A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 11 de 22

Sem	
  consentimento	
  não	
  haverá	
  doação.	
  O	
  
donatário	
   tem	
   que	
   manifestar,	
   na	
   formação	
   do	
   contrato,	
   a	
   concordância	
   com	
   isso.	
   	
   É	
   um	
   contrato	
  
bilateral	
   por	
   excelência.	
   Exceção:	
   art.	
   543,	
   CC:	
   dispensa-­‐se	
   o	
   consentimento	
   se	
   for	
   doação	
   pura	
   a	
  
absolutamente	
  capaz	
  –	
  aqui	
  o	
  legislador	
  cria	
  uma	
  ficção,	
  a	
  de	
  um	
  consentimento	
  não	
  manifestado.	
  
Art.	
  543.	
  Se	
  o	
  donatário	
  for	
  absolutamente	
  incapaz,	
  dispensa-­‐se	
  a	
  aceitação,	
  desde	
  que	
  se	
  trate	
  
de	
  doação	
  pura.	
  
	
  
	
  
06/10/2010	
  
	
  
Doação	
  (continuação)	
  
Classificação	
  
1. Gratuita	
  
2. Unilateral	
  
3. Consensual	
  
Doação	
  com	
  encargo	
  (Orlando	
  Gomes):	
  como	
  beneficia	
  terceiro,	
  não	
  há	
  reciprocidade.	
  
Natureza	
   contratual:	
   é	
   consensual,	
   há	
   a	
   necessidade	
   da	
   manifestação	
   de	
   vontade	
   de	
   quem	
  
recebe,	
  que	
  pode	
  não	
  ser	
  expressa,	
  mas	
  tácita,	
  um	
  comportamento	
  ou	
  postura	
  condizente	
  com	
  aquilo	
  
que	
  seria	
  o	
  comportamento	
  expresso.	
  
Elementos	
  
1. Realiza-­‐se	
  entre	
  vivos	
  
2. Há	
   uma	
   proporção	
   idêntica	
   entre	
   o	
   decréscimo	
   patrimonial	
   do	
   doador	
   e	
   o	
   acréscimo	
   do	
  
donatário,	
  não	
  há	
  dispersão	
  patrimonial	
  (salvo	
  os	
  tributos),	
  há	
  uma	
  proporção	
  quase	
  perfeita;	
  
3. Há	
  o	
   ânimo	
  do	
   doador	
   de	
   transferir	
   a	
   propriedade	
  para	
   outra	
   parte	
   –	
   é	
   importante,	
   pois	
   em	
  
determinados	
  contratos	
  pode	
  haver	
  dúvida	
  sobre	
  o	
  sentido	
  dessa	
  transferência,	
  podendo	
  haver	
  
uma	
  retomada	
  dessa	
  propriedade	
  então.	
  Isso	
  porque	
  pode	
  haver	
  uma	
  diferença	
  entre	
  o	
  nome	
  
do	
  contrato	
  e	
  a	
  intenção	
  real	
  por	
  trás	
  dele,	
  sua	
  verdadeira	
  natureza	
  jurídica.	
  
Pressupostos	
  e	
  requisitos	
  da	
  doação:	
  
1. Capacidade	
   jurídica	
   do	
   doador,	
   que	
   deve	
   ter	
   capacidade	
   para	
   assumir	
   essa	
   obrigação	
   (a	
  
capacidade	
  do	
  donatário	
  tem	
  sido	
  flexibilizada);	
  
2. O	
  bem	
  deve	
  estar	
  presente	
  no	
  patrimônio	
  do	
  doador	
  –	
  art.	
  538,	
  CC:	
  
Art.	
  538.	
  Considera-­‐se	
  doação	
  o	
  contrato	
  em	
  que	
  uma	
  pessoa,	
  por	
  liberalidade,	
  transfere	
  do	
  seu	
  
patrimônio	
  bens	
  ou	
  vantagens	
  para	
  o	
  de	
  outra.	
  
	
  Portanto,	
  não	
  há	
  possibilidade	
  de	
  doação	
  de	
  coisa	
  futura,	
  de	
  coisa	
  que	
  futuramente	
  estaria	
  no	
  
patrimônio	
   do	
   doador.	
   O	
   professor	
   particularmente	
   acha	
   que	
   essa	
   disposição	
   não	
   deve	
   ser	
  
levada	
  a	
  ferro	
  e	
  fogo	
  (sendo	
  possível,	
  por	
  exemplo,	
  doar	
  um	
  filhote	
  que	
  ainda	
  não	
  nasceu),	
  uma	
  
vez	
  que	
  não	
  fere	
  nenhum	
  principio	
  jurídico,	
  como	
  a	
  ordem	
  pública,	
  os	
  costumes,	
  etc.	
  
3. Legitimação:	
  capacidade	
  plena,	
  não	
   conflituosa,	
  de	
   realizar	
  determinado	
  ato	
   jurídico.	
   Ex.:	
  Art.	
  
