver em gozo de seus direitos 
políticos. 
CURSO ON-LINE - D. CONSTITUCIONAL MPU 
PROFESSORES: VÍTOR CRUZ E RODRIGO DUARTE 
58 
Prof. Vítor Cruz e Rodrigo Duarte WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 
• Motivo: anular ato lesivo: 
� ao patrimônio público ou de entidade a qual o Estado 
participe; 
� à moralidade administrativa; 
� ao meio ambiente; 
� ao patrimônio histórico e cultural. 
• Custas judiciais: Fica o autor, salvo comprovada má-fé, 
isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência. 
Não é qualquer pessoa que pode propor, mas, apenas o cidadão, 
ou seja, quem está em gozo de seus direitos civis e políticos. 
Existe outra ferramenta para se proteger os interesses da 
sociedade: a ação civil pública, que deve ser interposta para 
proteção de interesses sociais difusos e coletivos (Lei nº 7.347/85). 
Diferentemente da ação penal pública, a ação civil publica não é 
privativa do Ministério Público, podendo ser, além do Ministério Pú-
blico, intentada por: 
� qualquer ente federativo ( União, Estados, Municípios e DF); 
� autarquia, Fundação Pública, Sociedade de Economia Mista 
ou Empresa Pública; 
� defensoria Pública; 
associação constituída há pelo menos um ano e que possua como 
finalidade a proteção ao meio ambiente, ao consumidor, ao 
patrimônio histórico etc. 
 
92. (CESPE/MPS/2010) A nacionalidade brasileira é condição 
necessária e suficiente para propor ação popular visando à declaração 
de nulidade de ato lesivo ao patrimônio histórico e cultural. 
Comentários: 
A nacionalidade brasileira é condição necessária mas não suficiente 
para se propor ação popular. Além da nacionalidade brasileira, 
necessita-se que a pessoa seja um cidadão, no sentido estrito da 
palavra, ou seja, aquele nacional que está em gozo dos seus direitos 
políticos (seus direitos políticos não estão suspensos ou perdidos). E 
essa condição de cidadão deve ser comprovada por ocasião da 
propositura da ação. 
Gabarito: Errado. 
 
93. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A ação popular pode ser acionada 
por cidadãos que pretendam questionar violações ao princípio da 
moralidade administrativa perante o Poder Judiciário. 
CURSO ON-LINE - D. CONSTITUCIONAL MPU 
PROFESSORES: VÍTOR CRUZ E RODRIGO DUARTE 
59 
Prof. Vítor Cruz e Rodrigo Duarte WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 
Comentários: 
O legitimado para ação popular é realmente o cidadão, e servirá para 
anular ato lesivo: 
� Ao patrimônio público ou de entidade a qual o Estado 
participe; 
� À moralidade administrativa; 
� Ao meio ambiente; 
� Ao patrimônio histórico e cultural. 
Gabarito: Correto. 
 
94. (CESPE/MMA/2009) Um promotor de justiça, no uso de suas 
atribuições, poderá ingressar com ação popular. 
Comentários: 
O legitimado ativo da ação popular é o cidadão, para o exercício da 
cidadania, assim, o promotor poderá impetrar ação popular como 
cidadão brasileiro e não usando as suas atribuições de promotor de 
justiça. 
Gabarito: Errado. 
 
95. (CESPE/TJAA - TRT 5ª/2009) Para propositura de ação 
popular, o autor deve demonstrar a plenitude do exercício de seus 
direitos políticos. 
Comentários: 
A ação popular é a ação cujo legitimado ativo é o cidadão. Na 
jurisprudência dos tribunais, ser "cidadão" significa ser brasileiro em 
pleno gozo de seus direitos políticos, plenitude esta que deve ser 
comprovada para fins da propositura. 
Gabarito: Correto. 
 
96. (CESPE/FINEP/2009) Somente o brasileiro nato possui 
legitimação constitucional para propositura de ação popular, desde 
que esteja em dia com seus deveres políticos. 
Comentários: 
O requisito que a Constituição exige é apenas ser "cidadão", ou seja, 
brasileiro em pleno gozo de direitos políticos, para isso, independe de 
a pessoa ser um brasileiro nato ou naturalizado. 
Gabarito: Errado. 
 
CURSO ON-LINE - D. CONSTITUCIONAL MPU 
PROFESSORES: VÍTOR CRUZ E RODRIGO DUARTE 
60 
Prof. Vítor Cruz e Rodrigo Duarte WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 
97. (CESPE/Advogado - IBRAM-DF/2009) A ação popular 
ajuizada, originariamente, no STF contra ato da mesa da Câmara dos 
Deputados deve ter a negativa de seguimento reconhecida, pois não 
existe foro por prerrogativa de função em relação ao referido remédio 
constitucional. 
Comentários: 
A competência para julgar a ação popular é sempre do órgão 
judiciário de primeiro grau conforme a origem do ato impugnado. Ou 
seja, a competência será do juiz estadual se o ato for de qualquer 
autoridade estadual ou municipal. Ou então será do juiz federal se o 
ato for praticado por qualquer autoridade vinculada à União ou às 
suas autarquias, empresas públicas e fundações públicas. 
Gabarito: Correto. 
 
98. (CESPE/TCE-AC/2009) A ação civil pública não é o 
instrumento adequado ao controle de atos lesivos ao meio ambiente. 
Comentários: 
Ação civil pública, segundo a lei 7.347/85, deve ser interposta para 
proteção de interesses sociais difusos e coletivos. Grosso modo, os 
coletivos são os direitos pertencentes a um certo grupo de indivíduos, 
e os difusos são aqueles pertencentes a toda coletividade, entre 
esses direitos achamos a proteção ao meio ambiente. 
Gabarito: Errado. 
 
99. (CESPE/TCE-AC/2009) É vedado ao condenado por 
improbidade administrativa com a perda de direitos políticos, 
enquanto perdurarem os efeitos da decisão judicial, a propositura de 
ação popular. 
Comentários: 
O condenado por improbidade terá seus direitos políticos suspensos, 
assim, não poderá propor ação popular, já que esta é privativa do 
cidadão que esteja em pleno gozo de seus direitos políticos. 
Gabarito: Correto. 
 
100. (CESPE/SEFAZ-AC/2009) A ação popular deve ser proposta 
pelo órgão do MP. 
Comentários: 
A ação popular pode ser proposta por qualquer cidadão, ou seja, 
qualquer pessoa em gozo de seus direitos políticos. 
CURSO ON-LINE - D. CONSTITUCIONAL MPU 
PROFESSORES: VÍTOR CRUZ E RODRIGO DUARTE 
61 
Prof. Vítor Cruz e Rodrigo Duarte WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR 
Gabarito: Errado. 
 
101. (CESPE/Analista-TJ-RJ/2008) Qualquer pessoa é parte 
legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao 
patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe,