A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 12 de 22

não	
  suspende	
  a	
  aquisição	
  do	
  direito	
  
pelo	
  donatário,	
  não	
  é	
  condicional,	
  ela	
  vai	
  produzir	
  os	
  seus	
  efeitos	
  de	
  imediato.	
  O	
  doador	
  poderá	
  
exigi	
  os	
  encargos,	
  mas	
  sua	
  validade	
  não	
  estará	
  sujeita	
  ao	
  cumprimento	
  do	
  encargo.	
  Essa	
  doação	
  
é	
   coercitiva	
   ao	
   cumprimento	
   do	
   encargo	
   ou	
   obrigação.	
   O	
   não	
   cumprimento	
   não	
   significa	
   a	
  
suspensão	
   do	
   direito	
   do	
   donatário,	
   mas	
   gera	
   possibilidade	
   de	
   se	
   exigir	
   esse	
   encargo	
   ou	
  
obrigação	
  pelo	
  que	
  seria	
  beneficiado	
  pelo	
  encargo.	
  Ex.:	
   te	
  dou	
  R$1	
  milhão,	
  mas	
  você	
  tem	
  que	
  
doar	
  5%	
  ao	
  asilo	
  –	
  este	
  asilo	
  poderá	
  cobrar	
  esses	
  5%	
  se	
  você	
  não	
  repassá-­‐lo	
  imediatamente;	
  
• Remuneratória:	
   visa	
   beneficiar	
   o	
   donatário	
   por	
   serviços	
   prestados.	
   Não	
   é	
   um	
   pagamento	
   da	
  
prestação	
  de	
  serviços,	
  mas	
  um	
  “premio”.	
  Ex:	
  funcionário	
  do	
  mês:	
  ganha	
  um	
  Big	
  Mc.	
  Essa	
  doação	
  
tem	
  uma	
  motivação:	
  benefícios	
  feitos	
  ou	
  serviços	
  prestados.	
  Pode	
  existir	
  um	
  erro	
  de	
  fato	
  sobre	
  
essa	
   causa,	
   mas	
   o	
   importante	
   é	
   que	
   nessa	
   doação	
   a	
   causa	
   tem	
   relevância:	
   se	
   essa	
   se	
  
desconstituir,	
  a	
  doação	
  pode	
  deixar	
  de	
  existir;]	
  
• Com	
  cláusula	
  de	
  conversão:	
  
Art.	
  547.	
  O	
  doador	
  pode	
  estipular	
  que	
  os	
  bens	
  doados	
  voltem	
  ao	
  seu	
  patrimônio,	
  se	
  sobreviver	
  
ao	
  donatário.	
  
É	
  uma	
   forma	
  de	
  doação	
   condicional,	
   em	
  que	
  os	
  efeitos	
   va	
   se	
  produzir	
   desde	
  que	
  ocorra	
  esse	
  
evento	
  incerto,	
  ou	
  seja,	
  seus	
  efeitos	
  são	
  resolutivos.	
  
A	
  entrega	
  pode	
  ser	
  feita	
  com	
  outros	
  objetivos	
  que	
  não	
  o	
  ânimo	
  de	
  transferência	
  de	
  propriedade.	
  
O	
   doador	
   não	
   se	
   responsabiliza	
   pela	
   evicção,	
   justamente	
   porque	
   é	
   um	
   ato	
   de	
   liberalidade,	
  
gratuito,	
  benéfico	
  
Causas	
  de	
  invalidade	
  da	
  doação	
  
• Incapacidade	
  do	
  doador;	
  	
  
• Ilegitimidade;	
  
• Inexistência	
  de	
  aceitação:	
  exceção	
  é	
  a	
  doação	
  pura	
  a	
  incapaz,	
  prevista	
  no	
  art.	
  543,	
  CC;	
  
• Inobservância	
  da	
  forma	
  prescrita;	
  
• Inidoneidade	
  do	
  objeto	
  –	
  incluindo	
  as	
  doações	
  inoficiosas,	
  ex:	
  eu	
  dôo	
  algo	
  que	
  não	
  está	
  no	
  
meu	
  patrimônio,	
  ou	
  que	
  exceda	
  o	
  destinado	
  aos	
  herdeiros	
  necessários;	
  	
  
• Doação	
  feita	
  com	
  vício	
  de	
  consentimento	
  (erro,	
  dolo	
  ou	
  coação);	
  
• Feita	
  com	
  o	
  objetivo	
  de	
  fraudar	
  credores	
  –	
  duas	
  espécies:	
  
a) Fraude	
   contra	
   credores:	
   o	
   sujeito	
   tem	
   uma	
   serie	
   de	
   credores	
   que	
   ainda	
   não	
  
propuseram	
  uma	
  ação	
  cobrando	
  qualquer	
  credito.	
  Antes	
  de	
  ser	
  cobrado,	
  o	
  devedor	
  
16	
  
	
  
doa	
  de	
  forma	
  gratuita	
  seu	
  patrimônio	
  com	
  o	
  objetivo	
  de	
  impedir	
  que	
  seus	
  credores	
  
busquem	
  aquele	
  patrimônio.	
  