550.	
  A	
  doação	
  do	
  cônjuge	
  adúltero	
  ao	
  seu	
  cúmplice	
  pode	
  ser	
  anulada	
  pelo	
  outro	
  cônjuge,	
  ou	
  por	
  
seus	
  herdeiros	
  necessários,	
  até	
  dois	
  anos	
  depois	
  de	
  dissolvida	
  a	
  sociedade	
  conjugal.	
  É	
  necessária	
  
aqui	
  a	
  legitimação,	
  não	
  é	
  qualquer	
  um	
  que	
  pode	
  pedir	
  essa	
  anulação.	
  Ninguém	
  nasce	
  com	
  essa	
  
legitimação,	
   ela	
   vai	
   depender	
   das	
   circunstâncias	
   de	
   fato	
   que	
   gerarão	
   essa	
   situação.	
   Nesse	
  
exemplo,	
  é	
  preciso	
  inclusive	
  que	
  se	
  prove	
  o	
  adultério,	
  somente	
  o	
  quase	
  adultério	
  não	
  basta	
  (não	
  
basta	
  só	
  fotos	
  do	
  ara	
  entrando	
  no	
  motel,	
  mas	
  o	
  flagra	
  do	
  ato).	
  
Há	
  a	
   incapacidade	
  absoluta,	
  em	
  que	
  o	
   individuo	
  deve	
  ser	
  representado	
  e	
  a	
  relativa,	
  em	
  que	
  o	
  
indivíduo	
  deve	
   ser	
   representado.	
  Pode	
  haver	
   também	
  a	
   interdição	
  do	
  plenamente	
   capaz,	
  que	
  
passa	
  a	
  ser	
  curatelado,	
  e	
  o	
  curador	
  vai	
  exercer	
  os	
  interesses	
  daquele.	
  
O	
   tutor/curador	
   deve	
   agir	
   no	
   interesse	
   dos	
   tutelados/curatelados.	
   Efeito	
   da	
   incapacidade	
  
relativa:	
  anulabilidade	
  do	
  negocio	
  jurídico;	
  dos	
  absolutos:	
  nulidade.	
  Para	
  os	
  curadores	
  e	
  tutores,	
  
ele	
  terá	
  a	
  capacidade	
  para	
  agir	
  na	
  medida	
  eu	
  que	
  seja	
  no	
  interesse	
  do	
  representado,	
  havendo	
  a	
  
15	
  
	
  
nulidade	
  de	
  seus	
  atos,	
  caso	
  contrário.	
  É	
  necessário,	
  até	
  por	
  isso,	
  a	
  outorga	
  de	
  uma	
  caução	
  para	
  
dar	
  uma	
  garantia	
  aos	
  bens	
  do	
  curatelado.	
  
4. Os	
  bens	
  devem	
  estar	
  em	
  comércio	
  para	
  poder	
  ser	
  transferido	
  para	
  a	
  propriedade	
  alheia.	
  
Uma	
   doação	
   reconhecida	
   como	
   nula,	
   como	
   acontece	
   na	
   doação	
   causa	
   mortis,	
   é	
   a	
   doação	
  
inoficiosa,	
  em	
  que	
  o	
  doador,	
  no	
  momento	
  da	
  liberalidade,	
  vai	
  exceder	
  a	
  legitima	
  dos	
  herdeiros.	
  
No	
   nosso	
   sistema	
   jurídico,	
   o	
   sujeito	
   pode	
   dispor	
   para	
   quem	
   ele	
   quiser	
   de	
   50%	
   do	
   seu	
  
patrimônio,	
  o	
  restante	
  deve	
  ser	
  dividido	
  entre	
  os	
  herdeiros	
  legítimos,	
  que	
  são	
  os	
  descendentes,	
  
ascendentes	
  e	
  o	
  cônjuge	
  sobrevivente.	
  Excedendo	
  esse	
  limite,	
  ela	
  será	
  nula,	
  pois	
  há	
  a	
  	
  idéia	
  de	
  
preservação	
  	
  do	
  patrimônio	
  em	
  questão.	
  A	
  nulidade	
  pode	
  ser	
  argüida	
  a	
  qualquer	
  momento,	
  ela	
  
não	
  se	
  convalida	
  e	
  mais,	
  contamina	
  os	
  atos	
  futuros.	
  
Também	
  é	
  nula	
  a	
  doação	
  que	
  o	
  valor	
  exercer	
  o	
  total	
  dos	
  bens	
  que	
  compõem	
  o	
  patrimônio.	
  Isso	
  
deve	
  retroagir	
  ao	
  ato	
  original,	
  como	
  um	
  ato	
  complexo,	
  e	
  não	
  separados,	
  individualizados.	
  
Forma	
  
• Bem	
  imóvel:	
  escritura	
  pública;	
  
• Bem	
  móvel:	
   instrumento	
   particular.	
   Para	
   bens	
   de	
   pequeno	
   valor,	
   a	
   doação	
   pode	
   ser	
   verbal,	
  
inclusive.	
  
Espécies	
  
• Pura:	
  é	
  a	
  que	
  se	
  faz	
  por	
  espírito	
  de	
  liberalidade,	
  sem	
  subordinação	
  a	
  qualquer	
  condição,	
  encargo	
  
ou	
  motivação	
  de	
  mérito.	
  
• Condicional:	
  está	
  sujeita	
  a	
  evento	
  futuro	
  e	
  incerto.	
  	
  
• Modal:	
  vai	
   impor	
  ao	
  donatário	
  encargos	
  e	
  obrigações.	
  Ela