A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 2 de 22

é	
  vista	
  como	
  contrapartida,	
  já	
  que	
  não	
  se	
  tem	
  a	
  faculdade	
  de	
  estabelecer	
  as	
  cláusulas.	
  	
  
Já	
  os	
  contratos	
  por	
  adesão	
  também	
  formulam	
  o	
  contrato	
  de	
  maneira	
  pré-­‐estabelecida	
  por	
  uma	
  
das	
  partes,	
  mas	
  existem	
  algumas	
  opções	
  de	
  mercado	
  e	
  é	
  até	
  possível	
  se	
  dispor	
  a	
  não	
  contratar.	
  
Os	
  contratos	
  de	
  adesão	
  se	
  assemelham	
  a	
  atos	
  jurídicos	
  stricto	
  sensu.	
  	
  
	
  
Características	
  do	
  contrato	
  de	
  adesão:	
  
1) Uniformidade:	
  os	
  contratos	
  de	
  adesão	
  tendem	
  à	
  contratação	
  em	
  massa,	
  logo	
  seu	
  conteúdo	
  
tende	
  a	
  pequenas	
  alterações.	
  
2) Pré-­‐determinação:	
   os	
   modelos	
   dos	
   contratos	
   de	
   adesão	
   estão	
   pré-­‐formulados	
   antes	
   da	
  
própria	
  formação	
  do	
  contrato.	
  
3) Rigidez	
   dos	
   contratos:	
   não	
   existe	
   no	
   contrato	
   de	
   adesão,	
   por	
   sua	
   própria	
   natureza,	
   a	
  
possibilidade	
  de	
  que	
  suas	
  cláusulas	
  sejam	
  negociadas	
  e	
  alteradas	
  caso	
  a	
  caso.	
  Seu	
  conteúdo	
  é	
  
rígido	
  muitas	
  vezes	
  por	
  força	
  de	
  lei.	
  O	
  que	
  deve	
  ser	
  fornecido	
  ao	
  público	
  já	
  foi	
  preordenado	
  
pelo	
  próprio	
  Estado,	
  por	
  exemplo,	
  em	
  caso	
  de	
  concessões	
  públicas.	
  
A	
  doutrina	
  distingue	
  entre	
  o	
  contrato	
  de	
  adesão	
  e	
  as	
  cláusulas	
  gerais	
  de	
  contratação.	
  Estas	
  são	
  
disposições	
   que	
   se	
   integram	
   nos	
   contratos	
   de	
   adesão	
   numa	
   relação	
   de	
   conteúdo	
   (cláusulas)	
   e	
  
continente	
  (contrato	
  globalmente	
  considerado),	
  pois	
  a	
  lei	
  pode	
  estabelecer	
  disposições	
  que	
  devam	
  ser	
  
consideradas	
   presentes	
   nos	
   contratos,	
   ainda	
   que	
   não	
   escritas.	
   Exemplo:	
   no	
   art.	
   51	
   do	
   CDC	
   há	
   uma	
  
listagem	
   de	
   cláusulas	
   abusivas	
   nas	
   relações	
   de	
   consumo	
   –	
   este	
   artigo	
   compõe	
   as	
   cláusulas	
   gerais	
   de	
  
contratação	
  num	
  contrato	
  de	
  adesão,	
  pois	
  proíbe	
  disposições	
  contratuais	
  contrárias	
  a	
  ele.	
  
Outro	
   exemplo:	
   dissídio	
   coletivo	
   (contratação	
   feita	
   entre	
   categorias	
   profissionais,	
   como,	
   por	
  
exemplo,	
   entre	
   o	
   sindicato	
   dos	
   trabalhadores	
   e	
   o	
   sindicato	
   dos	
   empregadores)	
   –	
   é	
   necessário	
   que	
  
reproduzam	
  nos	
  seus	
  contratos	
  o	
  que	
  foi	
  pré-­‐ordenado	
  no	
  dissídio	
  coletivo.	
  
	
  
Objetivação	
  dos	
  contratos	
  
O	
   contrato	
   de	
   adesão	
   se	
   insere	
   numa	
   tendência	
   à	
   objetivação	
   dos	
   contratos,	
   representando	
  
uma	
  de	
  suas	
  vertentes	
  possíveis.	
  Essa	
  tendência	
  se	
  dá	
  em	
  parte	
  das	
  operações	
  econômicas	
  para	
  limitar	
  
a	
  importância	
  da	
  vontade	
  como	
  elemento	
  da	
  contratação.	
  
Mais	
  antigamente,	
  havia	
  também	
  quem	
  falasse	
  da	
  “morte”	
  dos	
  contratos,	
  da	
  liberdade	
  de	
  cada	
  
um	
  para	
  decidir	
  suas	
  relações,	
  para	
  gerir	
  os	
  seus	
  interesses.	
  Ex.:	
  tendência	
  cada	
  vez	
  maior	
  de	
  ampliar	
  o	
  
número	
  de	
  contratos	
  pela	
   internet	
  (consumo	
  pela	
   internet),	
  na	
  qual	
  o	
  consenso	
  também	
  é	
   limitado.	
  É	
  
possível	
  falar	
  em	
  uma	
  automatização	
  dos	
  contratos.	
  