Elementos:	
  
• Divida	
  já	
  constituída;	
  
• Concilio	
  fraudis:	
  conluio	
  entre	
  o	
  doador	
  e	
  o	
  donatário	
  no	
  intuito	
  de	
  fraudar	
  
credores.	
   Ação	
   pauliana,	
   ação	
   de	
   rito	
   ordinário,	
   que	
   não	
   invalida	
   o	
   ato	
  
jurídico,	
   os	
   efeitos	
   vão	
   se	
   produzir	
   até	
   que	
   exista	
   sentença	
   transitada	
   em	
  
julgado.	
  	
  
• Alienação	
  gratuita	
  
• Que	
  reduza	
  esse	
  doador	
  em	
  situação	
  insolvência	
  
• Não	
   gera	
   solidariedade.	
   Doador	
   e	
   donatário	
   são	
   litisconsortes	
   na	
   ação	
  
pauliana.	
  (158	
  a	
  165)	
  
b) Fraude	
  à	
  execução:	
   já	
  existe	
  a	
  ação	
  judicial	
  proposta	
  (não	
  precisa	
  ser	
  de	
  execução,	
  
pode	
   ser	
   de	
   conhecimento).	
   No	
   curso	
   dessa	
   ação,	
   o	
   réu	
   aliena	
   bens	
   e	
   quando	
  
executado,	
  o	
  executor	
  não	
  acha	
  bem	
  nenhum.	
  Ai	
  o	
   juiz	
  declara,	
  na	
  própria	
  ação	
  a	
  
fraude	
  à	
  execução,	
  indicando	
  a	
  nulidade	
  das	
  doações	
  feitas.	
  Ou	
  seja	
  aqui,	
  o	
  efeito	
  é	
  
muito	
  mais	
  grave.	
  
Revogação	
  da	
  doação	
  
A	
  doação	
  pura	
  é	
  revogável	
  pela	
  ingratidão	
  do	
  donatário.	
  
Art.	
  557.	
  Podem	
  ser	
  revogadas	
  por	
  ingratidão	
  as	
  doações:	
  
I	
  -­‐	
  se	
  o	
  donatário	
  atentou	
  contra	
  a	
  vida	
  do	
  doador	
  ou	
  cometeu	
  crime	
  de	
  homicídio	
  doloso	
  contra	
  
ele;	
  
II	
  -­‐	
  se	
  cometeu	
  contra	
  ele	
  ofensa	
  física;	
  
III	
  -­‐	
  se	
  o	
  injuriou	
  gravemente	
  ou	
  o	
  caluniou;	
  
IV	
  -­‐	
  se,	
  podendo	
  ministrá-­‐los,	
  recusou	
  ao	
  doador	
  os	
  alimentos	
  de	
  que	
  este	
  necessitava.	
  
Esse	
  artigo	
  abrange	
  todas	
  as	
  doações,	
  inclusive	
  a	
  doação	
  pura.	
  O	
  direito	
  de	
  revogação	
  à	
  doação	
  
por	
  parte	
  do	
  doador	
  é	
  irrenunciável.	
  Mas	
  essa	
  revogação	
  necessita	
  de	
  sentença	
  judicial,	
  não	
  basta	
  pacto	
  
comissório	
   expresso.	
   Se	
   houver	
   transferência	
   do	
   bem	
   do	
   donatário	
   para	
   um	
   terceiro	
   de	
   boa-­‐fé,	
   a	
  
situação	
  resolve-­‐se	
  em	
  favor	
  deste,	
  culminando	
  em	
  perdas	
  e	
  danos.	
  
18/10/2010	
  	
  
	
  
Permuta	
  e	
  sua	
  relação	
  com	
  a	
  compra	
  e	
  venda	
  
A	
   uma	
   aplicação	
   subsidiária	
   das	
   regras	
   de	
   compra	
   e	
   venda	
   na	
   permuta.	
   É	
   comum	
   haver	
   a	
  
transferência	
  da	
  propriedade	
  dos	
  bens	
  mais	
  um	
  valor	
  determinado	
  (uma	
  complementação	
  em	
  dinheiro).	
  	
  
A	
   aplicação	
  de	
  uma	
   regra	
  ou	
  outra	
   vai	
   depender	
  da	
  proporção	
  dessas	
  prestações.	
   Se	
  o	
  maior	
  
valor	
  for	
  em	
  dinheiro,	
  o	
  contrato	
  é	
  caracterizado	
  como	
  compra	
  e	
  venda,	
  e	
  não	
  como	
  permuta.	
  
Permuta	
   pura:	
   transferência	
   patrimonial,	
   na	
   qual	
   a	
   contraprestação	
   não	
   se	
   faz	
   com	
   o	
  
pagamento	
  de	
  um	
  preço,	
  em	
  dinheiro,	
  mas	
  com	
  a	
  transferência	
  da	
  propriedade	
  de	
  um	
  outro	
  bem.	
  
Permuta	
  mista:	
  complementação	
  em	
  dinheiro.	
  Se	
  o	
  valor	
  maior	
  for	
  do	
  dinheiro,	
  serão	
  aplicadas	
  
as	
   regras	
   da	
   compra	
   e	
   venda,	
   exclusivamente.	
   Caso	
   contrário,	
   as	
   regras	
   da	
   compra	
   e	
   venda	
   são	
   de	
  
aplicação	
  subsidiária.	
  
Classificação:	
  
1. Bilateral;