A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 1 de 22

1	
  
	
  
TEORIA	
  GERAL	
  DOS	
  CONTRATOS	
  –	
  SEGUNDA	
  PROVA	
  
	
  
14/09/2010	
  
	
  
Teoria	
  da	
  Imprevisão:	
  uma	
  alteração	
  posterior	
  à	
  celebração	
  do	
  contrato,	
  de	
  maneira	
  imprevista	
  
no	
   contrato	
   original,	
   que	
   estabelece	
   benefícios	
   exagerados	
   a	
   uma	
   parte,	
   de	
   modo	
   inevitável,	
   e	
   um	
  
prejuízo	
  injusto	
  da	
  outra.	
  	
  
Dessa	
  situação	
  surgem	
  duas	
  possibilidades:	
  resolução	
  ou	
  revisão	
  do	
  contrato.	
  
Art.	
  478.	
  Nos	
   contratos	
  de	
  execução	
  continuada	
  ou	
  diferida,	
   se	
  a	
  prestação	
  de	
  uma	
  das	
  partes	
   se	
  
tornar	
  excessivamente	
  onerosa,	
  com	
  extrema	
  vantagem	
  para	
  a	
  outra,	
  em	
  virtude	
  de	
  acontecimentos	
  
extraordinários	
   e	
   imprevisíveis,	
   poderá	
   o	
   devedor	
   pedir	
   a	
   resolução	
   do	
   contrato.	
   Os	
   efeitos	
   da	
  
sentença	
  que	
  a	
  decretar	
  retroagirão	
  à	
  data	
  da	
  citação.	
  
Art.	
   479.	
   A	
   resolução	
   poderá	
   ser	
   evitada,	
   oferecendo-­‐se	
   o	
   réu	
   a	
   modificar	
   eqüitativamente	
   as	
  
condições	
  do	
  contrato.	
  
Art.	
  480.	
  Se	
  no	
  contrato	
  as	
  obrigações	
  couberem	
  a	
  apenas	
  uma	
  das	
  partes,	
  poderá	
  ela	
  pleitear	
  que	
  a	
  
sua	
   prestação	
   seja	
   reduzida,	
   ou	
   alterado	
   o	
   modo	
   de	
   executá-­‐la,	
   a	
   fim	
   de	
   evitar	
   a	
   onerosidade	
  
excessiva.	
  
Meios	
  de	
  integração:	
  equidade	
  e	
  princípios	
  gerais	
  do	
  direito.	
  
Cláusula	
  Rebus	
  sic	
  stantibus	
  ("estando	
  as	
  coisas	
  assim"	
  ou	
  "enquanto	
  as	
  coisas	
  estão	
  assim"):	
  é	
  
uma	
  exceção	
  do	
  princípio	
  da	
   força	
  obrigatória	
  dos	
   contratos.	
  Trata	
  da	
  possibilidade	
  de	
  que	
  um	
  pacto	
  
seja	
   alterado,	
   a	
   despeito	
   da	
   obrigatoriedade,	
   sempre	
   que	
   as	
   circunstâncias	
   que	
   envolveram	
   a	
   sua	
  
formação	
   não	
   forem	
   as	
   mesmas	
   no	
   momento	
   da	
   execução	
   da	
   obrigação	
   contratual,	
   de	
   modo	
   a	
  
prejudicar	
  uma	
  parte	
  em	
  benefício	
  da	
  outra.	
  Há	
  necessidade	
  de	
  um	
  ajuste	
  no	
  contrato	
  e	
  essa	
  cláusula	
  é	
  
a	
  instrumentalização	
  de	
  tal	
  ajuste,	
  que	
  resulta	
  na	
  revisão	
  contratual.	
  	
  
**algumas	
   disposições	
   são	
   válidas	
   apenas	
   se	
   as	
   circunstâncias	
   se	
   mantém	
   como	
   estavam;	
   o	
  
direito	
   deveria	
   ser	
   interpretado	
   de	
   acordo	
   com	
   as	
   circunstâncias	
   do	
   tempo.	
   relativizar	
   a	
   renúncia	
   de	
  
direitos	
  (a	
  contratação).	
  
Como	
   relativização	
  do	
  principio	
  da	
   força	
  obrigatória	
  dos	
   contratos,	
   também	
  surge	
  a	
   teoria	
  da	
  
pressuposição,	
   elaborada	
   por	
  Windscheid,	
   em	
   1850,	
   que	
   seria	
   um	
  meio	
   termo	
   entre	
   a	
   condição	
   e	
   o	
  
motivo	
   da	
   realização	
   do	
   contrato,	
   pois	
   estabelecia	
   que	
   se	
   a	
   pressuposição	
   em	
   que	
   se	
   embasava	
   o	
  
contrato	
  não	
  se	
  realizasse,	
  o	
  negócio	
  poderia	
  ser	
  revisado,	
  alterado.	
  Ex:	
  aluguei	
  uma	
  casa	
  em	
  Ipanema	
  
por	
  um	
  preço	
  altíssimo	
  só	
  para	
  ver	
  os	
  fogos.	
  Se	
  a	
  prefeitura	
  proíbe	
  os	
  fogos,	
  minha	
  pressuposição	
  não	
  se	
  
cumpriu	
  e,	
  portanto,	
  poderia	
  ocorrer	
  revisão	
  do	
  contrato.	
  
Art.	
   121.	
   Considera-­‐se	
   condição	
   a	
   cláusula	
   que,	
   derivando	
   exclusivamente	
   da	
   vontade	
   das	
  
partes,	
  subordina	
  o	
  efeito	
  do	
  negócio	
  jurídico	
  a	
  evento	
  futuro	
  e	
  incerto.	
  
Art.	
   140.	
   O	
   falso	
   motivo	
   só	
   vicia	
   a	
   declaração	
   de	
   vontade	
   quando	
   expresso	
   como	
   razão	
  
determinante.	
  
No	
  entanto,	
  essa	
  teoria	
  da	
  pressuposição	
  se	
  relativizou,	
  perdeu	
  um	
  pouco	
  de	
  sua	
  força	
  com	
  o	
  
tempo,	
  vez	
  que	
  ela	
  é	
  muito	
  criticada	
  em	
  razão	
  da	
   insegurança	
  jurídica	
  que	
  pode	
  gerar,	
   já	
  que	
  a	
  teoria	
  
tem	
   fortes	
   bases	
   voluntaristas	
   e	
   considera	
   como	
   requisito	
   revisional	
   apenas	
   a	
   vontade	
   de	
   um	
   dos	
  
contratantes	
  no	
  momento	
  do	
  ajuste	
  podendo	
  este	
  vir	
  a	
  se	
  desobrigar	
  caso	
  a	
  sua	
  pressuposição,	
  ainda	
  
que	
  não	
  declarada	
  não	
  venha	
  a	
  se	
  concretizar	
  no	
  plano	
  fático..	
  
	
  
Contratos	
  de	
  adesão	
  
Por	
  determinadas	
  circunstâncias	
  também	
  de	
  natureza	
  negocial	
  a	
  formação	
  clássica	
  do	
  contrato	
  
nem	
  sempre	
  existe.	
  Em	
  determinados	
  casos,	
  formula-­‐se	
  em	
  bloco	
  as	
  cláusulas	
  para	
  serem	
  meramente	
  
aceitas	
  em	
  conjunto	
  pela	
  outra	
  parte.	
  Nesse	
  sentido	
  é	
  que	
  o	
  consentimento,	
  que	
  aqui	
   também	
  existe	
  
porque	
  se	
  trata	
  de	
  situação	
  consensual,	
  significa	
  uma	
  adesão	
  ao	
  conteúdo	
  pré-­‐estabelecido	
  da	
  relação	
  
jurídica.	
  
2	
  
	
  
As	
   situações	
   de	
   contratação	
   em	
  massa,	
   em	
  especial	
   de	
   serviços	
   ou	
  bens	
   necessários,	
   em	
  que	
  
haja	
   a	
   necessidade	
   de	
   facilitar	
   a	
   contratação,	
   a	
   fim	
   de	
   torná-­‐la	
   a	
   mais	
   célere	
   e	
   econômica	
   possível	
  
justificam	
  a	
  possibilidade	
  do	
  contrato	
  de	
  adesão.	
  
A	
   doutrina	
   distingue	
   entre	
   a	
   iniciativa	
   dessa	
   contratação	
   pelo	
   fornecedor	
   (oferta	
   ao	
   público,	
  
direcionada	
  a	
  um	
  número	
  indeterminado	
  de	
  pessoas,	
  justamente	
  por	
  se	
  tratar	
  de	
  um	
  bem	
  ou	
  serviço	
  de	
  
interesse	
  público)	
  e	
  a	
  iniciativa	
  que	
  parte	
  do	
  destinatário	
  (um	
  convite	
  à	
  oferta).	
  
Contratos	
  de	
  adesão	
  (que	
  são	
  aqueles	
  contratos	
  monopolistas,	
  de	
  controle	
  do	
  mercado,	
  em	
  que	
  
você	
  tem	
  que	
  contratar,	
  não	
  há	
  opção)	
  são	
  distintos	
  de	
  contratos	
  por	
  adesão	
  (em	
  que	
  há	
  uma	
  situação	
  
de	
  mercado	
  concentrado,	
  mas	
  não	
  monopolizado.	
  Exemplo:	
  plano	
  de	
   saúde	
  –	
  algumas	
  empresas	
   têm	
  
modelos	
   de	
   contratos	
   semelhantes,	
   em	
  que	
  não	
  há	
   a	
  mudança	
  de	
   cláusulas,	
  mas	
   há	
   a	
   opção	
  de	
  não	
  
contratar),	
  segundo	
  Orlando	
  Gomes.	
  
Nos	
  contratos	
  de	
  adesão	
  o	
  fornecedor	
  não	
  se	
  pode	
  negar	
  a	
  contratação,	
  pois	
  se	
  trata	
  de	
  bens	
  ou	
  
serviços	
   essenciais	
   a	
   todos.	
   Exemplo:	
   concessões	
   de	
   serviços	
   públicos	
   –	
   a	
   proibição	
   de	
   recusar	
   a	
  
contratação