Alguns	
  objetivos	
  almejados	
  por	
  essa	
  tendência:	
  
1) Celeridade	
  nas	
  contratações;	
  
2) Segurança	
  e	
  estabilidade	
  nas	
  relações:	
  a	
  ideia	
  é	
  privilegiar	
  o	
  aspecto	
  objetivo	
  da	
  declaração	
  
da	
  vontade,	
  em	
  detrimento	
  do	
  aspecto	
  subjetivo	
  (vontade	
  real);	
  
3) Confiança	
   legítima:	
   é	
   o	
   comportamento	
  que	
   se	
   pode	
  esperar	
   da	
   contra	
   parte,	
   de	
  maneira	
  
fundamentada.	
  Em	
  determinadas	
  circunstâncias	
  negociais,	
  uma	
  parte	
  pode	
  criar	
  para	
  a	
  outra	
  
3	
  
	
  
determinadas	
  expectativas,	
  um	
  certo	
  comportamento	
   já	
  esperado.	
  O	
  que	
  se	
  pode	
  antes	
  de	
  
contratar	
  esperar	
  da	
  outra	
  parte.	
  Ex.:	
  você	
  vai	
  no	
  Einstein	
  e	
  já	
  espera	
  um	
  tratamento	
  melhor,	
  
uma	
  conduta	
  x,	
  uma	
  maior	
  assepsia.	
  Essa	
  ideia	
  serve	
  de	
  fundamento	
  da	
  responsabilidade	
  pré	
  
e	
  pós-­‐contratual,	
  é	
  uma	
  perspectiva	
  da	
  boa	
  fé	
  objetiva.	
  
Exemplos	
  de	
  objetivação	
  dos	
  contratos	
  
1. Distinção	
   entre	
   o	
   contrato	
   social	
   e	
   o	
   contato	
   social:	
   o	
   contato	
   social	
   diz	
   respeito	
   àquelas	
  
circunstâncias	
  em	
  que	
  não	
  há	
  propriamente	
  um	
  consenso,	
  mas	
  há	
  uma	
  operação	
  econômica	
  e	
  ela	
  fica	
  
bastante	
  mitigada.	
  É	
  o	
  caso	
  dos	
  contratos	
  automáticos	
  (comprar	
  um	
  refrigerante	
  na	
  máquina	
  ou	
  ligar	
  de	
  
um	
  orelhão,	
  por	
  exemplo),	
  em	
  que	
  não	
  se	
  pode	
  falar	
  que	
  há	
  consenso,	
  não	
  se	
  pode	
  elevar	
  essa	
  situação	
  
à	
  categoria	
  de	
  contrato	
  propriamente	
  dito.	
  Já	
  o	
  contrato	
  social	
  conta	
  com	
  o	
  elemento	
  consenso,	
  acordo	
  
de	
  vontades.	
  
2. Relações	
  contratuais	
  de	
  fato:	
  em	
  tais	
  relações	
  há	
  todo	
  o	
  formato	
  de	
  um	
  contrato,	
  mas	
  falta	
  um	
  
dos	
  elementos	
  que	
  possibilitariam	
  sua	
  existência,	
  o	
  que	
  o	
  torna	
  nulo.	
  Ex.:	
  quem	
  assinou	
  minha	
  carteira	
  
de	
  trabalho	
  não	
  poderia	
  tê-­‐lo	
  feito,	
  caracterizando,	
  assim,	
  um	
  “contrato	
  nulo”	
  –	
  entretanto,	
  nesse	
  caso,	
  
não	
  ocorre	
  a	
  devolução	
  de	
  salários,	
  pois	
  houve	
  a	
  realização	
  de	
  trocas	
  econômicas.	
  Em	
  relação	
  à	
  parte	
  da	
  
boa-­‐fé,	
  os	
  efeitos	
  são	
  produzidos,	
  até	
  mesmo	
  para	
  não	
   incorrer	
  em	
  enriquecimento	
  sem	
  causa.	
  Outro	
  
exemplo	
  em	
  que	
  o	
  nulo	
  produz	
  efeitos	
  é	
  o	
  casamento	
  putativo.	
  
3. O	
  contrato	
  e	
  a	
  instituição:	
  o	
  contrato	
  valerá	
  entre	
  as	
  partes,	
  mas	
  em	
  determinadas	
  situações	
  a	
  
própria	
   contratação	
   pode	
   gerar	
   uma	
   outra	
   entidade	
   por	
   si	
   só	
   que	
   seja	
   objeto	
   de	
   relações	
   jurídicas	
  
próprias,	
  diferente	
  inclusive	
  daqueles	
  interesses	
  das	
  partes.	
  Exemplo:	
  quando	
  o	
  contrato	
  de	
  sociedade	
  
cria	
  uma	
  pessoa	
  jurídica.	
  
4. Contratos	
   standart:	
   todas	
   as	
   operações	
   econômicas	
   que	
   sejam	
   padronizadas	
   (padronização	
  
estabelecida	
   por	
   contratos	
   de	
   adesão	
   ou	
   por	
   tipos	
   preordenados).	
   Há	
   quase