A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
TRABALHO PRECISAMOS FALAR SOBRE KEVIN

Pré-visualização | Página 2 de 2

Eva e Franklin tinham uma vida a dois maravilhosa e o 
nascimento de Kevin fez tudo mudar, ela gostaria de voltar atrás e muitas vezes 
deixou isso transparecer na criação de Kevin. 
A escolha que envolve a psicologia também se deu, pois Kevin tinha um perfil 
muito interessante, muitas vezes se mostrou dissimulado fazendo uso da 
autoconfiança a ponto de manipular seu pai quando mostrava que arco-flecha 
era apenas um hobby de uma história favorita. 
 
Considerações finais 
“Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem à vida e muda todas as 
perguntas” (Luís Fernando Veríssimo). O filme trouxe um toque de realidade 
surpreendente, ainda mais para os estudantes de Direito. Deparamo-nos com 
fatos envolvendo psicologia e direito em vários pontos. 
Através do ato de desequilíbrio psicológico de Kevin tivemos a oportunidade de 
mensurar as lembranças e dores de Eva por não ter conseguido salvar seu filho. 
Talvez quando uma mãe já não tem mais recursos para tentar ajudar seu filho e 
já luta contra si mesmo, acaba aceitando o inaceitável. Tenho em mente como 
estudante e pelo rumo que tomou o final do filme que Kevin foi condenado por 
homicídio e preso aos 16 anos até completar 21 anos. O sistema federativo 
americano concede liberdade aos estados para definirem suas leis e, por isso, 
não há lei federal sobre maioridade penal. Mas o conceito é unificado: trata-se 
da idade a partir da qual um americano é automaticamente considerado um 
adulto para efeitos de responsabilidade legal. Atualmente, 37 estados e o DC 
fixam a maioridade aos 18 anos; outros 11 aos 17 anos. Apenas dois a 
estabelecem aos 16: Nova York e Carolina do Norte. 
 
Os critérios para a transferência do caso da Vara de Infância para uma Corte 
comum variam, com base nas legislações estaduais, mas têm em geral a mesma 
espinha dorsal: a prática de crime grave, como no caso do filme, assassinato. 
Por esse fato concluo o meu relatório do filme “Precisamos falar sobre Kevin” 
com grandes lições para minha vida pessoal e mais ainda para minha futura 
carreira profissional, sei que essa vai me exigir muito conhecimento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
REFERENCIA 
 
1. SANTANA, Ana Lucia. Psicopata. Publicado 17/11/2007. Disponível em: 
< http://www.infoescola.com/psicologia/psicopata/ > Acesso em 14 nov 
2015. 
2. RAMSAY, Lynne. Filme Precisamos falar sobre Kevin, 2012.